Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Notícia>>Petrobras Estuda Lavra de Super-Reserva de Potássio

Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


29/04/2010

Petrobras Estuda Lavra de Super-Reserva de Potássio

Cobiçada pela canadense Falcon Metais, a mina de potássio de Fazendinha, no município amazônico de Nova Olinda do Norte, interessa mais ao governo do que à Petrobras.

Embora sofra pressões do Planalto para iniciar o quanto antes a produção da jazida, considerada um Eldorado do potássio - uma das matérias-primas para produção de fertilizantes -, a Petrobras aguarda o resultado de um relatório de análise do reservatório, no meio do ano, para tentar convencer o Ministério de Minas e Energia da necessidade de transferir o negócio para uma mineradora como a Vale, especializada em operações de alto risco.

A estatal detém os direitos de lavra da reserva desde a década de 1980.

Ciente do objetivo do governo de reduzir as importações de insumos para fabricação de fertilizantes, que somaram US$ 15,4 bilhões nos dois últimos anos, a Petrobras pretende concentrar investimentos na produção dos chamados nitrogenados, um outro tipo de matéria-prima do mesmo produto.

Para isso, pretende desembolsar quase US$ 5 bilhões na construção de pelo menos três novas fábricas de insumos como amônia e ureia, nos estados de Mato Grosso do Sul, Espírito Santo e Minas Gerais.

O plano também prevê investimentos na modernização e duplicação da fábrica de fertilizantes (Fafen) já existente em Sergipe.

Embora a reserva de Nova Olinda do Norte seja considerada a terceira maior do mundo, atrás somente de jazidas no Canadá e Rússia, a diretoria da Petrobras admite que os riscos ambientais do empreendimento tornam proibitivo o investimento de uma empresa que tem as reservas do pré-sal como prioridade estratégica.

Como se encontram a uma profundidade de mil metros, em uma área de 300 mil hectares, a jazida demanda uma tecnologia cara e altamente poluente para produzir cerca de 1,1 bilhão de toneladas de potássio identificadas previamente pela estatal.

A tecnologia prevê a injeção de água nos poços para trazer o potássio à superfície. O problema é que, junto com o mineral, a água também traria cloreto de sódio, um resíduo que acabaria depositado nos rios da região.

Por isso, o custo para mitigação dos danos é avaliado pela empresa como muito alto, levando-se em consideração não só os desembolsos com a tecnologia, mas também o impacto para a imagem da companhia, no momento em que o governo recebe duras críticas - até do exterior - por investir na hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, no Pará.

"O problema é que, diante do alto custo ambiental, essa mina não chega a ser tão Eldorado assim", diz uma fonte da Petrobras. "Por isso que é preciso se avaliar com cuidado tudo o que se fala sobre esse projeto (de Nova Olinda).

A Petrobras está disposta a contribuir para a redução do déficit de fertilizantes do país, mas poderá fazê-lo com os investimentos previstos nas fábricas de nitrogenados, como amônia e ureia."

Daí a tentativa da Petrobras de vender, no ano passado, a reserva para a mineradora canadense, que já opera outro reservatório na mesma região, nos municípios de Autazes e Itapiranga, próximos ao encontro dos rios Madeira e Amazonas.

A palavra final sobre o projeto será dada provavelmente em julho, quando uma consultoria estrangeira contratada pela estatal deverá entregar um relatório com análise detalhada das reservas.


Fonte: Brasil Econômico



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

23/10/2018 às 15:26

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2408 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey