Facebook Twitter RSS

Evento/Curso

Versão para impressão
A-
A+


II MUTIRÃO AGROFLORESTAL
09/02 a 10/02 em Pindamonhangaba (SP) - APTA-Pólo Regional do Vale do Paraíba ? Setor de Fitotecnia/SP

As pesquisas e a transferência de tecnologias agroecológicas no Pólo Regional do Vale do Paraíba; da APTA ? Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios; ocorrem desde o ano de 2005; e foi por meio do Projeto Vitrine Agroecológica que a geração participativa e a transferência das tecnologias para o público em geral foi consolidada.

Os sistemas agroflorestais (SAFs) fazem parte dessa Vitrine e como referência, citamos o Dia de Campo e a Oficina de Sistemas Agroflorestais realizados no ano de 2010, em que 40 participantes visitaram um SAF e interagiram para o planejamento e a montagem de um módulo agroflorestal. Em 2011, o I Mutirão Agroflorestal do Vale do Paraíba reuniu um público de 30 pessoas, entre produtores rurais, pesquisadores, educadores, estudantes de um cursotécnico agropecuário, gestores ambientais de unidades de conservação, empresários e ONGs, o que fez com que a atividade fosse enriquecedora sob o ponto de vista das distintas realidades e à didática participativa que proporcionou trocas de experiências e o trabalho em equipe. Foram implantadas duas novas unidades de vivência, que podem servir de referência para a recuperação de mata ciliar e da reserva legal no Vale do Paraíba, com possibilidade de obtenção de renda ao produtor e redefinição do uso do solo, neste caso, de uma área de cultivo de pupunha abandonada convertida em SAF. 

No II MUTIRÃO AGROFLORESTAL DO VALE DO PARAÍBA, a parceria da CATI – Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, por meio da EDR de Pindamonhangaba, será valiosa pela capilaridade no meio rural das Casas de Agricultura; mobilizando e divulgando, reconhecendo e as iniciativas agroflorestais em sua região administrativa. O objetivo é articular a criação da “Rede Agroflorestal do Vale do Paraíba”, conforme solicitado pelos participantes do I Mutirão. 

A relevância dos Sistemas Agroflorestais para o Vale do Paraíba do Sul está na necessidade de se recuperar o ambiente de uma das regiões com solos mais desgastados do Brasil; por onde o ciclo do café passou deixando um quadro de empobrecimento das terras e fragmentando a Floresta Atlântica, convertida em pastagens extensivas que muitas vezes ocupam áreas ciliares, morros e encostas íngremes, onde a aptidão do solo o indicaria à preservação permanente, agroflorestas ou silvicultura. Sendo a Mata Atlântica a matriz florestal, a situação ganha tons de desastre ambiental, devido à importância desse bioma para o planeta - uma das cinco regiões mais ricas em biodiversidade; principalmente para a fauna e a população que depende das águas do rio Paraíba do Sul,atualmente assoreado, com diversas ocupações irregulares e a extração de areia ao longo de sua calha. 

Os sistemas agroflorestais podem se tornar uma das formas mais sustentáveis de restaurarmos a Mata Atlântica, convertendo o ecossistema degradado em outro, com destino e uso distintos, tornando-o produtivo com baixo uso de recursos externos e de capital. Os sistemas agroflorestais podem recuperar a capacidade produtiva dos solos reduzindo os processos erosivos, aumentando a recarga hídrica, abastecendo os aqüíferos subterrâneos, melhorando a paisagem, agregando valor a terra e conservando habitats naturais. Pode ser um dos vetores de ligação entre os fragmentos florestais remanescentes, melhorando o fluxo de animais silvestres e com isso beneficiando, também, a diversidade biológica. 

No presente momento, vimos divulgar a importância dos Sistemas Agroflorestais para a restauração ambiental no Vale do Paraíba do Sul. Participe também! 

Realização: APTA – Pólo Regional do Vale do Paraíba e CATI – EDR de Pindamonhangaba

Informações: www.apta.sp.gov.br Contato: npd-vp@apta.sp.gov.br Fone (12)3642-1823

ATENÇÃO: Vagas limitadas!

Coordenação:
- Antonio Carlos P. Devide, Pesquisador do Pólo Regional Vale do Paraíba/APTA (12) 3642-1823
- Paulo Henrique S. Queiroz, Diretor da CATI EDR de Pindamonhangaba (12) 3642-2022
- Cristina M. de Castro, Pesquisadora do Pólo Regional Vale do Paraíba/APTA (12) 3642-1823


Fonte: painelflorestal.com.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

26/01/2020 às 13:15

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


985 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey