Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


13/08/2011

MP mira a cadeia produtiva do carvão de desmatamento

O Ministério Público de Minas Gerais vai cobrar na Justiça reparação ambiental de siderúrgicas que usam carvão de desmatamento.

Está certo. É a única forma de coibir o desmatamento na Amazônia, no Cerrado, no Pantanal, na Caatinga e até na Mata Atlântica para fazer carvão vegetal consumido nos fornos das metalúrgicas de gusa e de algumas siderúrgicas que produzem aço.

A produção clandestina – mas visível – de carvão vegetal por desmatamento de vegetação nativa envolve uma cadeia de conivência e corrupção. Na última autuação de uma quadrilha que operava no Cerrado mineiro e na Caatinga foram apreendidos documentos falsificados. É comum encontrar DORF’s adulterados e difícil imaginar que sejam falsificados sem ajuda interna.
 
Mas a atitude das empresas que fornecem minério para as guseiras que queimam carvão ilegal e das siderúrgicas que compram o gusa produzido com insumos ilegais contribui para a continuidade do crime. E não é só desmatamento. Há muitos flagrantes de trabalho escravo nas carvoarias ilegais. Duplo crime contra o ambiente e contra os direitos humanos.
 
Várias empresas alegam não ter poder de polícia. Portanto, só podem eliminar de suas cadeias de suprimentos empresas flagradas pelas autoridades. Não é uma explicação. É um álibi. Toda empresa tem o direito e a obrigação de monitorar sua cadeia de suprimentos, exigir certificados e, na dúvida, fazer inspeções. No EUA e na Europa, empresas fazem isso para controlar suas emissões totais, em tempo real, usando planilhas e sistemas de alerta via iPads e iPhones operados por agentes de campo.
 
Se as empresas não assumem sua responsabilidade, devem mesmo ser judicialmente responsabilizadas, como coprodutoras do passivo ambiental. Se o mercado não é capaz de se autoregular, o estado tem que intervir e essa intervenção às vezes tem que ter teor repressivo ou punitivo.


Fonte: envolverde.com.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (2)


AMARILDO PORTO ARAUJO disse:

15/08/2011 às 13:24

quando propus, inserir no texto da [ IN, N- 06 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2006, ] estas pequenas modificaçoes ninquen quis modificar, se tivesse me ouvido hoge toda a matéria - prima florestal de uso alternativo do solo nao só da AMAZONIA como de todo territorio nacional teria origem. e nao existiria a industria de documentos falsos que em 88 em maraba/pa o documento de un metro- cubico de carvao vegetal chegou a valer de 50 a 70.00 R$, muitas vezes er melhor no brasil nao trabalhar e virar falsificador, pois o preço do carvao neste periodo do ano de 88 chegou a custar em torno de 200.00 R$ o metro - cubico o sujeito vem a outros estados compram documentos p/ esconder o crime ambiental cometido em seu estado, e isto eu citei em minhas esplanaçoes e ninquem..... ninquem quis ouvir agora vejo instituiçoes preocupadas em regulamentar o que nao tem regulamentaçao, e tem, o que falta de verdade er vergonha na cara, de alguns politicos que menten aos seus eleitores prometem nas campanhas que vao atuar p/ corrigir certas ABERRAÇOES do planalto e ministerios e quando lá estao sentan o rabo encima dos mandatos e esqueçen quen os elegeran...

AMARILDO PORTO ARAUJO disse:

15/08/2011 às 12:48

fui a brasilia certa época de un evento acho que foi a conferencia nacional de meio ambiente, e por lá tentei mudar essa situaçao e nao consegui, coletei assinaturas de seis [ 06 ] federaçoes de TRABALHADORES E TRABALHADORAS [ FETTAGRIS de MANAUS, RONDONIA, TOCANTINS, MARANHAO, AMAPÁ, SE NAO ME ENGANO A DO PARÁ, ] LEGITIMAS DA AMAZONIA, mais outras instituiçoes do amapá, como sindicatos dos madeireiros e moveleiros, oleiro-ceramico e o pessoal do polo-siderurgico de carajas através de enviados especiais que nos disseran-me que o progeto carajas tambem concordava com a proposta da [ IN - 06 ] E QUE FOSSE ENTAO COLOCADO NO TEXTO DA MESMA O SEGUINTE:O PRAZO P/ QUEN UTILIZA MATÉRIA - PRIMA FLORESTAL DE ÁREA DE USO ALTERNATIVO DO SOLO, SERAR DE 24 MESES P/ SE FAZER A REPOSIÇAO FLORESTAL. A OUTRA PROPOSTA ER QUE O AGRICULTOR ESCOLHERAR QUAIS ÁS ESPECIES QUE SERAO TRABALHADAS NA REPOSIÇAO EXEMPLOS: ESPECIES, FRUTIFERAS, OLEAGINOSAS, PALMACEAS,NATIVAS,E ESPECIES DE CURTO CICLO P/ GERAÇAO DE ENERGIA OU CARVAO, ESTA PROPOSTA FOI ENVIADA AO [ MMA, PRESIDENCIA DO SENADO FEDERAL, PRESIDENCIA DA CAMARA DE DEP- FEDERAIS, DEPOIS AOS EX: MINISTROS MARINA SILVA E CARLOS MING, MANGABEIRA UNGER, AO PRESIDENTE LULA, E MUITOS OUTROS POLITICOS BRASILEIROS, NINQUEM.... NINQUEM MESMO SE MANIFESTOU, ENTAO ESTAMOS COM A MESMA PROPOSTA TENTANDO HOGE JUNTO A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA TRAZER AOS CONHECIMENTOS DA PROPOSTA AOS DEP- ESTADUAIS O TEOR DA MESMA E VOU SOLICITAR AO MESMOS QUE CRIE ESSA PROPOSTA COMO LEI ESTADUAL DO ESTADO AMAPÁ SOBRE REPOSIÇAO FLORESTAL DE MATÉRIA - PRIMA FLORESTAL DE USO ALTERNATIVO DO SOLO QUE SERAR A PRIMEIRA DO BRASIL NESSE GENERO

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2620 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey