Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


06/11/2017

Mudança climática é desafio sem fronteiras


Segundo os cientistas e pesquisadores, o planeta Terra tem 4,5 bilhões de anos caminhando entre mudanças e adaptações resultantes de forças hercúleas que emergem das entranhas do globo terrestre e do cosmo, que modificam substantivamente as paisagens naturais e abrem caminhos para a extinção de espécies e o aparecimento de outras, que povoam os continentes, mares e oceanos há milhões de anos. A evolução das espécies, num vasto e complexo horizonte de tempo, fez emergir o homem e abriu também uma nova página na história da humanidade pelo desenvolvimento da fala e da escrita e no avançar das ciências e suas descobertas memoráveis.

Grandes mudanças geológicas e climáticas já ocorreram sem a presença do homo sapiens e o impacto de um mega asteroide contra a Terra, há 65 milhões de anos, desencadeou uma destruição em massa e plantou novas formas de vida nesse planeta singular e ainda habitável.

Entretanto, embora não haja consenso entre os cientistas, debita-se à sociedade moderna e consumidora de tecnologias, produtos e serviços, com os atuais 7,3 bilhões de habitantes e com previsão de 9,2 bilhões em 2050, o ônus das mudanças climáticas recentemente havidas, e por haver, e ao considerar que os institutos internacionais alertam que 45% da atmosfera terrestre está tomada pelo gás carbônico (CO2) e por seu efeito estufa (IPCC/ONU).

Mas, sem C02 não há fotossíntese, e sem ela não se produzem alimentos e sem alimentos não há vida nos continentes, mares e oceanos, como a que se conhece, o que leva o problema para a esfera de seus efeitos colaterais em função de sua elevada concentração na atmosfera.

Mas a questão de fundo vai muito além dessa breve e limitada abordagem, ou seja, debate-se muito, mas o conceito e a prática da sustentabilidade dos recursos naturais ainda não estimulam suficientemente a adoção de inovações pelas sociedades e pelos governos dos 193 países, muito dos quais extremamente pobres e açoitados pela miséria, fome, destruição dos recursos naturais, e por guerras infindáveis. Um cenário desumano e adverso.

Como recuperar, se for economicamente recuperável, milhões de hectares de terras degradadas, milhares de quilômetros de rios poluídos? E mais, como ampliar o saneamento básico, modernizar as indústrias que jogam na atmosfera bilhões de toneladas de poluentes, capitaneadas pelos EUA e China, sendo que os EUA não mais fazem parte do Acordo de Paris?

Porém, não se podem negar que as intervenções do homem nos domínios da natureza, ao arrepio da ciência e da tecnologia, associadas, revelam seus efeitos adversos de considerável dimensão geográfica, entre os quais; derretimento de geleiras, avanços na desertificação, crescimento da temperatura média no globo terrestre, perda anual de bilhões de toneladas de solos agrícolas à falta de práticas conservacionistas, extinção de 50%, ou mais, dos cardumes de peixes de alto valor comercial, chuvas mais violentas ou secas mais prolongadas e disputas por recursos hídricos. Mas ainda é cedo para o decretar o fim da vida na Terra e dar ouvidos demais aos ambientalista radicais e ideológicos por excelência.

A pesquisa agropecuária e florestal no Brasil, no que lhes compete, têm desenvolvido um esforço hercúleo, recorrente, estratégico e indispensável para obter, por seus cientistas e pesquisadores, novos conhecimentos científicos e tecnológicos, que resultem na adoção de boas práticas nos sistemas agroalimentares e nas cadeias produtivas do setor de base florestal nos eixos tecnológico(inovação), econômico (renda) social (qualidade de vida) e ambiental (uso correto dos recursos naturais). Há uma tendência, que decorre da complexidade da natureza, de se produzir mais e com menor impacto ambiental nos cenários das bacias hidrográficas, mas inovar custa muitos bilhões de dólares.

Além disso, é preciso desenvolver uma fina sintonia com os mercados interno e externo, que se conjuga também com um processo definitivo de urbanização e onde se concentram as grandes massas salariais que estimulam o aumento de consumo de alimentos, fibras, biomassa, agro energia, e de produtos de base florestal. São cenários que transcendem a visão exclusiva de fomento da produção e sejam eles quais forem numa perspectiva de tempo.

Assinar documentos, protocolos internacionais e debater o controverso, sem dúvida alguma, fazem parte indissociável de uma marcha batida a favor da sustentabilidade dos recursos naturais, no campo e nas cidades, e que haja recursos suficientes para bancar essa conta solidária que tem o tamanho do mundo. Por acréscimo e exigência, o centro dessas mudanças está no seio da sociedade e suas organizações, que devem exercer o legítimo poder de pressão.

Do discurso à prática, um desafio sem fronteiras, pois há tempo para plantar e tempo para colher. Lembrem-se também que 1 hectare de floresta plantada preserva cerca de 10 hectares de florestas nativas (AMS-2015), e na safra agrícola brasileira, 2016/17, foram cultivados apenas 60,9 milhões de hectares ou 13,9% do território nacional, enquanto em Minas Gerais, na mesma safra agrícola, a área cultivada foi 5,63% do território mineiro Além disso, a agricultura irrigada poderá proporcionar anualmente três colheitas diferentes numa mesma área de cultivos e sem subestimar a agricultura de precisão e o plantio direto, que é também um conjunto de práticas conservacionistas. O campo tem dado bons exemplos de sustentabilidade, mas, o que dizer das cidades?


Fonte: Benjamin Salles Duarte - Engenheiro Agrônomo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/11/2017 às 06:38

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


243 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey