Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


23/04/2016

Produtividade de seringais em Goiás é maior que a média mundial

Fatores como condições ambientais favoráveis, alto nível de tecnificação e gestão são responsáveis por esse sucesso

Foto: Ailton Pereira
Diagnóstico realizado pela Embrapa mostra que a produtividade dos plantios de seringueira em Goiás está acima da média nacional e pode chegar ao dobro da média mundial. Enquanto a produtividade média no mundo é de aproximadamente uma tonelada de borracha seca por hectare, a brasileira é de 1,26 t/ha, e no Estado de Goiás a média é de 1,53 t/ha.

Já em fazendas com alto nível tecnológico no mesmo estado, acompanhadas pela pesquisa, a produtividade atinge de 2,0 a 2,5 t/ha. "Fatores como condições ambientais favoráveis, alto nível de tecnificação e gestão são responsáveis por esse sucesso", afirma o pesquisador Ailton Vítor Pereira, da Embrapa Produtos e Mercado, responsável pelo diagnóstico. "O uso de clones, mudas de qualidade e técnicas de manejo adequadas são essenciais para estes resultados", completa. De acordo com a Associação dos Produtores de Borracha Natural de Goiás e Tocantins (APROB-GO/TO), o sucesso dessas áreas tem chamado a atenção de produtores de outras regiões do País.

A heveicultura, como é conhecida a atividade, começou a ser desenvolvida em Goiás em 1975. Atualmente, o estado conta com cerca de 18 mil hectares cultivados com seringueira, em 68 municípios, especialmente nas regiões de Barro Alto, Goianésia e Vila Propício. Em 2013, a produção de mudas foi estimada em 1.970.000 unidades em 24 viveiros, representando um segmento importante na cadeia produtiva da borracha natural sob os aspectos técnico, econômico e social. "A maioria dos seringais implantados ainda se encontra em fase de crescimento e formação, o que significa que, continuando com práticas de manejo adequadas, o estado tem condições de cada vez mais despontar no cenário nacional", completa Pereira.

Capacitação para o manejo é fundamental

A produção de látex de uma árvore depende do clone, das condições ambientais, do manejo adotado e também do nível de treinamento do operário que realiza a sangria. Por isso, com base no desenvolvimento e produção dos seringais já implantados, é possível afirmar que a maioria das regiões goianas possui condições favoráveis à expansão do cultivo da seringueira com alta produtividade.

Até a década de 1980, os plantios de seringueira no Brasil se concentravam em regiões com clima quente e úmido da Amazônia e do sul da Bahia. Entretanto, enfrentaram o problema de doenças foliares, principalmente o mal-das-folhas, levando a maioria dos seringais ao fracasso nessas regiões. A partir dessa época, a cultura se expandiu nas regiões Centro-Oeste e Sudeste, que possuem período seco definido, o que evita o mal-das-folhas.

Toda a borracha produzida no Brasil destina-se ao mercado interno, e a produção goiana é absorvida por usinas de beneficiamento localizadas nos estados de São Paulo, Espírito Santo e Bahia.

Ainda existem algumas demandas para serem sanadas pelo setor, conforme levantamento publicado no "Diagnóstico do Setor de Florestas Plantadas no Estado de Goiás", conduzido pela Embrapa e que pode ser baixado gratuitamente na internet.

"O diagnóstico levantou que o Estado de Goiás tem enorme potencial de expansão do setor de florestas plantadas, e a seringueira certamente terá destaque neste cenário", acredita Cristiane Fioravante Reis, pesquisadora da Embrapa Florestas (PR). "No entanto", segundo ela, "o capítulo do livro direcionado à heveicultura descreve alguns gargalos a serem superados no estado". Um deles é a necessidade de revisão do zoneamento edafoclimático para a cultura, fundamental para a concessão de financiamento e seguro agrícola aos projetos. Os especialistas também julgam necessária revisão da instrução normativa sobre padrões para produção e comercialização de sementes e mudas de seringueira e recomendam pesquisa científica para seleção de novos clones que garantam a competitividade da heveicultura goiana. Ainda há necessidade de licenciamento de agrotóxicos para a cultura; política econômica para estimular e dar mais segurança e estabilidade à cadeia produtiva no estado; e, por fim, uma política fiscal que incentive a implantação de indústrias de beneficiamento de borracha natural em Goiás e desonere o setor de alguns encargos.
 
 


Fonte: Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/08/2017 às 23:20

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

933 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey