Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


23/04/2016

Produtividade de seringais em Goiás é maior que a média mundial

Fatores como condições ambientais favoráveis, alto nível de tecnificação e gestão são responsáveis por esse sucesso

Foto: Ailton Pereira
Diagnóstico realizado pela Embrapa mostra que a produtividade dos plantios de seringueira em Goiás está acima da média nacional e pode chegar ao dobro da média mundial. Enquanto a produtividade média no mundo é de aproximadamente uma tonelada de borracha seca por hectare, a brasileira é de 1,26 t/ha, e no Estado de Goiás a média é de 1,53 t/ha.

Já em fazendas com alto nível tecnológico no mesmo estado, acompanhadas pela pesquisa, a produtividade atinge de 2,0 a 2,5 t/ha. "Fatores como condições ambientais favoráveis, alto nível de tecnificação e gestão são responsáveis por esse sucesso", afirma o pesquisador Ailton Vítor Pereira, da Embrapa Produtos e Mercado, responsável pelo diagnóstico. "O uso de clones, mudas de qualidade e técnicas de manejo adequadas são essenciais para estes resultados", completa. De acordo com a Associação dos Produtores de Borracha Natural de Goiás e Tocantins (APROB-GO/TO), o sucesso dessas áreas tem chamado a atenção de produtores de outras regiões do País.

A heveicultura, como é conhecida a atividade, começou a ser desenvolvida em Goiás em 1975. Atualmente, o estado conta com cerca de 18 mil hectares cultivados com seringueira, em 68 municípios, especialmente nas regiões de Barro Alto, Goianésia e Vila Propício. Em 2013, a produção de mudas foi estimada em 1.970.000 unidades em 24 viveiros, representando um segmento importante na cadeia produtiva da borracha natural sob os aspectos técnico, econômico e social. "A maioria dos seringais implantados ainda se encontra em fase de crescimento e formação, o que significa que, continuando com práticas de manejo adequadas, o estado tem condições de cada vez mais despontar no cenário nacional", completa Pereira.

Capacitação para o manejo é fundamental

A produção de látex de uma árvore depende do clone, das condições ambientais, do manejo adotado e também do nível de treinamento do operário que realiza a sangria. Por isso, com base no desenvolvimento e produção dos seringais já implantados, é possível afirmar que a maioria das regiões goianas possui condições favoráveis à expansão do cultivo da seringueira com alta produtividade.

Até a década de 1980, os plantios de seringueira no Brasil se concentravam em regiões com clima quente e úmido da Amazônia e do sul da Bahia. Entretanto, enfrentaram o problema de doenças foliares, principalmente o mal-das-folhas, levando a maioria dos seringais ao fracasso nessas regiões. A partir dessa época, a cultura se expandiu nas regiões Centro-Oeste e Sudeste, que possuem período seco definido, o que evita o mal-das-folhas.

Toda a borracha produzida no Brasil destina-se ao mercado interno, e a produção goiana é absorvida por usinas de beneficiamento localizadas nos estados de São Paulo, Espírito Santo e Bahia.

Ainda existem algumas demandas para serem sanadas pelo setor, conforme levantamento publicado no "Diagnóstico do Setor de Florestas Plantadas no Estado de Goiás", conduzido pela Embrapa e que pode ser baixado gratuitamente na internet.

"O diagnóstico levantou que o Estado de Goiás tem enorme potencial de expansão do setor de florestas plantadas, e a seringueira certamente terá destaque neste cenário", acredita Cristiane Fioravante Reis, pesquisadora da Embrapa Florestas (PR). "No entanto", segundo ela, "o capítulo do livro direcionado à heveicultura descreve alguns gargalos a serem superados no estado". Um deles é a necessidade de revisão do zoneamento edafoclimático para a cultura, fundamental para a concessão de financiamento e seguro agrícola aos projetos. Os especialistas também julgam necessária revisão da instrução normativa sobre padrões para produção e comercialização de sementes e mudas de seringueira e recomendam pesquisa científica para seleção de novos clones que garantam a competitividade da heveicultura goiana. Ainda há necessidade de licenciamento de agrotóxicos para a cultura; política econômica para estimular e dar mais segurança e estabilidade à cadeia produtiva no estado; e, por fim, uma política fiscal que incentive a implantação de indústrias de beneficiamento de borracha natural em Goiás e desonere o setor de alguns encargos.
 
 


Fonte: Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

23/06/2017 às 23:03

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

Uma meta, sem um plano para chegar lá, nada mais é do que um simples desejo.
Antoine de Saint-Exupery

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

839 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey