Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


14/08/2011

Volume de sacolas usadas pelo comércio caiu para 3%

Lei provocou a redução do lixo e o aumento da preservação do meio ambiente

Sacolas reutilizáveis oferecidas por estabelecimentos comerciais de BH

 Reduzir, reutilizar, reciclar. A lógica dos três “Rs”, criada nos anos 1990 para conscientizar alunos de cidades ao redor do globo sobre a necessidade de reduzir o lixo produzido, ganhou um aliado precioso em Belo Horizonte. Com a lei que proibiu as sacolas plásticas, o número de sacolas usadas diariamente caiu de 450 mil unidades para 13.500, ou seja, 3% do que era antes.


O resultado foi tão positivo que outras cidades resolveram seguir o modelo. No mês passado, a capital paulista aprovou a lei e as sacolas plásticas serão proibidas a partir de 1º de janeiro de 2012. A multa para quem descumprir pode chegar a R$ 50 milhões.
A produção do lixo é um dos três eixos temáticos que serão discutidos na 9ª edição do Seminário Meio Ambiente e Cidadania, promovido pelo Hoje em Dia, que acontece nos dias 25 e 26 de agosto no Mercury Hotel, em Belo Horizonte. As inscrições são gratuitas, e já podem ser feitas neste endereço.


A proibição das sacolas, a princípio de pouco impacto na vida do cidadão, começa a ser proposta por outros países. Em maio deste ano a comissão de Meio Ambiente da União Europeia lançou uma consulta pública para decidir o melhor caminho para reduzir o uso de sacolas plásticas. O resultado sai no final deste mês, mas há indícios que o parecer será favorável à proibição.


A conta é assustadora. A Europa produziu 3,4 milhões de toneladas de sacolas plásticas em 2008, o equivalente ao peso de dois milhões de carros, segundo o braço executivo da União Europeia (UE). As sacolas geralmente acabam no mar e demoram centenas de anos para se decompor. Cerca de 250 bilhões de pedaços de plástico, com peso total de 500 toneladas, sujam o Mediterrâneo, ameaçando a vida marinha, já que os animais podem sufocar ao comer o plástico, confundido com comida.


O mesmo acontece nos Estados Unidos e no Japão. O resultado é que, no fim de 2009 cientistas dos dois países encontraram ao norte do Oceano Pacífico, em uma confluência de correntes marítimas, uma “ilha” de plástico flutuante de dimensões assustadoras. O volume não foi definido, mas é possível ver a mancha cinzenta via satélite. Os pedaços do material matam a fauna local sufocada.


Em Belo Horizonte, estimativas da Associação Mineira de Supermercados (Amis) apontam que os consumidores aderiram às sacolas retornáveis. Em quatro meses foram vendidas em Belo Horizonte 2 milhões de sacolas retornáveis, e as poucas que são oferecidas por padarias, mercearias e supermercados são feitas de material que se desintegra no aterro sanitário da cidade em menos de três anos.


O próximo desafio da cidade é aumentar a coleta seletiva. Para o vereador Arnaldo Godoy (PT), autor da lei que proibiu as sacolas, a cidade abraçou a iniciativa. “O uso das sacolas retornáveis traz à tona toda uma discussão sobre a cidade que o belo-horizontino quer. Acredito que em pouco tempo vamos ter uma pressão popular para que a coleta seletiva seja ampliada”, afirmou.


Dados da SLU apontam que para ampliar a reciclagem na cidade é preciso atrair mais empresas especializadas para a cidade, já que os galpões das associações já trabalham no limite de sua capacidade. Para os catadores, o ideal é investir nas associações e ampliar a oferta de crédito, para que as próprias associações se profissionalizem, comprando equipamento e melhorando a eficiência de seus galpões.


Sacola de algodão é a mais ecológica


Uma pesquisa divulgada na semana passada em São Paulo, analisando as várias possibilidades de embalagens para compras, apontou o papel como opção mais poluente em curto prazo e as retornáveis feitas com algodão as mais ecologicamente corretas. O período analisado pelo impacto é de um ano.


Segundo a pesquisa, realizada pela Fundação Espaço Eco com apoio do Instituto Akatu de Consumo Consciente, embalagens plásticas feitas de polietileno, as oxidegradáveis – que se transformam em uma espécie de areia em um período de três anos – e as feitas a partir de polímeros do milho causam impactos semelhantes, se analisado o período de 365 dias.


O mesmo ocorre quando se relaciona as sacolas retornáveis feitas com plástico, ráfia – trama usada em fardos de arroz, por exemplo – e algodão, com leve vantagem para a última opção, por se tratar de um produto renovável. A pesquisa levou em conta a água empregada na produção da matéria-prima, volume de carbono e gases de efeito estufa emitidos em cada um dos processos, quantidade de vezes que o material pode ser reaproveitado e volume na hora do descarte. O tempo de decomposição, no entanto, não entrou no cálculo.


Autor do projeto de lei que proibiu as sacolas plásticas em Belo Horizonte, o vereador Arnaldo Godoy (PT) avalia que a pesquisa sobre o impacto ambiental das sacolas plásticas é questionável, principalmente por ter sido elaborado a pedido de uma instituição ligada ao setor produtivo das sacolinhas.


O vereador ressalta que, além do tempo de decomposição do plástico ser muito superior ao do papel – cerca de três anos contra pelo menos um século, no caso das sacolas tradicionais – o volume de sacolinhas que circulavam pelas ruas e entupiam os bueiros ainda é muito grande. “Esperamos que em Belo Horizonte tenhamos menos problemas de enchentes já neste ano, graças a esta lei”, afirmou Godoy.

 


Fonte: hojeemdia.com.bR



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (3)


Amanda Beatriz Fernandes disse:

19/08/2011 às 08:04

Bom dia
Adorei a reportagem e me inscrevi no Seminário, porem gostaria de saber qual o horário deste?
Obrigada

Leidiane Silva Pinheiro disse:

17/08/2011 às 17:36

EU PARTICULARMENTE ACHEI A IDÉA PERFEITA E ECOLOGICAMENTE CORRETA!
QUE VENHAM AS BOLSA ECOLOGICAS... QUE VOLTEM O USO DAS CAIXAS DE PAPELÃO!
O MEIO AMBIENTE AGRADECE!

AMARILDO PORTO ARAUJO disse:

15/08/2011 às 11:30

quando criança ia a mercearia, padaria, farmacia, a feira - livre, pois supermercado nao existia por lá, a pedido de minha adoravel mae fazer compras ou acompanha-la p/ trazer ás mesmas. e me lembro que ela reutilizava os sacos de quatro latas ou seja de 60 kilos que vinhan com açucar e como boa costureira ele transformava estes sacos em sacolas p/ uso domestico, HOGE JA ACIMA DOS QUARENTA, E MORANDO UN POUCO LONGE DE MINHA ADORAVEL MAE, RETIRO TRÉS VEZES AO DIA LIXO DA MINHA PORTA E DA PORTA DO MEU VIZINHO E PASMEN BOA PARTE DESSE LIXO QUE VEM COM O VENTO E CHUVA P/A MINHA PORTA ER SACOLAS PLASTICAS, NA [SEMAN, SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO MUNICIPIO DE MACAPÁ/AP E O COMDEMA, CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DO MUNICIPIO DE MACAPÁ/AP, ] discuçao p/ adotar o mesmo mecanismo que [ BELO-HORIZONTE, S, PAULO E DEMAIS CAPITAIS ] ADOTARAN EM RELAÇAO ÁS SACOLAS PLASTICAS E EM BRAVE TEREMOS LEGISLAÇAOA ESTE RESPEITO.. e coloco aqui como sugestao do amapá p/ o GOVERNO FEDERAL QUE DOE P/ FAMILIAS DE ATÉ O5 SALARIOS MINIMOS, TRÉS SACOLAS RETORNAVEIS, UMA COM CAPACIDADE P/ 50 KILOS, OUTRA DE 30, KILOS E A ULTIMA COM CAPACIDADE DE ATÉ 20, KILOS COM VERBA DO MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE PROVINIENTE DAS COMPENSAÇOES DE EMPREEDIMENTOS INSTALADOS DENTRO DO TERRITORIO BRASILEIRO E DOS PAISES QUE QUEIRAN AJUDAR A PRESERVAR ÁS AGUAS DO TERRITORIO BRASILEIRO.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2348 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey