Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


18/07/2009

Monitoramento Florestal Via Satélite Pode Entrar em Colapso

Um dos maiores especialistas em monitoramento florestal por imagens de satélite e análises de dados de retiradas vegetais do Brasil, Dalton Valeriano, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), ressaltou na manhã de quinta-feira, 16, que mesmo o País sendo referência mundial no assunto existe o risco de "apagão" nos sistemas nacionais por conta do tempo de uso dos satélites que fazem essa "varredura" dos desmates e queimadas.

Um dos maiores especialistas em monitoramento florestal por imagens de satélite e análises de dados de retiradas vegetais do Brasil, Dalton Valeriano, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), ressaltou na manhã de quinta-feira, 16, que mesmo o País sendo referência mundial no assunto existe o risco de "apagão" nos sistemas nacionais por conta do tempo de uso dos satélites que fazem essa "varredura" dos desmates e queimadas.

Valeriano fez o alerta durante uma palestra na 61ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que acontece até  esta sexta-feira em Manaus, AM. Segundo ele, os dois satélites que hoje são usados pelo Inpe para as atividades de detecção de degradação florestal, o LandSat e o CBers, estão com suas datas de validade vencidas e podem parar a qualquer momento.

O LandSat, um satélite estadunidense cujas imagens são fornecidas para o Inpe via pagamento de taxa mensal, que estava programado para uma vida útil de cinco anos, já está em operação há 25 anos. O Cbers, satélite construído a partir de parceria entre Brasil e China e programado para ter vida útil de dois anos e meio, completou três anos de atividades neste ano e pode parar a qualquer momento, da mesma forma que o LanSat.

"Temos o melhor sistema de detecção de queimadas e desmatamentos do mundo. Saiu em 2007 um comunicado da revista Science que indicou isso, mas a realidade é que eu posso receber um telefonema em agosto ou setembro deste ano me informando que os dois satélites pararam e aí a situação ficará complicada", avaliou Valeriano, cujo tema da palestra foi "Sistemas de Monitoramento Remoto da Amazônia Legal".

De acordo com Valeriano, atualmente todos os países que têm interesse em monitorar florestas por satélite tomam como exemplo o Brasil. Todavia, destaca ele, é preciso que se planeje como será esse monitoramento brasileiro nas próximas décadas. "Usamos um modelo de análise, com contraste de imagens para identificarmos os desmates, mas os equipamentos estão saturados", afirmou.

Dois sistemas, o de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter) e o Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes), são utilizados pelo Inpe para o cálculo das retiradas florestais. A proposta é que novos processos sejam viabilizados em breve.

O Sistema de Detecção de Desmatamentos em Tempo Real (Deter) consegue identificar apenas desmatamentos de pelo menos 0,25 km2 (25 ha), os mais significativos. Mas faz esta detecção rapidamente, ainda durante a derrubada das árvores, auxiliando assim ações eficazes de fiscalização do desmatamento ilegal. O Deter é a peça central de um sistema de monitoramento de florestas, pioneiro no mundo, cuja reputação internacional de excelência tem projetado o País em fóruns como a Convenção do Clima e nos debates sobre pagamentos por serviços ambientais de florestas.

Anual, o Prodes é o sistema mais detalhado de monitoramento de desmatamento. A área medida se refere somente ao desmatamento por corte raso, ou seja, o estágio final de devastação em que o solo já foi tomado por vegetação de pastagem.
 


Fonte: Carbono Brasil.



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


paula da silva disse:

06/12/2010 às 18:06

vc e muito bom

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3932 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey