Facebook Twitter RSS

Evento/Curso

Versão para impressão
A-
A+


IX SINRAD - Simpósio Nacional sobre Recuperação de Áreas Degradadas "Recriando Ambientes Sustentáveis"
11/07 a 13/07 em CENPES /PETROBRAS Avenida Horácio Macedo, 950 - Cidade Universitária, Ilha do Fundão, Rio de Janeiro/RJ

O IX SINRAD - Simpósio Nacional sobre Recuperação de Áreas Degradadas, organizado pela SOBRADE ? Sociedade Brasileira de Recuperação de Áreas Degradadas, será realizado no período de 11 a 13 de julho de 2012 na cidade do Rio de Janeiro. O evento, cuja 1ª edição (1992) comemora 20 anos em 2012, constitui o maior do gênero no Brasil e tem atraído um público crescente não apenas do Brasil como do exterior.

OBJETIVOS

Considerando a temática principal do maior evento ambiental do planeta (Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável - 20 a 22 de junho de 2012) que antecede o IX SINRAD, a realização de palestras e debates do simpósio, ocorrerá versando o tema “Recriando Ambientes Sustentáveis”, onde Empresas, Órgãos Públicos, e Instituições de Ensino e Pesquisa, terão a oportunidade de apresentar o sucesso de suas experiências e trabalhos nesse tema.

O principal objetivo do Simpósio será o de reunir Profissionais, Especialistas, Interessados da área e, promover o intercâmbio de conhecimentos e experiências desenvolvidas nas mais diversas condições de degradação ambiental, além de:

  • Se constituir um foro para discussão dos avanços técnico-científicos em recuperação de áreas degradadas com foco na sustentabilidade de suas práticas;
  • Promover o aprimoramento e divulgação de tecnologia e conhecimentos para a melhoria do nível técnico dos participantes;
  • Fornecer subsídios às instituições públicas;
  • Oportunizar a divulgação de programas e projetos socioambientais de empresas privadas, instituições públicas, e de produtos e serviços;
  • Sistematizar processos, experiências, tecnologias e tratar de questões afetas à recuperação ambiental de áreas degradadas por atividades antrópicas;
  • Contribuir para a prevenção da degradação, minimização de impactos e solução dos problemas socioambientais;
  • Incentivar a pesquisa científica.

TEMÁRIO (base para trabalhos voluntários)

  • Código Florestal Brasileiro - Mudanças e impactos na recuperação de áreas degradadas (RAD);
  • Degradação ambiental e mudanças climáticas;
  • Uso de ambientes degradados recuperados de forma sustentável;
  • Oportunidades e desafios no desenvolvimento de projetos em RAD;
  • Projetos de captação de carbono em áreas de recuperação ambiental;
  • Pagamentos por serviços ambientais para quem restaura e conserva ecossistemas naturais;
  • Indicadores da evolução e auto-sustentabilidade de ecossistemas recuperados;
  • Política ambiental, legislação e sistema de licenciamentos;
  • Ferramentas disponibilizadas por instituições públicas e de ensino e pesquisa visando à RAD;
  • Monitoramento e avaliação de desempenho na revegetação de áreas degradadas;
  • Indicadores de avaliação de áreas em processo de restauração;
  • Processos de degradação, controle ambiental e práticas de recuperação;
  • Práticas silviculturais;
  • Processos de nucleação para RAD;
  • Uso de Sistemas Agroflorestais em RAD;
  • Recuperação de pastagens;
  • Processos erosivos e medidas de correção;
  • Geotecnologias aplicadas à RAD;
  • Gestão e recuperação de áreas contaminadas;
  • Poluição: medidas preventivas, corretivas, mitigadoras e compensatórias;
  • Degradação de ambientes causada por espécies invasoras;
  • Controle e gerenciamento de resíduos;
  • Programas de reciclagem;
  • Serviços e benefícios socioambientais;
  • Programas socioambientais e de integração com as comunidades;
  • Responsabilidade social e ambiental das empresas;
  • Programas e arranjos institucionais e mecanismos econômicos na recuperação de áreas;
  • Incentivos a recuperação de florestas nativas;
  • Integração das questões ambientais e, socioeconômicas na RAD;
  • Percepção e participação popular em programas de RAD;
  • Arranjos Produtivos Locais (APL’s);
  • Sistemas/equipamentos de monitoramento e controle de poluição;
  • Auditoria Ambiental / Processos de Certificação / Normas ISO;
  • Custos de projetos ambientais em RAD;
  • Degradação de solos: fatores, metodologias de avaliação, prevenção e controle;
  • Impactos ambientais e mitigação de danos em obras urbanas;
  • Alternativas de recuperação e reutilização de ambientes urbanos degradados;
  • Recuperação Ambiental de aterros e depósitos de resíduos urbanos;
  • Recuperação e reciclagem de resíduos de construção/demolição;
  • Reciclagem de resíduos oriundos de áreas de aterros e depósitos de resíduos urbanos;
  • Benefícios dos trabalhos de catadores na recuperação de áreas de lixão;
  • Revegetação na contenção de encostas e áreas urbanas de risco;
  • Descompactação / permeabilização de solos urbanos para prevenção de enchentes;
  • Arborização / paisagismo na mitigação de impactos no meio urbano;
  • Saneamento no ambiente urbano;
  • Caracterização, avaliação e mensuração de impactos ambientais;
  • Áreas degradadas como fonte e difusora de poluentes e na emissão de sedimentos;
  • Manutenção/recuperação de paisagens e ecossistemas;
  • Impactos ambientais/toxicidade de poluentes em processos industriais;
  • Geração, tratamento e destinação de efluentes/resíduos;
  • Desativação de empreendimentos e passivos ambientais;
  • Caracterização de AD: critérios e metodologias;
  • Planejamento gerencial e monitoramento: metodologias / critérios;
  • Recomposição topográfica e drenagem em AD;
  • Lodo de esgoto na recuperação de solos;
  • Metais pesados em AD:estudos de casos;
  • Remediação de solos/águas contaminados;
  • Pragas, doenças e manejo fitossanitário em AD;
  • RAD em dunas, manguezais e restingas;
  • Recuperação e conservação de matas ciliares e nascentes;
  • Recuperação ecossistêmica de áreas de preservação permanente;
  • Revitalização de cursos d´água;
  • Recuperação de áreas em processo de desertificação;
  • Fomento florestal em AD;
  • Estudos de sistemas radiciais em AD e solos compactados;
  • Indicadores ambientais e fundamentos ecológicos em programas de RAD;
  • Fitogeografia e fitossociologia em RAD;
  • Análise de riscos ambientais;
  • Degradação X desastres naturais;
  • Valoração em ambientes degradados: índices e critérios;
  • Áreas degradadas e migração;
  • Educação ambiental.

ESTRUTURA

O Simpósio será estruturado na forma de Conferências, Mesas Redondas e, Sessões de Trabalhos Técnico Científicos (apresentação oral e posters).

Paralelamente ao Simpósio acontecerá o Workshop "Metodologias e Controle de Custos na Recuperação de Áreas Degradadas pela Mineração".

TRABALHOS VOLUNTÁRIOS

Os trabalhos voluntários devem ser enviados para avaliação da Comissão Técnica até o dia 31 de maio de 2012, para o e-mail sinrad@sobrade.com.br . O autor será notificado do resultado da avaliação até dia 22 de junho. O autor ou autores que apresentarão o(s) trabalho(s) deverão estar inscritos até dia 29 de junho de 2012. Após esta data os trabalhos cujo autor responsável pela apresentação não esteja inscrito no Simpósio, não serão aceitos para apresentação e publicação.

Normas para apresentação de trabalhos:

O trabalho completo deve estar em arquivo no formato MS Word (.doc), configurado em página A4 (21 x 29,7 cm), margens superior, inferior e direita de 2,5 cm e esquerda de 3 cm.

O texto deve estar em fonte Times New Roman e tamanho de 11 pontos com espaçamento simples de parágrafo.

  • Título: em caixa alta, centralizado e em negrito. Abaixo deverá constar o título em espanhol, em negrito e, maiúsculas e minúsculas.
  • Autor(es): A um espaço do título deverá constar as iniciais do nome, seguido do sobrenome, separados por ponto e vírgula e sublinhando o nome do autor, e responsável pela apresentação do trabalho.
  • Identificação institucional: Logo abaixo deverá conter o nome da instituição, endereço postal, cidade e país, correio eletrônico e, se possível, telefone e fax.
  • Resumo: Os resumos devem ser em português e espanhol com no máximo 300 palavras cada. Recomenda-se que o teor do resumo contenha: objetivo do trabalho, métodos e técnicas utilizadas, resultados e discussão.
  • Palavras-chaves: Incluir até quatro (04) palavras chaves para indexação.
  • Texto do trabalho: Deve ter até 10 páginas. No texto pode utilizar elementos de organização que ajudem a melhor compreensão (subtítulos, marcadores e numeração).
  • Referência Bibliográfica: Deve obedecer as normas técnicas da ABNT.


Fonte: www.sobrade.com.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

07/12/2019 às 03:38

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


5236 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey