Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


24/04/2014

Raimundas e a Perpetuação do Machismo Florestal

Ó beleza! Onde está tua verdade? (William Shakespeare)

Imagem: Google
Modéstia à parte, a atividade florestal é a mais complexa de todas. Dupla procedência da madeira – nativa e plantada -; “n” produtos para “m” destinações; diferentes regimes de manejo e rotação; longo prazo; serviços ambientais à medida que se produz; dentre outras condições que requerem extrema habilidade do gestor para otimizar a sustentabilidade de um projeto florestal. Esbarra-se, ainda, com a complexidade da escolha do material genético para se plantar: Quais clones? Quais espécies? E, em que pese a evolução no melhoramento florestal, alguns ainda questionam se plantam mudas seminais ou clonadas, mesmo sabendo que floresta clonal é mais funcional e produtiva do que a de sementes (até que se garanta a produção de sementes melhoradas que compitam com a clonagem).
Embora indubitável seja a supremacia da muda de clone sobre a de semente no plantio, o mesmo não se pode afirmar no momento da compra de uma floresta, sobretudo quando voltada para a produção de carvão vegetal direcionado a mercados que pagam pelo peso e não pelo volume. Coisas do gênero que nutrem a misteriosa binária florestal entre leve e pesado, grosso e fino, bela e feia.
A despeito da rápida evolução da clonagem do eucalipto, triplicando a produtividade volumétrica em detrimento da massa de madeira – e, mesmo tendo tratado isto no texto “Tamanho não é Documento ‘Florestal’”-, acaba sendo instigante, por pressão de alguns orientados que me retrucam – discordam, mas não me convencem – voltar ao tema.
Ora, o que se vê é que houve a disseminação de extensas plantações florestais frondosas e vistosas, porém de madeira leve, dissociadas das exigências industriais, principalmente da metalurgia e siderurgia, que requerem madeira e carvão mais densos para serem competitivas. As indústrias, que deveriam ditar o rumo da prosa, sofrem por terem que consumir carvão leve imposto, unilateralmente, pela área florestal. Não que seja contra a forma como houve a clonagem, pois não se teria o setor florestal e o segmento de celulose mais competitivos do mundo.
Ocorre que tudo leva a crer que as práticas silviculturais estão numa encruzilhada e seguindo o caminho do abismo quando se quer madeira para fins energéticos. Se o bom para energia ou para carbonização é madeira com diâmetro entre 10 e 15 cm e de maior densidade, então não faz sentido espaçamentos amplos. Assim, há que se repensar as práticas silviculturais, adubação, espaçamento e idade ótima de corte num cenário diferente do que fora pensado desde a década de 1980.
Alguns acham que contornar isto é só comparar os clones pela massa produzida por hectare. Não é bem por ai. Na área florestal não tem espaço para colocações simplórias. Não basta multiplicar a densidade pelo IMA e comparar a massa obtida. Ledo engano. Por exemplo, o que adianta um clone de alto rendimento volumétrico que resulte numa grande massa por hectare, mas que produza um carvão leve? O mais importante é definir qual a melhor – e possível – densidade apta a resultar num carvão que proporcione maior competitividade industrial.
Também não se resolve pagando apenas pelo peso do carvão. Lógico que isto é necessário e vai provocar mudanças, mas não o suficiente. As empresas têm que priorizar a compra de um carvão com densidade acima do break even point e que, de fato, seja capaz de torná-las mais competitivas, eficientes e com isso, remunerar melhor o produtor que produzir o carvão de maior densidade na indústria.
O problema é que se criou uma cultura ligada à imagem de uma floresta clonal majestosa, fruto da evolução das práticas silviculturais, da qual ninguém abriria mão, pois, também, com ela veio o benefício de se ficar menos dependente de mão-de-obra e das questões trabalhistas, visto que trabalhador ficou escasso, caro e complexo de gerenciar.
À medida que as árvores ganharam expressivas dimensões, principalmente em diâmetro, acabou havendo, também, a possibilidade de ampliar o espaçamento de plantio a ponto de diminuir a densidade de 2500 árvores por hectare para 833, sem perda de volume, implicando numa redução significativa nos custos por metro cúbico de madeira produzida (R$/m3). Isto fez poupar trabalho, haja vista a redução expressiva no número de covas, na adubação por planta, etc. Por outro lado, este espaçamento favoreceu a mato-competição e exigindo mais capina e, ou, uma super dose de adubação de arranque para diminuir a luminosidade no plantio e reduzir os tratos culturais.
A partir do momento que se preconiza que o ideal para fins energéticos é madeira fina e densa, eis um conflito cultural com a clonagem tradicional. A questão é: quem vai defender uma plantação florestal não tão frondosa e adensada, quando se acostumou a ver lindas plantações de árvores clonadas gigantes, feito sequoias, de alta produtividade volumétrica? Árvores que parecem um He-Man anabolizado: muito grito e pouca força.
Não se quer aqui defender plantios seminais como solução. Nem céu e nem terra, mas floresta. Não significa defender que teria que substituir lindas plantações por “piçarras”. Óbvio que a clonagem não significa apenas a beleza da floresta. Indiscutível o ganho operacional com ela. A questão não é decidir entre a bela e a desprovida.  
Criou-se uma cultura de plantações voltadas para volumetria, ignorando-se a gravimetria, que dificilmente conseguir-se-á fugir dela. Parece que, tal como no mundo animal, também no florestal ninguém quer ser pai de filho feio. Nenhum profissional quer seu nome atrelado com um plantio chocho.  
É o dilema florestal. O floresteiro vive na dúvida: não sabe se casa com a Patricinha, linda, vistosa, mas burra e falante ou com a nadadora (nada de frente, nada de costa, nada de peito, nada de nada) desprovida de beleza, dura, porém inteligente e muda. Quem sabe o melhor seja ele casar com a Raimunda, feia de cara, mas boa de “dotes”? É possível sim identificar clones ou espécies que tenham menor IMA, mas que possuam altas densidades e que produzam madeira e carvão compatíveis com o que, de fato, necessitem as empresas. Mudanças à vista nas práticas silviculturais. Há quem acredita nos futuros clones de Corymbia spp. É pagar para ver!

Por Sebastião Renato Valverde, professor do Departamento de Engenharia Florestal da UFV.


Fonte: Celulose Online



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

23/09/2019 às 02:57

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1387 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey