Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


17/09/2010

SP: indústria de celulose prevê que produção crescerá 48%

Mesmo com as recentes quedas de preços da celulose de fibra curta anunciadas no mundo, e adotadas no Brasil pela Fibria e pela Suzano, a expansão da capacidade instalada no País segue, e deverá alcançar 20 milhões de toneladas com 10 novas fábricas na próxima década.

Mesmo com as recentes quedas de preços da celulose de fibra curta anunciadas no mundo, e adotadas no Brasil pela Fibria e pela Suzano, a expansão da capacidade instalada no País segue, e deverá alcançar 20 milhões de toneladas com 10 novas fábricas na próxima década, a uma média de uma nova planta inaugurada a cada ano. Esse volume representará um crescimento de 48% da produção de 13,5 milhões de toneladas registrada em 2009. Somados, a expectativa do setor é de que esses projetos deverão consumir cerca de US$ 20 bilhões.

De acordo com o índice Foex, o preço da celulose de fibra curta para o mercado europeu esta semana ficou em US$ 870 por tonelada, e em US$ 787,46 para o produto vendido à China. Esses valores ainda estão próximos ao recorde de US$ 1 mil na Europa.

Para Carlos Farinha e Silva, vice-presidente da consultoria finlandesa Pöyry e membro do conselho da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel (ABTCP), essa expansão da produção brasileira tem na China o grande mercado consumidor, com as grandes máquinas que estão entrando em operação. Ele aponta o baixo custo de produção por hectare como uma das vantagens do setor no Brasil. "Hoje o custo de produção no Brasil é muito baixo. Sem considerarmos o custo de capital, a commodity nacional chega a US$ 220 por tonelada", disse ele, que destacou a produtividade nacional como fator fundamental para o alcance desses índices de custo.

Segundo dados da Associação Brasileira de Papel e Celulose (Bracelpa), a produtividade em 2009 ficou em 44,2 metros cúbicos de madeira por hectare ao ano para florestas de eucalipto, e em 37,9 metros cúbicos para pínus. Esses índices representaram crescimento de 84% e de 99% em comparação a 1980.

Na visão de Farinha e Silva, porém, a produtividade tem potencial para ser elevada. Para as florestas de eucalipto ele estimou que poderá alcançar 80 metros cúbicos por hectare plantado. Para chegar a esse nível, explicou ele, há necessidade aperfeiçoar geneticamente a espécie de árvore mais indicada para cada região no Brasil.

Além disso, há ainda a otimização dos projetos industriais que podem aproveitar melhor os recursos disponíveis.

Investimentos
Um exemplo desses melhoramentos industriais foi divulgado recentemente pela Suzano Papel e Celulose. A empresa estimava produção de 1,3 milhão de toneladas da commodity nas futuras unidades do Maranhão e do Piauí, mas esse volume foi aumentado para 1,5 milhão de toneladas em cada planta. Dessa forma, a empresa elevará a previsão de produção no que o presidente da companhia, Antônio Maciel Neto, chamou de "novo ciclo de crescimento" para 6,45 milhões de toneladas de celulose ante 1,75 milhão de toneladas produzidas atualmente. Nessas duas novas fábricas o investimento soma US$ 4,6 bilhões. Porém, a aprovação do investimento industrial para essas plantas será submetida ao Conselho de Administração apenas no primeiro semestre de 2011 e de 2012, respectivamente.

Outra empresa que trabalha em um ciclo semelhante é a Fibria. A empresa, que há um ano foi formada da união entre a Votorantim Celulose e Papel (VCP) e a Aracruz Celulose, anunciou recentemente a expansão da base florestal para a segunda fábrica de Três Lagoas (MS), que deverá ser antecipada de 2016 para 2014. A custo estimado de US$ 3,3 bilhões (ao câmbio de R$ 1,75), essa unidade somará 1,5 milhão de toneladas de celulose à produção atual de 1,3 milhão de toneladas da primeira unidade. Este é o maior investimento em uma unidade da empresa, que ainda deverá expandir a Veracel, joint venture com a Stora Enso. Segundo Carlos Aguiar, presidente da Fibria, essa decisão ainda depende de acordo entre as duas sócias.

Além disso, o executivo da Pöyry cita unidades da chilena CMPC, da Klabin, da Cenibra e da Eldorado Celulose. Esta última é uma nova empresa do setor, formada da parceria entre a JBS e a MCL Empreendimentos, e deverá iniciar a operação em 2012.

A instalação de fábricas de celulose afastadas do litoral era impensável no passado em razão do peso do frete no custo final do produto. Com o aumento da produtividade, porém, aliado ao custo de aquisição de terras, o rumo ao centro-oeste e norte do País deverá ser acentuado.

Segundo Farinha e Silva, o Estado de Tocantins deverá ser a nova fronteira das florestas de celulose no Brasil. "Por lá temos as terras degradadas e a ferrovia de Carajás, que poderá ser utilizada para escoar a produção", apontou ele, que concluiu ao afirmar que o transporte fluvial também será um fator favorável à atividade.


Fonte: Maurício Godoi para DCI citado por página rural



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/09/2020 às 01:34

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2732 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey