Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


03/03/2010

Tese Mostra Que Fazendas Produtoras de Madeira de Reflorestamento Podem Colaborar Com Recomposição da Fauna e Flora

A idéia de que as plantações de pinus são um "deserto verde" está cada vez mais sendo derrubada. Uma tese de doutorado desenvolvida junto ao Laboratório de Restauração Ambiental Sistêmica da UFSC colabora com essa visão. A pesquisa ligada ao Programa de Pós-Graduação em Recursos Vegetais comprova que mosaicos formados por talhões de pinus, manchas de florestas nativas de reservas legais e extensos corredores de áreas ciliares formam um ambiente conectado e em processo de restauração da diversidade de flora e fauna.

 A idéia de que as plantações de pinus são um "deserto verde" está cada vez mais sendo derrubada. Uma tese de doutorado desenvolvida junto ao Laboratório de Restauração Ambiental Sistêmica da UFSC colabora com essa visão. A pesquisa ligada ao Programa de Pós-Graduação em Recursos Vegetais comprova que mosaicos formados por talhões de pinus, manchas de florestas nativas de reservas legais e extensos corredores de áreas ciliares formam um ambiente conectado e em processo de restauração da diversidade de flora e fauna.

O estudo foi desenvolvido pela bióloga Deisy Regina Tres, sob orientação do professor Ademir Reis, do Departamento de Botânica da UFSC. Foi também executada em parceria com a empresa Battistela Florestal, em fazendas produtoras de pinus em Rio Negrinho, Planalto Norte Catarinense.

A região estudada era coberta por áreas contínuas de Floresta de Araucária, com submata dominada principalmente pela Imbuia, Sapopema e erva-mate. Atualmente a paisagem está fragmentada entre o plantio de pinus e remanescentes de florestas, mas o estudo demonstra que ainda assim tem grande potencial para recuperação e conservação.

Paisagem investigada

De acordo com a bióloga, as investigações realizadas a partir de uma série histórica entre os anos de 1957 e 2005 apresentam atualmente um cenário sustentável e equilibrado para as fazendas produtoras de madeira. O atual conjunto de legislação ambiental (especialmente o Código Ambiental, que exige áreas de reserva legal e a manutenção de áreas ciliares) e as exigências das empresas certificadoras, somando-se às peculiaridades da geomorfologia da Região Norte do planalto catarinense, resultaram em uma ocupação de no máximo 50% da região com a plantação de pinus. Os outros 50% são áreas de florestas remanescentes.

A partir da construção de uma série de mapas e análise das medidas das regiões ocupadas pela silvicultura e florestas naturais, assim como dos corredores de matas nativas, a bióloga analisou a estrutura dessa paisagem. Além disso, o estudo contemplou o estudo dos fluxos ecológicos entre estas regiões, por meio de técnicas como a coleta da chuva de sementes, registro fotográfico da fauna silvestre e de sinais como fezes, pegadas e abrigos.

Com o cruzamento das informações, a bióloga estimou o que tecnicamente os pesquisadores chamam de "conectividade funcional do mosaico". A conectividade é definida como a capacidade de uma paisagem de facilitar os fluxos de organismos, sementes e grãos de pólen. Os resultados mostram que mesmo os talhões de pinus são regiões potenciais para a conectividade, favorecendo a integração entre os fragmentos de mata remanescentes.

Trânsito animal

"Estes talhões atuam como facilitadores dos fluxos biológicos, como a dispersão de sementes pelas aves e o deslocamento de mamíferos, quando comparados às áreas desmatadas, de pastagem ou culturas agrícolas.", explica Deisy.

"Ao mesmo tempo em que uma espécie de gavião frequenta uma área de floresta, acessa áreas de pinus em busca de pequenos roedores que utilizam os talhões como áreas de refúgio. Herbívoros como o veado, pela sua dieta estar baseada praticamente no consumo de plântulas, foram detectados em todas as unidades estudadas", exemplifica a bióloga.

Seus levantamentos revelam que animais que se alimentam tanto de produtos de origem animal como vegetal, como o cachorro do mato, quati, tatu e algumas espécies de aves transitam por todos os ambientes, inclusive estradas abertas para manejo das fazendas produtoras de madeira.

"Esse tipo de comportamento sugere a possibilidade de conexão entre as áreas nativas e cultivadas da paisagem, uma vez que tende a tornar a matriz de pinus mais porosa aos fluxos específicos de abrigo e dissipação de energia, e, por outro lado, aumenta a probabilidade de conectividade entre as manchas remanescentes de mata nativa", descreve Deisy em sua tese.

Fluxos biológicos

O trabalho mostra também que a probabilidade de organismos conseguirem atravessar os talhões de pinus, alcançando as áreas naturais de habitat, é aumentada à medida que a paisagem se torna mais diversificada, com manchas de variados tamanhos e variadas distâncias. E na região estudada a grande quantidade de córregos e riachos resultou em uma rica densidade de corredores de vegetação ciliar que integra as diferentes áreas das fazendas.

A bióloga defende que essa paisagem entrecortada e a irregularidade de formas das manchas de pinus tende a aumentar o contato entre a matriz produtiva de madeira de reflorestamento e a vegetação natural remanescente. Além disso, o estudo mostra que o efeito borda, geralmente considerado como um dos problemas para a manutenção da biodiversidade em Unidades de Conservação, é positivo dentro das fazendas de reflorestamento. "Estas bordas permitiram uma maior superfície de contato dos ambientes naturais com os talhões de pinus, permitindo maiores fluxos biológicos dentro da paisagem", conta Deisy.

Do ponto de vista técnico, descreve a bióloga, "a diversidade do arranjo estrutural da paisagem estudada potencializa sua diversidade funcional". E até mesmo o sistema viário das fazendas produtoras de madeira desempenha papel de conexão entre áreas de vegetação nativa e talhões de pinus. A bióloga observou, por exemplo, que as estradas representam subdivisões entre os talhões, formando várias quadriculações na paisagem.

"Esta configuração gera áreas de contato entre as unidades, aumentam o contato das bordas de pinus com as áreas de floresta e capoeira", explica Deisy, que analisou a paisagem do planalto norte catarinense a partir de uma visão sistêmica, contemplando elementos históricos, físicos e ecológicos. Ela defende a concepção de que a paisagem é produto da relação histórica do homem com os elementos formadores da paisagem, como o clima, o relevo, solo água, vegetação e diferentes usos da terra.

Novo paradigma de conservação

Na visão da bióloga, um cenário de sustentabilidade para as fazendas produtoras de madeira exige a continuidade dessa perspectiva sistêmica e, necessariamente, a inclusão do fator humano como parte integrante da paisagem e corresponsável por sua conservação e restauração.

"É necessário problematizar as situações do nosso tempo, enfrentado as complexidades. As paisagens e suas conectividades se inserem em realidades ainda pouco exploradas pela ciência, especialmente as ciências baseadas em metodologias sistêmicas que incluam, além de tantos outros componentes, o elemento humano com potencial modificador e possível restaurador dos processos naturais", defende a autora da tese.

"Um novo paradigma para a conservação é levantado por esta pesquisa, uma vez que ficou evidente que as fazendas produtoras de madeira, com seus aspectos produtivos e conservativos, representam grandes núcleos de diversidade biológica e potenciais para a integração da paisagem dentro da região estudada, o planalto norte catarinense", defende o orientador do trabalho, professor Ademir Reis.

Ele acredita que a tese traz uma importante contribuição ao tema da restauração ambiental, assunto recente, que ainda depende de bases ecológicas sólidas e de experiências de campo. E destaca seu entendimento de que o ato de restaurar não deve ser compreendido como sinônimo de refazer ecossistemas, mas como uma possibilidade de reorganizar a comunicação entre as diferentes dimensões da paisagem natural, conciliando as necessidades do homem.

Nesta perspectiva, defende, "o planejamento de forma conjunta dentro do setor florestal, envolvendo outras regiões do Sul do Brasil, poderá trazer significativos avanços no sentido de propiciar uma produção sustentada de madeira para suprir as necessidades da sociedade. "As fazendas de pinus tendem a atuar como grandes regiões nucleadoras na paisagem do Planalto Norte Catarinense, sendo capazes de propiciar potencialidades para formar, numa escala local, dentro de comunidades em restauração, novas populações, facilitando a criação de novos nichos de regeneração e colonização, além de gerar, numa escala de contexto, novas situações de integração da paisagem regional", comemora.

"Soma-se a isto a capacidade de manter no campo um ambiente equilibrado, evitando processos erosivos, mantendo os fluxos da água, fazendo uma boa conservação do solo e, com este conjunto, mantendo os fluxos biológicos necessários para a conservação da biodiversidade", complementa o coordenador do Laboratório de Restauração Ambiental Sistêmica da UFSC, onde novas concepções sobre a restauração dos ecossistemas naturais vêm sendo desenvolvidas para tornar compatível a conservação dos recursos naturais e os processos produtivos.

A tese "Abordagem sistêmica para a restauração da paisagem" foi defendida em fevereiro, no auditório do Centro de Ciências Agrárias da UFSC, no bairro Itacorubi.


Fonte: ABN News



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


Ricardo Leme Ferreira disse:

09/05/2011 às 11:29


Muito interessante e importante a notícia de que manchas de florestas exóticas mescladas com nativas e corredores de matas ciliares formam ambientes conectados e em processo de restauração da diversidade. Isso provavelmente significa que essas florestas exóticas,nas condições particulares encontradas no estudo,não impediram o fluxo gênico de espécies nativas.

A imagem (foto) q ilustra essa matéria apresenta extensas áreas de florestas nativas junto às exóticas. Isso não derruba o fato de que Pinus e Eucaliptus são desertos verdes e sim q em condições particulares como as do estudo eles não o são. O q não q podemos é defender a opinião de q uma extensa floresta de pinus distante de uma floresta nativa, apresentará biodiversidade se quer próximo da encontrada em florestas nativas.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3019 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey