Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


21/01/2011

Projeto de MDL que reutiliza resíduos de madeira no Pará é aprovado pela ONU

A ONU aprovou em janeiro sob o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) um projeto em Paragominas (PA) que reduzirá emissões de gases do efeito estufa ao evitar a liberação de metano dos resíduos que seriam depositados nos pátios das serrarias da região ao utilizá-los para a geração de energia.

Resíduos de madeira em Paragominas / Enerbio

O projeto é formado por uma usina termelétrica (UTE) alimentada por resíduos de madeira que começará a ser construída nesse ano e entrará em operação em 2012. A UTE pertencerá a Uaná Energias Renováveis, empresa do grupo pernambucano Federal Petróleo.

O projeto de MDL foi desenvolvido pela Enerbio Consultoria que é também responsável pela comercialização dos créditos de carbono.

Para atingir a sua capacidade média de geração de energia, o Projeto Paragominas consumirá cerca de 86.400 toneladas de resíduos de madeira por ano, que serão fornecidos por serrarias e empresas do pólo de produção de móveis da região. Um dos pré-requisitos é que esses produtores tenham suas licenças ambientais regulares.

Todos os possíveis destinos que vêm sendo dados aos resíduos provenientes das serrarias do município de Paragominas apresentam grande potencial agressor ao meio ambiente e à saúde da população local.

A poluição presente na cidade expõe a comunidade local a uma série de doenças, como IRA (Infecção Respiratória Aguda), alergias, asma, irritação no globo ocular, dentre outras.

Além disso, a falta de uma destinação adequada aos resíduos proporcionou o surgimento de várias carvoarias e caieiras como o objetivo da produção de carvão. A operação desses tipos de empreendimentos sem as condições necessárias e suficientes de segurança e de proteção ambiental expõe a população a riscos diversos. São muitos os casos de queimaduras e até mutilamentos, principalmente de crianças, devido a acidentes decorrentes do contato involuntário com resíduos em combustão.

A implantação do Projeto Paragominas proporcionará uma nova alternativa de destino aos resíduos das serrarias da região e poderá até resolver parte dos problemas decorrentes do não-gerenciamento dos resíduos.

“O projeto Paragominas tem como objetivo principal solucionar o problema ambiental e social proveniente do mau gerenciamento de resíduos de madeira das atividades das serrarias da cidade de Paragominas e, além disso, atender à crescente demanda de energia no Brasil, fornecendo energia limpa e renovável, contribuindo, assim, para a sustentabilidade ambiental, social e econômica do país”, explicou Eduardo Baltar, diretor da Enerbio Consultoria.


Fonte: Instituto CarbonoBrasil



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (4)


Cleverson de Mello Sant'Anna disse:

02/02/2011 às 08:56

A utilização de resíduos florestais para gerar energia é uma medida ambiental e economicamente boa, pois evita que os resíduos sejam queimados a céu aberto ou aterrados, e ainda gera energia na forma de carvão vegetal, briquetes, pellets e até energia elétrica. A energia gerada a partir da biomassa é uma energia renovável, diferente dos combustíveis fósseis que não se renovam.

jeremias azevedo e silva disse:

28/01/2011 às 16:10

Sou assesor de comunica? do Sindicato das Ind?ias de Madeira do Estado do Amap?SEIMAM) Filiado a Federa? das Ind?ia do Estado do Amap?FIEAP)
?um projeto de grande importancia , para o estado do par?e que que para o Estado do Amap??seria difernte, Pois em nossas madereiras que est?localizados nas margens dos rios e igarapes, muitos residos de madeisra s?jogados nos mesmos , causando grandes danos a natureza .
Agrade?a aten?
aguardo contado.

Ayuni Larissa Mendes Sena disse:

28/01/2011 às 08:06

Ok. Resolvemos o problema dos residuos madeireiros. Mas desde quando Termo elétricas fornecem energia limpa????

Carlos Roberto de Lima disse:

27/01/2011 às 23:31

Senhores,
O projeto é ótimo, mas a idéia não é tão original!
Nós trabalhamos em um projeto com este escopo para o Município de Água Clara - MS, por volta de 1998 a 2000. Inclusive foi publicado em anais de evento (SINERGIA I e II, da UNESP, em Botucatú - SP. Procuramos o fundo de investimentos para projetos de desenvolvimento sustentável do Banco Axial, em São Paulo - SP, porém numa análise de risco mais detalhada eles resolveram não disponibilizar os recursos, pois as árvores estavam sendo cortadas e não estavam reflorestando. Mas o investimento possuia uma tir de cerca de 20% a.a.
Fico feliz que neste caso o projeto venha a ser concretizado!

Atenciosamente,

Carlos Lima
Eng. Florestal
UAEF / CSTR / UFCG
Patos - PB.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


4638 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey