Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


18/11/2014

Tropical Flora trabalha com 20 espécies de madeira nobre no interior de São Paulo

O diretor florestal empresa, Eduardo Ciriello, destaca o potencial do mogno africano

Eduardo Ciriello durante seminário promovido pelo Instituto Brasileiro de Florestas (IBF), na capital paulista

Quando o assunto é a perspectiva econômica e a viabilidade técnica do plantio do mogno africano no Brasil, o diretor florestal da Tropical Flora, Eduardo Ciriello, é bem objetivo: “trata-se de uma madeira com elevada durabilidade, beleza estética, alta densidade e com foco para a movelaria, além de uma valorização do preço entre 9% e 15% ao ano”.

Para este engenheiro agrônomo, mestre em ciência florestal, há um horizonte muito grande de trabalho. Ciriello explica que a Tropical Flora tem plantios de mogno africano pelo interior de São Paulo e dá assessoria técnica para outros silvicultores em várias regiões do País. No entanto, Ciriello destaca que a Tropical Flora detém plantios com 20 espécies de madeira nobre em Garça, interior de São Paulo, e também dá uma atenção especial para o guanandi, além de plantios consorciados com café e pupunha – que gera o palmito.

Na avaliação de Ciriello, como o mercado saiu há pouco tempo da fase “embrionária”, são poucos os critérios para a definição de preços a serem praticados. Entretanto, já há cotações pelo International Timber Tropical Organization (ITTO) e Cepea - Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada. “O importante é definir o mercado que quer atingir. O mercado interno vai absorver pelo menos 50% de tudo o que for produzido. O crescimento da floresta comercial produtiva valoriza a terra – o ativo florestal. A produção e o consumo estão muito próximos. O preço do mogno no Peru chega a 1570 US$ e o ipê chega a US$ 2.725, por metro cúbico”, diz.

Certo mesmo é que o plantio de madeira nobre é um investimento de longo prazo, mas com mercado garantido devido ao aumento na demanda anual. Como o Brasil é referência em silvicultura, na madeira nobre não é diferente. Por isso, Ciriello ressalta que é preciso definir o que plantar e como plantar, já que o segredo é o planejamento. “O produtor rural ainda não é silvicultor. Há vários sistemas de plantio, inclusive os consorciados”, comentou Ciriello.

Quanto ao mogno africano, ele diz que as duas espécies - khaya senegalensis e khaya ivorensis – têm boa resistência à seca, precisam de 700 mm por ano de chuvas e suportam até sete meses sem água, com poucos relatos de pragas e doenças no início do plantio, além de um incremento de 2 a 3 metros de altura por ano. “É possível desbaste com quatro e sete anos, dá para plantar em áreas onduladas, como, por exemplo, as inclinações no Vale do Paraíba (SP)”, complementa.


Fonte: Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/08/2018 às 12:05

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1152 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey