Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Setor de celulose espera crescer 3,7% em 2010

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


05/10/2010

Setor de celulose espera crescer 3,7% em 2010

A previsão para 2010 acende refletores para novas oportunidades: a produção de celulose deve atingir 14 milhões de toneladas, o que representa um avanço de 3,7%.

“O setor de celulose e papel vai muito bem obrigado”. A frase que tem uma conotação popular reflete bem o momento atual do setor no cenário econômico brasileiro. A previsão para 2010 acende refletores para novas oportunidades: a produção de celulose deve atingir 14 milhões de toneladas, o que representa um avanço de 3,7%. Já o papel alavanca um salto de 3,5%, totalizando uma produção de 9,5 milhões de toneladas. No quesito vendas domésticas espera-se cerca de 5,3 milhões de toneladas (6,5%). As exportações devem atingir 6,3 milhões de toneladas, ou seja, 25% de crescimento.

Os dados numéricos são resultantes de uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel (ABTCP), com apoio de informações da Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa) - denominada “Sondagem junto aos associados” e foram apresentados nesta segunda-feira (4) durante coletiva de imprensa e panorama setorial do 43º Congresso e Exposição Internacional de Celulose e Papel do ABTCP-TAPPI 2010. O evento acontece no Transamérica Expo Center, em São Paulo até o próximo dia 6.

A sondagem indica um novo ciclo de investimentos para o setor de C&P até o ano de 2020 que deve alcançar a média de US$ 20 bilhões. A injeção deste aporte pretende dinamizar o volume de produção e consequentemente multiplicar os números do setor. Espera-se até 2020 um aumento de 57% em produção, o que deve indicar um volume de 22 milhões de toneladas de celulose e 12,7 milhões de toneladas de papel, ou seja, 34% de crescimento nos próximos 10 anos.

Segundo o presidente da ABTCP, Lairton Leonardi, a pesquisa realizada detectou os principais segmentos de atuação das empresas associadas à entidade. Hoje, o setor de celulose ainda lidera o ranking, seguido por papel e embalagem, papel tissue, papel off set (imprimir e escrever) e ainda por outros segmentos incluídos num percentual de 25%. “Esta sondagem foi feita com associados e contemplou a participação de pequenas, médias e grandes empresas”, explica Leonardi.

Para os dirigentes da entidade, o segmento de papel ainda não tem um crescimento suficientemente forte, por conta de hábitos do brasileiro a serem conquistados, também pelo baixo nível de educação e principalmente pelo fomento à leitura ainda ser insuficiente em todo o País.

Diante da perspectivas de investimentos, fica uma pergunta no ar: para onde vão estes investimentos? Os dirigentes da ABTCP analisam que tecnologia é um dos fatores que merece atenção, com cerca de 15% do bolo, enquanto a expansão de capacidade chegará à média de 13%. A aquisição de ativos florestais deverá ter um aporte de 37%, além de, ampliação de plantas, novas plantas, pesquisa e desenvolvimento, logística, automação industrial, entre outros.No que se refere às áreas contempladas, a grande vedete é ainda a celulose, que deve levar cerca de 25% do capital investido.

Parece que há um consenso em todo o setor de que a sustentabilidade é a grande mola mestra para equilibrar as ações e resultados para todos. “Falarmos do futuro sem falarmos da sustentabilidade não tem sentido”, expressou o presidente da ABTCP. Tudo indica que as empresas do setor estão preparadas para investir em causas ambientais e quem não está pronto para esta meta, terá que se ajustar urgentemente. Tratamento de efluentes, regulamentação conforme certificações de ISO/FSC, controle de poluição e efluentes, sistema de gestão integrado, crédito de carbono, avanço tecnológico, projetos e programas socioambientais, criação de reservas de área natural, qualificação de mão de obra estão na mira dos gestores.

A previsão para 2010 acende refletores para novas oportunidades: a produção de celulose deve atingir 14 milhões de toneladas, o que representa um avanço de 3,7%.

No ambiente interno brasileiro, os investimentos têm destino certo: Sul e Nordeste são os principais alvos, sendo esta última região a nova fronteira que chama a atenção de grandes grupos do setor. O Mato Grosso do Sul também descortina muitas oportunidades de expansão e crescimento.

Para o gerente técnico da ABTCP, Afonso Moura, há também uma movimentação internacional silenciosa, que com o tempo vai gerar possibilidades para o Brasil. “Estivemos recentemente num congresso tal como este, na China, e percebemos que há uma saturação na indústria de lá, com fechamento de 2 mil fábricas, o que vai consequentemente afetar o abastecimento daquele pais”. Na ótica dele, com essa sinalização de pontos frágeis da potência chinesa, a América Latina pode assumir uma importante posição de fornecedora de celulose. “Brasil, Chile e Uruguai têm condições de assumir este papel”, comenta.

Salto Econômico

Apesar de números indicarem uma evolução constante do setor e muitas oportunidades, há riscos e desafios para se vencer. O professor de economia da PUC-SP, Renaldo Gonsalves, analisa que a retomada de crescimento num espaço curto de tempo, após a crise de 2008, deixa o setor bastante competitivo.

Outro fator que coloca o Brasil numa posição aparentemente confortável é a competitividade que o País adquiriu, garantindo o quarto lugar em produção de celulose e o nono na produção de papel, o que gera oportunidades à vista. “Outros países não têm isso”, comenta o gerente técnico da ABTCP, Afonso Moura. “Somos o único País que cresceu no setor neste ritmo no ano passado, passando a Itália e a França”, complementou a representante da Bracelpa, Simone Nagai durante panorama setorial da ABTCP.

Mas nem tudo são flores. O setor produziu mais, porém a receita de exportação foi menor, em função da desvalorização do dólar e dos grandes estoques internacionais. A executiva deixou um alerta para a plateia: “o Brasil está na moda, mas toda moda passa”. Segundo ela, é preciso driblar pontos estratégicos que ainda dificultam o crescimento do setor, como guerra fiscal, tributação, burocracia do governo, falta de logística. “O setor é sólido, temos base, mas precisamos mostrar para o Governo que estamos dispostos a contribuir com as políticas públicas”, expressa


Fonte: Celulose Online



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/10/2019 às 03:13

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2114 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey