Censos demográficos e o futuro da agricultura

O Censo Agropecuário de 2006 foi objeto de análise detalhada por um grupo de pesquisadores da
Embrapa como também o êxodo rural, com base em informações dos censos demográficos do IBGE, (Alves,
1995; Alves, Souza e Gomes (Ed), 2013 e Alves, Souza e Marra, 2016. As conjecturas que se seguem
representam interpretação dos resultados das análises com base no fato de que crescimento da agricultura
continua sendo fortemente influenciado pela tecnologia, e muito pouco pelo crescimento da área plantada.

Os fatos observados descrevem a agricultura que emergiu do censo 2006 e dos censos demográficos.
A conjectura é que este estilo de agricultura vai perdurar, e, ainda, a concentração da produção
vai se agravar, a população residente no meio rural e o emprego rural serão cada vez menos expressivos.
Ou seja, as políticas de transferência de renda, que também procuram deter o êxodo rural, continuarão
sendo, neste aspecto, derrotadas pelas forças do mercado e incapazes de atenuarem seus efeitos. Se não
forem removidas as imperfeições de mercado, pelas quais a pequena produção vende mal a produção e
da mesma forma, compra mal os insumos, a solução do problema de pobreza via agricultura continuará
sendo inviável. E as políticas de transferência de renda serão impotentes para reter a população nos
campos.