Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


27/10/2011

Mais com menos

Texto em debate no Senado para o novo Código Florestal é mais equilibrado e abre chance para acerto entre produtores e ambientalistas

Foto: Google

 A versão do Código Florestal que toma forma no Senado é sem sombra de dúvida melhor que a aprovada no final de maio pela Câmara. O principal defeito deste texto -introduzido por emenda do PMDB que liberava as atividades agrícolas já existentes em áreas de preservação permanente- foi suprimido no projeto em debate.
Com a hipótese de perdão irrestrito fora da discussão, a polêmica se concentra agora no dispositivo que permite a regularização, mediante certas contrapartidas e multas, de desmatamentos feitos até 22 de julho de 2008 -chamadas de "áreas rurais consolidadas".
Segundo os defensores da medida, obrigar a recomposição de toda a área desmatada configura uma impossibilidade prática que inviabiliza o agronegócio. Para os ambientalistas, como os percentuais de preservação vigentes foram fixados em 2001, a medida representa um prêmio a quem, durante sete anos, desmatou consciente de que cometia uma ilegalidade.
O novo texto avança ao restringir o poder dos Estados de legislar sobre áreas de preservação permanente, o que evita uma disputa fratricida entre governadores interessados em atrair o agronegócio. A criação de um cadastro nacional de madeireiras, prevista no projeto em análise, também é um fator a facilitar a repressão do desmate e do contrabando.
O principal desafio do novo código é conciliar duas vocações do Brasil por vezes antagônicas -o pujante agronegócio e a inigualável biodiversidade- numa mesma e generosa abordagem. O texto aprovado na Câmara dos Deputados era desequilibrado em favor dos produtores. Agora caminha-se, ainda que lentamente, para uma norma mais balanceada.
A previsão é que o texto do código seja votado nas comissões de Agricultura e Reforma Agrária e de Ciência e Tecnologia no início de novembro. Depois disso, precisa passar pelo grupo de Meio Ambiente para só então chegar ao plenário.
O impasse anterior, em que ambos os lados se acusavam mutuamente de colocar em risco o futuro do país, parece superado. O importante é que essa lenta aproximação entre os interesses legítimos do agronegócio e as relevantes preocupações dos ambientalistas continue a ocorrer até a votação final.
O pior cenário seria a aprovação de um novo Código Florestal deturpado, como o chancelado pela Câmara, o que levaria a um inevitável veto do Palácio do Planalto, remetendo a discussão de volta à estaca zero.
O atual Código Florestal, de 1965, está caduco. A consolidação do novo marco legal deveria induzir o campo a produzir cada vez mais recorrendo cada vez menos ao aumento da área ocupada.


Fonte: Folha de São Paulo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/10/2019 às 11:00

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1601 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey