Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


10/08/2009

Queda no Desmatamento Mostra Acerto de Políticas Ambientais

A queda de 75% no desmatamento da Amazônia em junho, em comparação com o mesmo mês de 2008, foi comentada pelo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, como tendência positiva, mas com ressalvas: o monitoramento por satélite não incluiu quase a metade do Pará, encoberta por nuvens, e não é o dado oficial do governo, mas da ONG Imazon.

 A queda de 75% no desmatamento da Amazônia em junho, em comparação com o mesmo mês de 2008, foi comentada pelo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, como tendência positiva, mas com ressalvas: o monitoramento por satélite não incluiu quase a metade do Pará, encoberta por nuvens, e não é o dado oficial do governo, mas da ONG Imazon. Os números do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) serão divulgados em pelo menos sete dias. “O Pará é o nosso grande problema, mas, de toda maneira, a redução detectada é um bom sinal, mostra o acerto das políticas desenvolvidas desde o ano passado”, disse Minc, referindo-se à legislação que corta o crédito para projetos em propriedades com problemas ambientais e às iniciativas do Executivo, como barreiras em estradas e fiscalização mais atuante.

“O Ibama triplicou seu pessoal no Pará, tirou gente de Goiás, de Brasília, para trabalhar duro até agosto. Este é o período grave, quando acabam as chuvas e acontecem os desmatamentos”, disse o ministro. “O Pará é complicado porque é o estado mais populoso da Amazônia, é o maior exportador de madeira, tem o maior rebanho, a situação fundiária mais irregular e ainda tem os problemas políticos. Tem um deputado, um político, interferindo por alguém.”

Apesar dos agravantes e da cobertura insuficiente por satélite, Minc destacou a redução do desmatamento nas áreas vicinais às rodovias Belém-Brasília e Cuiabá-Santarém, bem visíveis nas fotos, o que não se verifica com a área da Transamazônica:

“As áreas críticas estão sempre junto às estradas, é lógico. É por onde escoam a madeira, a gente viaja, se leva o gado. Aliás, na questão da pecuária a situação é mais complicada, porque a árvore não sai do lugar, mas o boi...”. O ministro citou, a propósito, o município de São Félix do Araguaia, no Pará, como exemplo de fruto da ação positiva do ministério.
“Foi lá que fizemos o primeiro leilão de boi pirata, que não deu certo. Fizemos a segunda tentativa e na terceira conseguimos. Pois o desmatamento caiu de 224 quilômetros quadrados [2007/2008] para 19 quilômetros quadrados [2008/2009]. O pessoal viu o leilão e achou melhor não arriscar com boi irregular”, disse. 

No total, em toda a Amazônia visível pelo Sistema de Alerta de Desmatamento da Imazon, foram desmatados 150 quilômetros quadrados agora, contra 612 quilômetros quadrados em junho do ano passado. Entre agosto de 2008 e junho último, a queda foi de 74%, em relação a agosto 2007/junho 2008.

“Neste acumulado de 11 meses está mais claro o resultado da nossa política”, assinalou o ministro. “Vocês se lembram que quando quisemos cortar o crédito dos proprietários irregulares, o governador Blairo Maggi, de Mato Grosso, foi contra. Mas agora Mato Grosso reduziu o desmatamento de 2.074 quilômetros para 368 quilômetros no acumulado, a maior redução de todos os estados, 82%”.

O ministro do Meio Ambiente lembrou o programa Mato Grosso Legal, que incluía o zoneamento econômico e ecológico e a regularização de terras e atividades agropecuárias, como passo fundamental para a nova realidade mato-grossense. Depois de algumas reuniões de técnicos locais com os do ministério, em Brasília, chegou-se ao texto do programa, seguindo a legislação federal e ao mesmo tempo atendendo as aspirações dos produtores.

“Foi um sucesso, tanto que a governadora Ana Júlia copiou no Pará e o governador Jaques Wagner, na Bahia. Já o governador de Santa Catarina Luís Henrique fez sua lei particular, não ouviu ninguém e hoje está brigando na Justiça”, comentou Minc. Entre 36 dos 43 municípios que mais desmatam na Amazônia, Novo Progresso, também no Pará, é o que apresenta a redução mais tímida, de 2% da área, mas todos tiveram diminuída sua área de desmatamento.

O relatório também revela que o principal desmatamento ocorreu em terras particulares, em posses e em terras devolutas, com o total de 109 quilômetros quadrados, seguidas das unidades de conservação (32 quilômetros quadrados), assentamentos de reforma agrária (8 quilômetros quadrados ) e terras indígenas (1 quilômetro quadrado). “Neste contexto, é claro que nos atinge diretamente o desmatamento em unidades de conservação”, admitiu Minc, que também falou sobre o financiamento de 9 milhões de euros para implantar unidades de conservação ao longo da Cuiabá-Santarém: “A BR-163 é a área de maior desmatamento na Amazônia. O que existe ali hoje é unidade virtual, vamos fazer unidade real de conservação. O problema é que fazer depois de a estrada existir é difícil, porque a área já está ocupada. Por isso não quero nem falar sobre a construção da BR-319, Porto Velho-Manaus, quero primeiro fazer as unidades.”

O ministro se disse convencido do acerto da política ambiental na Amazônia baseada no Arco Verde, lançado há dois meses para dar assistência e orientação aos proprietários, na regularização fundiária, no zoneamento econômico e ecológico e no Fundo da Amazônia (com recursos suecos).


Fonte: Agência Brasil



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

27/09/2020 às 22:18

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3937 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey