Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


25/02/2014

Setor florestal da região Noroeste tem potencial de geração de energia de 14 ton/mês

O volume total desses materiais gerado pelas serrarias e beneficiamentos nas cidades de Juína, Juruena, Cotriguaçu e Brasnorte alcança, aproximadamente, 14.030,8 mil metros cúbicos por mês, sendo compostos por costaneiras, refilos, destopos, serragem e maravalha. O peso estimado de cada metro cúbico úmido de resíduo é de uma tonelada. Mensalmente, esse volume corresponde a 14 mil toneladas de resíduos, algo equivalente a 50 caminhões por dia. Os resíduos podem ser utilizados por empresas interessadas em geração de energia, montagem de painéis e paredes decorativas, cabos de vassouras e ferramentas diversas, brinquedos e artesanatos em geral.

De acordo com o presidente do Sindicato das Indústrias Madeireiras e Moveleiras do Noroeste de Mato Grosso (Simno), Roberto Rios, a iniciativa das empresas da região atende a política de destinação correta dos resíduos de madeira. Além disso, a empresa que investir no aproveitamento desses materiais terá assegurada a matéria-prima por
décadas. "Os resíduos estão armazenados no pátio das indústrias e podem gerar renda por meio da utilização e fabricação de produtos de madeira ou como fonte geradora de calor".

Para incentivar as oportunidades de negócios sustentáveis a partir da utilização de resíduos, a prefeitura municipal de Juína estuda formas de benefícios às empresas interessadas em ingressar na atividade do município. O apoio do Executivo municipal incluiu também a doação de uma área de 5 hectares para abrigar o resíduo de madeira produzido pelas indústrias de base florestal da região.

Na avaliação do presidente do Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira de Mato Grosso (Cipem), Geraldo Bento, a região Noroeste do Estado é a que enfrenta um maior problema com a destinação dos resíduos, já que a infraestrutura modal é muito cara para enviar esses materiais para outros centros potencialmente consumidores. Afirma que no Médio Norte e Norte do Estado as indústrias já estão distribuindo e vendendo bem esse produto. "A legislação ambiental regula a destinação e controle dos resíduos e temos que cumprir, mas para isso precisamos de locais apropriados para o armazenamento".


Fonte: Remade



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/08/2019 às 14:41

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1446 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey