Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


21/08/2009

Negociações Sobre o Clima e Seus Mitos

Países como China, Índia e Brasil recusaram-se a assumir metas de reduzir emissões de gases de efeito-estufa, argumentando que isto irá prejudicar o seu desenvolvimento. Este é o primeiro dos mitos que cercam as negociações sobre o clima.

Países como China, Índia e Brasil recusaram-se a assumir metas de reduzir emissões de gases de efeito-estufa, argumentando que isto irá prejudicar o seu desenvolvimento. Este é o primeiro dos mitos que cercam as negociações sobre o clima, pois o desenvolvimento desses países resulta na emissão crescente de gases porque estão seguindo a trajetória usada no passado pelos atuais países industrializados.

O segundo mito é o de que os países em desenvolvimento só poderão adotar tecnologias avançadas caso os países industrializados paguem por elas, o que se estima custará de US$ 100 a US$ 200 bilhões / ano. Esse argumento poderia valer para países mais pobres da África. Por quê razão um país como a China, que tem reservas de US$ 2 trilhões, precisaria de doações para modernizar-se na forma de usar energia?

O terceiro mito é o de que é injusto exigir esforços dos países em desenvolvimento - mais pobres, enquanto os ricos não fazem nada - desse argumento contém o ranço de forte ressentimento, pois os países da União Européia – UE estão fazendo seu dever de casa e os EUA aprovarão uma lei, até o fim do ano, similar à da UE.

O quarto mito é o de que os países ricos estão emitindo há mais de 150 anos, e os países em desenvolvimento só se tornaram emissores importados recentemente. Atualmente, as emissões da China já superaram as dos EUA. Esse argumento de responsabilidade histórica é discutível, pois parte das emissões de carbono de 150 anos atrás já foi absorvida pelos oceanos. O quinto mito é o de que os instrumentos de mercado, como a venda de créditos de carbono, são suspeitos e imorais. Com base nesse argumento nem o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo deveria ser aceito.


Fonte: Sociedade Brasileira de Silvicultura/ Prof. José Goldemberg – OESP.



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

11/08/2020 às 09:41

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1170 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey