Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


08/12/2010

Materiais rodantes utilizados na colheita de madeira

Atualmente, a busca crescente por aumento na produtividade, redução de custos e impactos ambientais, representam o dia-a-dia das empresas do setor florestal e estão diretamente relacionados ao tipo de material rodante escolhido.

A escolha destes está intimamente relacionada à topografia do terreno, ao tipo de solo, à umidade do solo, à distância de operação, entre outras variáveis.

Os tipos de rodados podem ser classificados como: pneumáticos, semi-esteira – acoplada aos pneus – e esteira fixa.

Falando-se inicialmente sobre pneus, alguns fatores são fundamentais para a escolha correta do melhor tipo, tais como:

·        aspectos físicos: tipo de banda de rodagem (parte do pneu que entra em contato com o solo), profundidade de rodagem (profundidade dos sulcos), relação entre a altura e largura do pneu;

·        desempenho em campo: custo (por km, hora e tonelada transportada), vida útil (resistência ao desgaste, à separação e ao calor, cortes e impacto), mobilidade (tração e flutuação), custos de manutenção, comportamento do equipamento (dirigibilidade, estabilidade e fator de ajustes) (GUIA GOODYEAR, 2007).

Para cada situação na qual o pneu se encontre, é necessário proporcioná-lo uma correta calibragem para reduzir desgastes, consumo de combustível, tempo de operação, compactação, impactos ao operador e aumentar a velocidade em campo, elevando a produtividade.

O principal aspecto a ser analisado quando se fala de materiais rodantes seria a compactação que o mesmo proporciona, pois isso poderá afetar o desenvolvimento até mesmo de futuros plantios. Segundo Soane (1980), os aspectos que irão influenciar essa perda de porosidade no solo são: carga no eixo; dimensões do rodado; pressão de inflagem; patinamento; velocidade de deslocamento; número de passadas.

Correntes ou semi-esteiras podem ser adicionadas nos pneus florestais, proporcionando benefícios á operação, reduzindo o consumo de energia, a manutenção, a pressão no solo, o dano às raízes, o desgaste da maquina e dos pneus, e aumentando a tração e a capacidade de carga.

Utilitários florestais equipados com semi-esteiras apresentam melhor desempenho em áreas com declividade acima de 20%, contando com menor tempo de operação para transporte somente em longas distâncias devido a maior mobilidade e menor patinação em relação aos pneumáticos (LOPES et al., 2006). O uso de esteiras móveis, de acordo com Sakai et al. (2008), proporciona menor impacto no solo e diminuição em 40% dos sulcos, sendo estas, excelentes para solos úmidos e sensíveis.

As esteiras fixas não possuem a mesma versatilidade que os pneus, haja vista que não há como alterar muito suas características. São empregadas mais para máquinas utilizadas em abertura de estradas e mobilização de solo, vistas também em máquinas de corte florestal, mas muito raramente nas operações de extração. Comparadas com os pneus, as esteiras possuem algumas vantagens, tais como: maior estabilidade em locais inclinados, baixa patinagem e baixa compactação. Por outro lado, apresentam também algumas desvantagens, como mobilidade, custo de manutenção e impossibilidade de circular em estradas asfaltadas.

 

 

Compactação

Durabilidade (horas)

Pneus

Alta

4.000 - 8.000

Semi-esteiras

Média

6.000 - 10.000

Esteiras fixas

Baixa

15.000 - 20.000

                                         Quadro comparativo entre os tipos de rodado

 


Fonte: Equipe de Colheita de Madeira – UFPR



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

30/09/2020 às 11:26

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3063 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey