Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


02/02/2018

O dilema do eucalipto transgênico

Duas empresas brasileiras pesquisam árvores geneticamente modificadas. Mas não avançam para não perder o selo verde

 
Eles são mais gordos e mais altos, mas um observador dificilmente diria que são diferentes. A olho nu, são essas as principais características do H421, o nome de laboratório do primeiro eucalipto transgênico do mundo. E ele é brasileiro. Naturalizado, ao menos.
Está crescendo no interior de São Paulo e no sul da Bahia, áreas onde são comandadas as pesquisas genéticas das duas empresas que o detêm: a israelense FuturaGene, que desenvolveu as sementes ainda nos anos de 1990, e a brasileira Suzano Papel e Celulose, que comprou a FuturaGene em 2010.
 
Plantio de eucalipto no Brasil. Os transgênicos ofereceriam vantagem competitiva (Foto: Luciano Andrade/Estadão Conteúdo)Plantio de eucalipto no Brasil. Os transgênicos ofereceriam vantagem competitiva (Foto: Luciano Andrade/Estadão Conteúdo)
 
Aprovado para uso comercial no Brasil em 2015, o H421 é apenas a segunda árvore geneticamente modificada do mundo a conseguir a licença para venda, ao lado de uma espécie de álamos liberada na China em 2002. Os interessados, porém, são muitos. A Fibria é outra companhia de celulose que toca pesquisas genéticas em suas mudas no Brasil, enquanto nos Estados Unidos a desenvolvedora de sementes ArborGen tenta desde 2008 emplacar seu eucalipto resistente ao frio junto às autoridades do país.

Não é para menos, já que os atrativos das árvores modificadas são vários. O H421, por exemplo, cresce mais e gera ao menos 20% mais madeira do que seus similares. "Ele permite aumentar a produtividade sem expandir a área, libera novas terras para outros usos e também aumenta a captura de gás carbônico por área plantada", diz o gerente de assuntos regulatórios da FuturaGene, Othon Abrahão. "Até 2040, o mundo terá 9 bilhões de pessoas vivendo e consumindo", acrescenta Elizabeth de Carvalhaes, presidente executiva da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá). "Nesse sentido, é essencial que a biotecnologia trabalhe para aumentar a produtividade, ou então não haverá terra suficiente no planeta", continua ela.
 
O eucalipto transgênico cresce mais e gera 20% mais madeira do que as árvores similares
Mesmo com os argumentos a favor, o mundo segue sem que uma lasca de eucalipto transgênico tenha sido vendida ou explorada no mercado. Além da resistência natural de acadêmicos e ambientalistas mundo afora, que alertam para as consequências no longo prazo, o novo gênero também carece de reconhecimento comercial em nível internacional, já que nenhum dos grandes certificadores florestais aprova a modalidade.

Pelas regras atuais, se a empresa fizer o uso comercial de uma árvore transgênica, mesmo que em uma área pequena, ela perde a certificação de todas as suas áreas", explica Andrea Werneburg, analista de desenvolvimento de negócios do FSC no Brasil, braço regional do Conselho Internacional de Manejo Florestal e um dos principais certificadores de florestas do mundo. Possuir selos como o do FSC não é obrigatório, mas eles atestam as práticas sustentáveis das fabricantes e, sem eles, boa parte dos países não aceita a madeira.

"Não conhecemos os impactos de médio e longo prazo, até porque são os primeiros casos do mundo, não há base de comparação", diz Andrea.
Entre os principais argumentos contra as árvores transgênicas estão seu ciclo de vida e seu porte, o que significa mais tempo de exposição e um raio bem maior de alcance para o espalhamento de seu material genético e interações no entorno. Um eucalipto, por exemplo, leva cerca de sete anos para crescer, bem diferente de outras plantas já familiarizadas com a transgenia, como soja e milho, que têm ciclos anuais.

Outro grupo descontente aqui no Brasil são os produtores de mel, que poderiam perder sua certificação de produto orgânico uma vez que suas abelhas começassem a circular entre eucaliptos transgênicos. "De toda maneira é uma discussão difícil e que está longe de ser declarada fechada", diz Andrea, do FSC. "O consumo de madeira e celulose deverá triplicar até 2050, e soluções para responderem a esse aumento é um debate que não podemos ignorar."
 


Fonte: Revista Época



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/04/2018 às 08:59

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


602 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey