Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


16/02/2011

Suzano cresce e marca território na AL

Com controle do Conpacel e da KSR, objetivo é conter avanço da concorrência e manter a liderança regional.

Quinze dias após assumir o comando integral do Consórcio Paulista de Papel e Celulose (Conpacel), rebatizado unidade Limeira, a Suzano Papel e Celulose está pronta para consolidar a liderança no mercado de papéis de imprimir e escrever latino-americano, fortalecer a rede de distribuição na região e, dessa forma, tentar conter o avanço da concorrência na América Latina. Importante rival da Suzano nesse segmento, a International Paper (IP), maior fabricante de papéis dos Estados Unidos, já direcionou seus canhões para a região e vai perseguir o objetivo de comercializar na América Latina 100% dos papéis que produz nas três fábricas que opera no Brasil.

 

Em linhas gerais, 75% das vendas da Suzano, segundo o diretor da unidade de negócios papel da Suzano, Carlos Anibal, são feitas na América Latina, percentual idêntico ao da IP Brasil. A estratégia, contudo, é diferente: manter presença nos demais mercados, ao mesmo tempo em que reforça sua posição na região. "Não faz sentido abrir mão de mercados onde a marca Report está posicionada em segmentos especiais, como Europa e Estados Unidos", afirma.

 

Com a aquisição da integralidade do Conpacel, a capacidade de produção de papéis de imprimir e escrever e cartão da Suzano subiu a 1,3 milhão de toneladas. Em 12 meses, até setembro, 100 mil toneladas de papel foram exportadas pela companhia para o mercado europeu, volume semelhante ao que seguiu para a América do Norte. "Não é interessante deixar essas posições e os volumes devem se manter próximos disso", diz. Garantir escala na América Latina, por outro lado, é equivalente a se beneficiar de expressivas taxas de crescimento no consumo e evitar os elevados custos de frete.

 

Em 2010, o consumo mundial de papel de imprimir e escrever não revestido, segundo dados da consultoria RISI apresentados pela IP, cresceu 4%, de 49,1 milhões de toneladas em 2009 para 51 milhões de toneladas. O mais expressivo índice de expansão foi registrado na América Latina, de 6%, à frente de Europa e Ásia, ambas regiões com taxa de crescimento de 5%. Na América do Norte, o consumo ficou estável.

 

"Na região, o crescimento nos próximos anos deve ficar entre 3,5% e 4%, o que vai atrair mais fornecedores", informa Anibal. Movimentos de consolidação regional, como o protagonizado pela Suzano na compra da totalidade de Conpacel, também são tendência em outros países e têm por objetivo formar grandes fornecedores locais, que competirão em pé de igualdade com os grandes grupos globais do setor. "Grandes players terão cada vez mais dominância regional. Então, a Suzano vai reforçar presença aqui para permanecer líder", diz ele. A meta está prevista no plano 2024, uma referência ao ano em que a companhia completará seu centenário.

 

No segmento de distribuição de papéis, a companhia brasileira vai olhar oportunidades, eventualmente de aquisição, em outros países da América Latina - na Argentina, já conta com operação dessa natureza. Recentemente, expatriou um gerente para o escritório de Fort Lauderdale, na Flórida, para atender de perto a clientela mexicana. "Agora, o foco é integrar a distribuição e chegar mais perto do cliente", comenta, referindo-se à estratégia que será replicada na América Latina.

 

A Suzano anunciou a compra da parcela da Fibria, de quem era sócia no Conpacel, no fim do ano passado por R$ 1,45 bilhão. Na negociação, a empresa da família Feffer incluiu ainda a KSR, distribuidora de papéis da antiga Votorantim Celulose e Papel (VCP), que se fundiu à Aracruz na Fibria, por outros R$ 50 milhões. Enquanto o pagamento pela Conpacel foi efetuado no fim do mês passado, a efetivação da compra da KSR está prevista para o dia 28.

 

A integração das distribuidoras, afirma Anibal, ampliará a presença geográfica da Suzano e complementará o portfólio da SPP-Nemo. À rede de 10 filiais da SPP vão se somar às 20 unidades da KSR, o que ampliará a presença direta da Suzano em todo o país. No Brasil, há cerca de 24 mil gráficas e entre 500 e 1 mil são atendidas diretamente pela indústria. Todo o restante é abastecido por distribuidores.


Fonte: Valor Online



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

09/12/2019 às 17:59

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3078 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey