Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


28/09/2009

Pesquisadores Estudam os Prejuízos Provocados por Incêndios Florestais

Um fogo experimental levado a cabo na passada sexta-feira em Portugal permitiu aos investigadores da Universidade de Wageningen, Holanda, conseguir mais informações sobre a erosão do solo que ocorre na sequência dos incêndios florestais.

Um fogo experimental levado a cabo na passada sexta-feira em Portugal permitiu aos investigadores da Universidade de Wageningen, Holanda, conseguir mais informações sobre a erosão do solo que ocorre na sequência dos incêndios florestais. Sob condições controladas, um grupo de investigadores fez arder dez hectares de área de charneca.

Esta experiência é importante para as áreas mediterrâneas já queimadas ou ameaçadas por incêndios, mas também para a Austrália, onde após os recentes fogos florestais se prevê que o aprovisionamento de água potável venha a ser ameaçado. As primeiras medições em Portugal permitiram constatar que as chamas podem atingem a impressionante temperatura de 900 graus.

No âmbito do seu doutoramento, Cathelijne Stoof da Universidade de Wageningen efetua uma investigação sobre o que acontece com os solos antes e depois de um incêndio florestal. Estes conhecimentos deverão levar ao desenvolvimento de técnicas que consigam travar a erosão dos solos e consequentes cheias. A investigação englobou um incêndio experimental numa área de 10 hectares (15 campos de futebol) no centro de Portugal, que se trata do primeiro incêndio experimental a esta escala. O terreno onde foi efetuada a experiência, Valtorto, situa-se junto a Gois, no centro de Portugal.

Nas zonas mediterrâneas lavram anualmente grandes incêndios florestais que danificam por completo a vegetação desses locais. As primeiras chuvas após um incêndio florestal frequentemente dão origem a grandes inundações e à erosão dos solos, o que representa uma ameaça para as populações envolvidas. A prevenção da erosão permite a recuperação mais rápida das áreas agrícolas e florestais afetadas pelos fogos.

O grupo de investigação colocou dezenas de sensores e instrumentos de medição no terreno de prova, com o objetivo de registrar claramente os efeitos do incêndio. Durante o incêndio – vigiado por três corpos de bombeiros – foi efetuado o registro da temperatura do solo e das chamas. A temperatura das chamas atingiu uma média de cerca de 550 graus, com chamas até cerca de dois metros. Uma vez que os investigadores incendiaram o terreno a partir de dois locais, no momento em que as duas frentes de fogo se encontraram, a temperatura atingiu os 900 graus Celsius, com chamas com uma altura superior a dez metros. O desenvolvimento de calor atingiu tal intensidade que provocou aspiração do fumo e ar do ambiente envolvente.

As primeiras medições em Valtorto tiveram lugar em 2007. A partir desse momento, os instrumentos de medição têm vindo a registrar a precipitação, a quantidade de chuva absorvida pela vegetação, a umidade do solo e o grau de erosão em áreas inclinadas. Uma constatação importante é a resistência que a água encontra ao longo de um terreno inclinado. Quanto menor é essa resistência, e portanto maior é a velocidade do fluxo, mais rapidamente se processa a erosão das encostas. Estas medições continuarão a ser efetuadas durante um mínimo de dois anos.

Austrália

Os recentes incêndios florestais na Austrália, incontroláveis e com temperaturas altíssimas, sublinham a importância do estudo de Cathelijne Stoof da Universidade de Wageningen: “Após os grandes incêndios junto a Sydney de alguns anos atrás, verificaram-se grandes problemas com o aprovisionamento de água potável durante bastante tempo, uma vez que os reservatórios tinham sido contaminados com sedimento proveniente dos solos erodidos. Melbourne irá sofrer o mesmo problema, uma vez que aí só foi utilizada água de superfície e não existe depuração de água.”

Esta pesquisa faz parte do projeto Desire da EU, no âmbito do qual investigadores de todo o mundo procuram encontrar meios de combate à desertificação. A Escola Superior Agrária de Coimbra em Portugal, a Swansea University em Wales, Inglaterra e a Wageningen Universiteit na Holanda trabalham conjuntamente nas pesquisas com o incêndio experimental, com vista à prevenção da degradação dos terrenos e recuperação de áreas queimadas.


Fonte: Portal Ecodebate



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

17/08/2019 às 20:51

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


4164 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey