Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


21/08/2009

Negociações Sobre o Clima e Seus Mitos

Países como China, Índia e Brasil recusaram-se a assumir metas de reduzir emissões de gases de efeito-estufa, argumentando que isto irá prejudicar o seu desenvolvimento. Este é o primeiro dos mitos que cercam as negociações sobre o clima.

Países como China, Índia e Brasil recusaram-se a assumir metas de reduzir emissões de gases de efeito-estufa, argumentando que isto irá prejudicar o seu desenvolvimento. Este é o primeiro dos mitos que cercam as negociações sobre o clima, pois o desenvolvimento desses países resulta na emissão crescente de gases porque estão seguindo a trajetória usada no passado pelos atuais países industrializados.

O segundo mito é o de que os países em desenvolvimento só poderão adotar tecnologias avançadas caso os países industrializados paguem por elas, o que se estima custará de US$ 100 a US$ 200 bilhões / ano. Esse argumento poderia valer para países mais pobres da África. Por quê razão um país como a China, que tem reservas de US$ 2 trilhões, precisaria de doações para modernizar-se na forma de usar energia?

O terceiro mito é o de que é injusto exigir esforços dos países em desenvolvimento - mais pobres, enquanto os ricos não fazem nada - desse argumento contém o ranço de forte ressentimento, pois os países da União Européia – UE estão fazendo seu dever de casa e os EUA aprovarão uma lei, até o fim do ano, similar à da UE.

O quarto mito é o de que os países ricos estão emitindo há mais de 150 anos, e os países em desenvolvimento só se tornaram emissores importados recentemente. Atualmente, as emissões da China já superaram as dos EUA. Esse argumento de responsabilidade histórica é discutível, pois parte das emissões de carbono de 150 anos atrás já foi absorvida pelos oceanos. O quinto mito é o de que os instrumentos de mercado, como a venda de créditos de carbono, são suspeitos e imorais. Com base nesse argumento nem o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo deveria ser aceito.


Fonte: Sociedade Brasileira de Silvicultura/ Prof. José Goldemberg – OESP.



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

24/01/2020 às 02:06

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1128 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey