Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


25/10/2017

Sociedade e indústria veem burocracia brasileira como obstáculo ao desenvolvimento

Estudos da Fiesp e do Ciesp constatam impacto da burocracia na competitividade e no dia a dia.


O Brasil é um país burocrático? Para a maioria da população e das indústrias, sim. A resposta foi dada em duas pesquisas feitas por iniciativa da Fiesp e do Ciesp. Uma foi voltada à população (de âmbito nacional com 1.200 pessoas, encomendada ao instituto Ipsos), e outra, à indústria (452 entrevistas no Estado de São Paulo, realizada pela Fiesp e pelo Ciesp). Os resultados são convergentes: a burocracia atrapalha o Brasil. E isso ocorre em momento sensível para a economia brasileira, quando é preciso incentivar a produção e a geração e manutenção de empregos.

“A burocracia engessa a economia e rouba tempo de quem quer empreender”, afirma o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf. “É muita exigência, muita complicação. O Governo não pode pesar nas costas de quem produz. É preciso simplificar para que o país retome seu desenvolvimento, fique mais competitivo e gere empregos”.

População analisa a burocracia

A maioria da população (84%) considera o país burocrático, enquanto os que consideram o país pouco burocrático somaram apenas 9% do total. Seu excesso pode ser prejudicial e mecanismo de estímulo à corrupção (75%), dificultando o desenvolvimento do país (78%) e a compra de bens (77%). O combate à burocracia deve ser priorizado (65%) com a adoção de medidas como a redução da quantidade de leis e normas vigentes, estabelecimento de datas para mudança de regras ou aplicação de novas leis e normas, simplificação da linguagem das leis/normas e a comunicação dos custos de novas leis/normas. E apenas 36% concordam que o Governo tem sido capaz de implementar políticas de desburocratização.

Na abertura por procedimentos, dentre os entrevistados que tiveram acesso a uma relação de serviços mencionados na pesquisa, as maiores dificuldades causadas pelo excesso de burocracia foram sentidas com relação ao acesso à Justiça (61%), à realização de reclamação em órgãos de defesa do consumidor (56%) e à solicitação ou cancelamento de serviços de água, luz, telefonia, internet etc.

Esta pesquisa foi encomendada pela Fiesp e pelo Ciesp junto à Ipsos Public Affairs com o objetivo de detectar a percepção da população a respeito da burocracia brasileira. O levantamento foi realizado em âmbito nacional entre os dias 1º e 11 de fevereiro de 2017 com amostra de 1.200 pessoas.

Empecilho à competitividade da indústria

À pesquisa realizada com a população se soma o levantamento Rumos da Indústria Paulista. Para a maioria das empresas participantes da pesquisa (83,2%), o alto Custo Brasil já foi impeditivo para o início ou expansão de seus negócios. O excesso de burocracia abre espaço para a corrupção (90,2%), dificulta o desenvolvimento econômico e o ambiente de negócios no Brasil (94,7%), com impacto na competitividade das empresas (91,4%).

A maioria das empresas pesquisadas discorda que o Governo tem sido capaz de implementar políticas de desburocratização (71,5%). Para as empresas, não há espaço suficiente para manifestação quando há mudanças importantes nas leis e políticas que afetam o setor privado (52,4% das empresas discordaram que há espaço para isso) e acreditam que, nesse sentido, as federações e associações empresariais são importantes para melhorar a relação entre a burocracia estatal e o setor privado (75,3%).

Na totalidade das empresas, os procedimentos mais burocráticos foram fechamento de empresas; procedimento para a obtenção de financiamento público; e emissão de certificados/licenças ambientais e procedimentos de informações de obrigações ambientais. Para as empresas de grande porte, entre as principais também aparecem permissões de comércio exterior e normas regulamentares. Para as pequenas e médias também estão entre as mais burocráticas as licitações públicas e os procedimentos para a obtenção de financiamento público.

Os principais impactos da burocracia sobre as empresas são o aumento do custo de gestão dos processos empresariais (84,3%), o aumento excessivo das estruturas não ligadas diretamente à produção (69,5%) e o aumento de ações judiciais/administrativas por erros no cumprimento das obrigações (48,2%).

Para facilitar procedimentos e reduzir gastos com burocracia, as empresas indicaram que se deveria reduzir a quantidade de normas existentes (82,5%), simplificar a linguagem das leis e normas (64,8%) e saber quanto uma lei ou norma custará para o país (36,1%). Além disso, para criar um ambiente mais propício aos negócios, as empresas acreditam que é desnecessário prestar informações repetidas ao Governo (74,1%), a criação de um registro único de regularidade fiscal (63,7%) e o estabelecimento de prazos máximos para que um requerimento seja concedido/aprovado (42,7%) seriam as três reformas mais importantes.

O objetivo deste levantamento junto à indústria paulista foi avaliar a percepção quanto à burocracia (procedimentos para acesso a serviços públicos e resolução de problemas cotidianos). Os dados foram coletados entre os dias 6 de fevereiro e 1º de março de 2017 com 452 indústrias do Estado de São Paulo, sendo:

Micro/Pequenas (até 99 empregados): 64,4% (291 empresas);
Médias (de 100 a 499 empregados): 29,3% (132 empresas); e
Grandes (500 ou mais empregados): 6,4% (29 empresas).
A Fiesp e o Ciesp prepararam um site para mostrar soluções para alguns dos principais problemas provodados pela burocracia:

www.brasilsemburocracia.com.br


Fonte: FIESP



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/11/2017 às 06:40

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


313 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey