Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


20/10/2010

Pegada ecológica x 'economia verde'

Acaba de sair o mais completo balanço da insustentabilidade: o Relatório Planeta Vivo 2010 . Essa é a oitava edição do documento que mais notabilizou a Pegada Ecológica, publicado a cada dois anos pelo WWF- Internacional (World Wide Fund For Nature), com a Zoological Society of London (ZSL) e a Global Footprint Network (GFN).

Esse balanço entre a pressão humana sobre a natureza e sua capacidade regenerativa (ou "biocapacidade"), que surgiu no início dos anos 1990, na Universidade de British Columbia, em Vancouver, resultou de pesquisa do ecólogo William E. Rees. A metodologia foi consolidada em 1994, em tese de doutorado de um de seus alunos, o engenheiro suíço Mathis Wackernagel. Em seguida foi publicada em co-autoria no livro "Our Ecological Footprint" (New Society Press, 1996). No entanto, por ter despertado grande interesse, proliferaram cálculos pouco rigorosos, até que surgisse, a partir de 2003, a normatização do GFN (www.footprintnetwork.org), dirigido por Wackernagel.

É assustadora a principal revelação do oitavo relatório: em 2007 a sobrecarga imposta pelas atividades humanas foi 50% maior que a capacidade regenerativa do planeta. Além disso, o relatório também apresenta projeções com base em diferentes variáveis relacionadas ao consumo de recursos naturais, uso da terra e produtividade, graças a uma nova "Calculadora de Cenário de Pegadas".

No cenário básico, a perspectiva não poderia ser mais tétrica: até 2030 a humanidade precisaria da biocapacidade de dois planetas Terra para poder absorver as emissões de gases de efeito estufa (GEE) e manter o consumo de recursos naturais. Cenários alternativos, que pressupõem mudanças nos padrões de consumo e nas matrizes energéticas, ilustram quais seriam as ações imediatas capazes de reduzir o hiato entre a Pegada Ecológica e a biocapacidade.

Entre a estabilidade e a necessidade de reduzir o impacto das ações humanas não existe saída simplista.

Três outros dados são cruciais. A biodiversidade global sofreu uma queda de 30% em menos de quarenta anos, atesta o mais antigo indicador do WWF - Internacional, o IPV: Índice Planeta Vivo. Chegam a 71 os países com déficit em recursos hídricos suficiente para comprometer a saúde de seus ecossistemas, aponta seu mais novo indicador, o PHP: Pegada Hidrológica da Produção. Foi de 35% o salto das emissões de GEE desde o primeiro relatório, de 1998.

Todavia, há uma séria disparidade entre a excelência desses diagnósticos e o conteúdo do capítulo final - propositivo - intitulado "Uma economia verde?". Dá a entender que a "economia verde" preconizada pelo WWF- Internacional está na linha da "estratégia de crescimento verde", esboçada em maio pelo conselho ministerial da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), e que se encontra em fase de consultas para que uma versão definitiva seja adotada em 2011.

É péssima essa versão preliminar da estratégia da organização porque tenta fazer de conta que o crescimento não constitui "dilema", como evidenciou com muita clareza o relatório do governo britânico "Prosperity without growth?" . Os ganhos de ecoeficiência que reduzem a proporção de energia e de matéria em cada unidade de produto são mais do que compensados pelo aumento da população e de seus níveis e padrões de consumo. É a chamada "questão da escala!", evidenciada pelo contraste entre as fortíssimas reduções de intensidade de carbono das principais economias e o incessante aumento de suas emissões em termos absolutos.

Ora, pertencem justamente à OCDE os raros países que já poderiam planejar uma transição à condição estável, pois suas populações deixaram de aumentar e a melhoria de sua qualidade de vida não depende mais de aumento da produção. Como mostrou o modelo macroeconométrico de Peter Victor para o caso do Canadá, descrito no livro "Managing without growth; slower by design, not disaster" (Edward Elgar, 2008).

Entre a manutenção da estabilidade social e a necessidade de reduzir o impacto das atividades humanas sobre a natureza, não existe saída simplista como pretendem os que especulam com essa ideia de um suposto "crescimento verde". O dilema se impõe porque a pressão sobre os ecossistemas não cessa de aumentar com a expansão da economia: a desmaterialização não engendra alívio ecossistêmico.

Ao fazer de tudo para evitar o enfrentamento de um sério debate sobre o "dilema do crescimento", a OCDE está compondo um verdadeiro "samba do crioulo doido". É lamentável perceber, portanto, que o WWF - Internacional se deixa ludibriar por tamanha operação de auto engano.

Por último - mas não menos importante - o logro do "crescimento verde" esboçado pela OCDE também ignora as recomendações da Comissão Stiglitz-Sen-Fitoussi, feitas há exatamente um ano (www.stiglitz-sen-fitoussi.fr). Em curta nota de rodapé, mal reconhece a necessidade de superação dos atuais indicadores de desempenho econômico e de qualidade de vida. Chocante, pois foi decisiva a contribuição do Serviço de Estatísticas da OCDE para o sucesso do trabalho dessa Comissão.


Fonte: Valor



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

25/09/2020 às 11:06

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


4271 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey