Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO MINEIRO

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


12/06/2017

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO MINEIRO


Projeções são cenários, hipóteses, perspectivas, possibilidades, e não cálculos matemáticos, mas indispensáveis para formular políticas públicas, avaliar desempenhos, adotar inovações tecnológicas ou exigir novas pesquisas, pactuar resultados no campo, aperfeiçoar processos, dividir responsabilidades, públicas e privadas, bem como estabelecer parâmetros, não apenas para produzir alimentos, biomassa, agro energia mas também zelar pela sustentabilidade dos recursos naturais e aperfeiçoar as logísticas operacionais, um dos gargalos mais sérios na comercialização por vias internas e rumo aos portos para cumprir os compromissos de exportações do agronegócio. É estratégica a presença do governo, no que lhe compete, para estimular os investimentos privados e conciliar mercados e tecnologias.

O documento “Projeções do Agronegócio – Minas Gerais / 2016 a 2026/2ª edição”, que aborda as principais culturas e criações no território mineiro, reconhecidamente diversificado com suas vocações regionais, é uma espécie de radiografia que estabelece rumos à agro economia e formula demandas que, por certo, agregam muitas variáveis, entre as quais; tecnologias, relação insumo e produto, urbanização acelerada, oferta regular, qualidade dos produtos agrícolas, sucroalcooleiros, pecuários, e os ofertados pela suinocultura, avicultura, fruticultura.

E mais, aumento do consumo, da renda per capita e segurança alimentar, num arco considerável de condicionantes para abastecer, exportar e gerar milhões de empregos diretos e indiretos. Além disso, a rentabilidade econômica das culturas e criações será indispensável à tomada de decisão de quem planta e cria nas Minas Gerais, e terá decisiva influência no consolidar as metas projetadas até 2026.
De outro ângulo, não menos importantes, as grandes áreas rurais coletoras de chuvas, escassas ou abundantes, são os territórios onde as práticas corretas do manejo do solo e da água, numa dimensão de bacias hidrográficas, não podem ser subestimadas num programa de tamanha envergadura econômica, social e ambiental. Esse documento, elaborado pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), e colaboradores, incluindo-se a Embrapa, deve ser uma leitura para todos aqueles envolvidos no agronegócio mineiro, pois ao medir se pode planejar, avaliar, corrigir, aperfeiçoar ou resumindo; onde se está, como se pretende chegar a 2026, e quais as ferramentas e estratégias eleitas, com apoio do crédito rural assistido nas vertentes familiar e empresarial.

Seria exaustivo, e até desaconselhável, pinçar dados dessa proposta agro econômica, pois eles são muito abrangentes e analíticos, mas cumpre reafirmar, sem dúvida alguma, que se constitui num “norte” para o agronegócio mineiro, historicamente superavitário, e que também remete aos empreendedores rurais, um dos segmentos mais estratégicos dos sistemas agroalimentares. As pesquisas revelam que serão poucos no campo para abastecer milhões nas cidades e no foco de que o Brasil passará novamente por um processo de crescimento econômico, o mercado interno não pode ser subestimado, mas conquistado e preservado.

Nos cenários rurais, entre outras condicionantes, a adoção de tecnologias poupadoras de mão de obra deverá continuar numa escala ascendente, embora não se possa decretar que tudo será mecanizado ou mecanizável.

Num contexto mais amplo, porém, não exclusivo, a agricultura irrigada é indispensável à produção em maior escala e à medida em que, havendo condições, pode oferecer até três safras numa mesma área cultivada. Entretanto, ela dependerá da ocorrência de chuvas, do sagrado ato de reservar a água e gerenciar os recursos hídricos, segundo as exigências das boas práticas conservacionistas. E mais, as ferramentas de geoprocessamento e georreferenciamento são estratégicas no levantamento dos ecossistemas, o que não implica em afirmar que as secas mais severas estariam descartadas, pois ninguém domina a natureza. Lembre-se ainda que os sistemas florestais mineiros são integrantes históricos do desempenho do agronegócio e consolidaram um superávit nas exportações de US$ 6,668 bilhões entre 2004 e 2016.

Vale destacar, nesse parágrafo adicional, que a Agência de Proteção Ambiental dos EUA, com base nos dados de 2015, em nível mundial, listou os 10 principais países emissores de gases de efeito estufa, sendo eles:  China, 20,09%; EUA, 17,89%; União Europeia, 12,08%; Rússia, 7,53%; Índia, 4,10%; Japão, 3,79%; Brasil, 2,48%; e Canadá, 1,95%.

No conjunto, esses países respondem 70,0% do total de gases emitidos que afetam os sistemas climáticos. A posição brasileira não se afigura muito desconfortável, porém, ainda há muito o que fazer no eixo da sustentabilidade. Agricultores e pecuaristas não se configuram em predadores da natureza, pois dela dependem para produzir, abastecer milhões de consumidores, viver e até sobreviver. As culturas e pastagens, bem trabalhadas, capturam milhões de toneladas de CO2, indispensáveis à fotossíntese e sem esse processo extraordinário não há como produzir alimentos.
Por muitas razões que se associam, as “Projeções do Agronegócio 2016 a 2026” são um documento para ser acessado – veja link abaixo -  com frequência por todos aqueles, no campo e nas cidades, que são agentes desse esforço hercúleo que transcende a porteira da fazenda e chega a 160 países importadores. A informação deve circular com desenvoltura democratizada, pois, segundo o sábio Aristóteles, nascido na Grécia há mais de 2.000 anos, “aquele que apenas sabe o como será escravo daquele que sabe o por quê”.
 


Fonte: Benjamin Salles Duarte - Engenheiro Agrônomo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

18/09/2018 às 15:27

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


707 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey