Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


08/09/2015

Método de predição de parâmetros em modelos de crescimento em função do índice de local

Monografia apresentada à Universidade Federal de Viçosa, de autoria de Mariana Futia Taquetti, relata sobre o Método de predição de parâmetros em modelos de crescimento em função do índice de local.

Imagem do trabalho
       De acordo com Schneider (2010) o Manejo Florestal consiste em uma série de decisões tomadas para se alcançar um objetivo. Tradicionalmente a abordagem do manejo florestal está focada na produção de bens como madeira, resinas, folhas, óleos essenciais, entre outros, muito embora seja crescente na atualidade a contemplação de bens e serviços ambientais e ecológicos (MESSIER; PUETTMANN; COATES, 2014) em conjunto ou não com a produção tradicional. A produção de madeira para fins diversos é o objetivo mais tradicional e predominante das florestas plantadas. No Brasil os eucaliptos são o grupo de árvores mais plantado correspondente a 76,6% da área total de florestas plantadas, seguidos pelos Pinus (ABRAF, 2013).
            Conhecer o estoque atual e estimar a produção futura é essencial no planejamento de um empreendimento florestal. O inventário florestal é, assim, fundamental para o manejo, pois ele irá fornecer os dados necessários para se planejar e realizar as atividades subsequentes como colheita, análise financeira, como também os custos e a receita. Os modelos de crescimento e produção de povoamentos são empregados nestes processos de decisão. A coleta dos dados deverá ser baseada no tipo de modelagem empregada, em nível de povoamento, de distribuição de diâmetros ou modelos de árvores individuais, assim como atender aos objetivos do manejo.
            Dessa forma, neste trabalho, propõe-se aplicar o método da predição de parâmetros nos modelos de produção, relacionando cada parâmetro com o índice de local, por se considerar esse índice como o efeito da miríade de fatores bióticos e abióticos do local na produção. Os dados utilizados são de parcelas permanentes medidas anualmente no nordeste do Brasil. A altura dominante em função da idade foi estimada utilizando o modelo com o melhor ajuste, Schumacher, pelo método da curva-guia. Após a classificação do sítio, foram separados conjuntos de dados com base na classe de sítio e ajustaram-se equações para cada classe, selecionando a que obteve o melhor ajuste. A análise dos ajustes foi feita através do erro padrão residual (EPR), coeficiente de determinação ajustado ( ? 2 ) e realismo biológico. Em seguida, foram ajustados modelos lineares e não R lineares, a fim de relacionar os coeficientes do modelo volumétrico com os centros das classes de sítio. Os coeficientes do modelo foram substituídos por essas sub-equações, gerando um modelo expandido. A comparação ocorreu entre quatro métodos: o modelo original ajustado para todo o conjunto de dados, modelo original ajustado por classe de sítio, o modelo expandido com o centro da classe como covariável e o modelo expandido com o índice local como covariável. O primeiro método teve as piores estatísticas, diferindo dos outros que foram muito próximos quanto às análises.

O trabalho pode ser lido na íntegra no link da biblioteca florestal digital:
http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/13308

 


Fonte: Camila Oliveira Batista - Bolsista BIC: Biblioteca Florestal Digital



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

30/04/2017 às 06:04

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site

Mercados de produtos florestais alternam entre estagnação e crescimento nos seus diversos setores em 2016. Saiba mais aqui.
 
Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

Uma meta, sem um plano para chegar lá, nada mais é do que um simples desejo.
Antoine de Saint-Exupery

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1161 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey