Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


18/09/2012

Mercado de carbono da Califórnia terá déficit de créditos de compensação

Novas análises demonstram que o cap and trade californiano pode ter um déficit de compensações de emissão de até 29% em 2013-2014 e defendem a elegibilidade de protocolos para projetos REDD

Demanda cumulativa versus potencial demanda por compensações (2012-2020) / ACR.
O Ato de Soluções para o Aquecimento Global da Califórnia limita as emissões de gases do efeito estufa do estado em 427 milhões de toneladas de CO2e até 2020, o equivalente as suas emissões em 1990. Para reduzir as emissões neste nível, uma das principais ferramentas é um esquema de limite e comércio de emissões (´cap and trade´).

As entidades cobertas pelo esquema podem cumprir até 8% das suas cotas com créditos de compensação das emissões, resultantes de projetos que seguem determinados protocolos já aprovados pelo Air Resources Board, administrador do 'cap and trade'. 

Até 2020, o esquema deve suscitar uma demanda cumulativa de mais de 200 milhões de toneladas de CO2e em créditos de compensação.

Para compreender melhor a potencial oferta destes créditos, o American Carbon Registry (ACR), ONG envolvida no mercado voluntário de carbono norte-americano, conduziu análises detalhadas, já que, por serem mais baratas, as compensações são consideradas uma forma de contensão de custos para os participantes de esquemas de 'cap and trade'.

Quatro tipos de metodologias para compensação já foram aprovadas pelo ARB e envolem: substancias destruidoras da camada de ozônio; Florestas (nos Estados Unidos); Florestas Urbanas e Rebanhos. Outros quatro tipos de projetos também estão sendo analisados: Metano em mineração de carvão, válvulas pneumáticas do tipo 'low bleed', gestão em arrozais e de fertilizantes.

As análises do ACR estimam que haverá um déficit significativo de créditos de compensação se mais nenhum protocolo, além dos quatro já existentes, for adotado. A projeção é de um déficit de 29% no primeiro período de compromissos (2013-2014) do esquema e de 67% no terceiro (2018-2020) se a demanda total esperada for alcançada.

A adoção de três tipos adicionais de projetos em 2013 (Metano em mineração de carvão , válvulas pneumáticas do tipo 'low bleed' e gestão em arrozais ) poderia acabar com o déficit inicial de 29%. Porém, mesmo neste caso, haveria ainda um déficit de 35% até 2020.

Assim, o ACR sugere que os créditos provenientes da gestão de produtos fertilizantes e outros, como de projetos de Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD) sejam listados na regulamentação do 'cap and trade'. 

No caso do REDD, o ARB ainda não iniciou o processo de regulamentação  deste mecanismo, esperando pela liberação de uma série de recomendações do Grupo de Trabalho especifico para este assunto. As análises do ACR não incluíram o REDD, porém modelagens da ONG Environmental Defense Fund indicam que estes projetos podem gerar uma oferta significativa e possivelmente atender ao restante do déficit, se aceito até 2014.


Fonte: http://www.institutocarbonobrasil.org.br/mercado_de_carbono1/noticia=731816



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


tSZYuvXts disse:

26/10/2012 às 06:28

Great post, as usual.Just a little croiectron: you mention that lepton universality e/tau has been checked experimentally in W decays to a good precision, but there's actually a long standing 2-3 sigma deviation between experiment (mainly LEP) and the lepton universality predicted by the standard model. See arXiv:1203.2092 for a recent review on this issue.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1373 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey