Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 16

Warning: max() [function.max]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 53

Warning: min() [function.min]: Array must contain at least one element in /home/storage/7/ab/56/ciflorestas/public_html/controle/nuvemtags_gerar.php on line 55
CIFlorestas>>Avanço e Pesquisa>>O conhecimento dos remanescentes de vegetação do Cerrado para futuras iniciativas de conservação da biodiversidade

Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


26/06/2014

O conhecimento dos remanescentes de vegetação do Cerrado para futuras iniciativas de conservação da biodiversidade

Tese apresentada à Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília de autoria de Henrique Augusto Mews, relata sobre o Cerrado sentido restrito sobre dois substratos no Brasil Central: padrões da flora lenhosa e correlações com variáveis geoedafoclimáticas.

Foto ilustrativa - Google
A ameaça à biodiversidade do Cerrado em função da ocupação desordenada e destruição de hábitats naturais constitui-se em um problema relativamente recente na história de ocupação do Brasil. Apesar disso, há estimativas que preveem o desaparecimento do Cerrado no ano de 2030, caso as atuais taxas de desmatamento e de conversão de áreas naturais para pastagens e lavouras sejam mantidas.
            Assim, as projeções para o futuro do Cerrado são desastrosas do ponto de vista ambiental. Se por um lado o governo busca aumentar a área contemplada em Unidades de Conservação, por outro manifesta a intenção de ampliar a área destinada à agricultura. Como consequência, a tendência é que as áreas com vegetação nativa preservada no Cerrado fiquem limitadas às Unidades de Conservação, às Terras Indígenas e às áreas impróprias para a agricultura.
            Neste aspecto, o conhecimento da situação atual dos remanescentes de vegetação nativa é um passo importante para futuras iniciativas de conservação da biodiversidade do Cerrado, já que os inventários biológicos foram apontados como ação de máxima prioridade para o bioma. Dentro desta perspectiva, estudos descritivos de cunho florístico, estrutural e fitogeográfico são muito importantes, pois fornecem detalhes acerca da organização e distribuição da biodiversidade de plantas. Além disso, permitem avaliar os impactos decorrentes das atividades antrópicas e auxiliar no planejamento e criação de Unidades de Conservação e a adoção de técnicas de manejo.
            Diante deste contexto, foi realizado um estudo pela Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília onde comparou-se as composições florística e florístico-estrutural e a diversidade alfa de espécies lenhosas entre Cerrado Típico (CT)  e Cerrado Rupestre (CR) (10 amostras de 1 ha em cada) e apontou as implicações dos seus achados para a conservação desses ambientes. Adicionalmente, investigou-se a relação da variação na composição florístico-estrutural com variáveis geoedafoclimáticas para desvendar as causas desta dissimilaridade. 
            Os resultados mostraram que sítios adjacentes de CT e CR diferem em relação à composição florístico-estrutural, mas não em ocorrência e diversidade alfa de espécies. Observou-se também que a dissimilaridade florístico-estrutural está correlacionada com as variáveis geoedafoclimáticas e corresponde, principalmente, às variações nos solos e na topografia. Estes resultados têm implicações cruciais à conservação, pois tornam claro que Cerrado Típico e Cerrado Rupestre são complementares, mas não equivalentes em termos da representatividade da vegetação savânica no Brasil Central. Logo, sugere-se  que isso seja considerado em iniciativas de conservação e na criação ou ampliação de Unidades de Conservação. Os resultados da pesquisa também revelaram que o componente edáfico pode, por si só, explicar a maior parte da variação florístico-estrutural entre ambientes savânicos do Cerrado cujos substratos sejam distintos.

Trabalho disponível no link da Biblioteca Digital Florestal: http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/9201


Fonte: Marina Lotti e Josiane Almeida - BIC: Biblioteca Digital Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/09/2018 às 22:52

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1169 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey