Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


02/05/2017

Histórica safra agrícola brasileira



A histórica safra agrícola brasileira 2016/17 deve fechar entre 227,9 milhões de toneladas de grãos, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), e ou 230,3 milhões de toneladas na previsão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O que é mais importante ressaltar é que essas previsões são para ampliar as colheitas de grãos, cereais, oleaginosas, sem falar na oferta de agro energia e de outros produtos agropecuários e florestais indispensáveis às exportações do agronegócio mineiro e brasileiro.
 Muitas são as causas desse auspicioso desempenho agrícola resultante de muitos fatores aceleradores, entre os quais; mercados estimulantes, aumento do consumo de alimentos, adoção de inovações no campo e a gestão mais eficiente dos estabelecimentos rurais, porém, agregando um quinto fator externo e poderoso, que foram as condições climáticas favoráveis nos ciclos das culturas e, entre elas, as do milho e da soja responsáveis por mais de 80,0% das safras agrícolas desse país continental e também vocacionado para múltiplas culturas e criações. A safra agrícola mineira deverá atingir o recorde de 13,7 milhões de toneladas em 2016/17, de acordo com a Conab.
Além disso, bilhões de reais foram investidos pelos empreendedores rurais nos circuitos do agronegócio, sistemas agroalimentares em suas diversas etapas, que transcendem as paisagens rurais mineiras e que abrigam e somam 551.617 estabelecimentos agropecuários, segundo o Censo Agropecuário de 2006, ainda vigente. Já se passaram 11 anos e a exigir uma nova leitura estratégica no campo para o planejar, acompanhar, avaliar, corrigir e consolidar novas políticas agrícolas no País.
Há um caso emblemático, pois o Brasil reúne condições técnicas e climáticas para produzir trigo em quantidade e qualidade para o consumo interno e até exportar, num horizonte de tempo, mas importa anualmente da Argentina 50,0% do trigo, em média, para suplementar a demanda brasileira. Deve haver um acordo bilateral, à medida em que esse fato escapa à razoabilidade e ao senso comum. A dependência externa alimentar é um alerta aos governos.
Safras agrícolas abundantes têm múltiplos efeitos positivos no adotar tecnologias, produtos e serviços, bem como garantir matérias-primas às agroindústrias, desacelerar o processo inflacionário, exportar mais, aumentar o consumo de alimentos via queda de preços, e também fazer circular bilhões de reais nas zonas produtoras e nas cidades onde a agro economia é a principal fonte de recursos dos municípios. Em 2017, presume-se que o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro transite, a preços correntes, entre R$ 1,50 trilhão e R$ 1,60 trilhão. Previsão é previsão, não é cálculo matemático.
Na safra agrícola 2016/17 houve uma considerável troca de conhecimentos, pesquisas, dados e adoção de boas práticas durante os ciclos das respectivas culturas e cenários onde também circulam as informações em redes sociais e estratégicas à tomada de decisão no universo do agronegócio como ciência, prática e sustentabilidade dos recursos naturais.
Numa abordagem mais ampla, porém, convergente, no relatório Perspectivas Agrícolas 2015-2024, a FAO e a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) reconheceram que, na próxima década, o País tem potencial para se tornar o maior exportador de alimentos do mundo, posição hoje ocupada pelos EUA. De acordo com essa publicação internacional, desde 1990, a produção agrícola brasileira dobrou e a pecuária triplicou. Superar os EUA, num curto espaço de tempo, jamais será uma tarefa para amadores e analistas de plantão, otimistas, pois as mudanças se fazem por processos e nelas contidas centenas de variáveis e até poderosos interesses econômicos divergentes. Não será um passe de mágica, inclusive com uma logística operacional deficitária como a do Brasil. Segundo o Departamento de Comércio dos EUA, o PIB (nominal) norte-americano fechou o ano de 2016 com US$ 17,7 trilhões ou quase dez vezes o PIB brasileiro no ano passado que atingiu US$ 1,796 trilhão, considerando-se o dólar médio comercial de US$ 3,488.
Ora, a produção de grãos fundamenta também a produção de carnes, ovos e leite, proteínas consideradas nobres, o que também alavanca as exportações do agronegócio brasileiro e abastece o mercado interno. Em nível do agronegócio mineiro, que liminarmente integra o nacional, nos três primeiros meses de 2017, sem aprofundar em análises econômicas detalhadas, pois não é objetivo deste artigo, menos acadêmico, as vendas externas somaram US$1,9 bilhão e os principais produtos exportados foram; Café, US$ 965,8 milhões ou 51,6%; carnes, US$ 241,7 milhões; complexo sucroalcooleiro, US$ 190,7 milhões; complexo soja, US$ 220,8 milhões; e produtos florestais, US$ 141,7 milhões.
A China, Estados Unidos, Alemanha, Itália e Japão, no conjunto, foram os principais países importadores, responderam por 50,9% das exportações do agronegócio (Seapa/Mdic), que também gera 2,5 milhões de empregos diretos nos seus segmentos e dentro do território mineiro nessa pesquisa havida em 2015 (Cepea/Esalq/USP – 2015/Seapa).
É preciso compreender e salientar que somente a safra brasileira de grãos de 2016/17, 7º Levantamento da Conab, foi fundamentada em 60 milhões de hectares cultivados ou uma área contínua, por comparação, maior que a do Estado de Minas Gerais, território com 58,6 milhões de hectares.  
Além disso, a magnitude geográfica da agricultura, pecuária e do setor de base florestal, com suas singularidades, exigências e ofertas sinaliza que sem mercados atraentes, adoção de tecnologias em nível de campo, dinamismo dos sistemas agroalimentares, organização da produção, gestão eficiente e exportações aquecidas, as coisas poderiam se complicar e comprometer bilhões de dólares em investimentos públicos e privados. Entretanto, o agronegócio brasileiro tem demonstrado renovadas provas de vitalidade tecnológica e econômica numa série histórica.
Não é uma profecia acima, muito pelo contrário, apenas uma perspectiva a exigir rentabilidade econômica das culturas e criações nos domínios da comercialização por vias internas e nas exportações do agronegócio. O mercado, não raro, é enigmático e presume decifrá-lo de forma compartilhada com os atores públicos e privados. O desenvolvimento sustentável será uma obra solidária e não solitária.
Finalmente nessa limitada panorâmica brasileira, o pesquisador Eliseu Alves, ex-presidente da Embrapa e com base no Censo Agropecuário de 2006, revela que apenas 500 mil estabelecimentos rurais brasileiros, menos de 10,0% dos 5,2 milhões existentes, responderam por 87,0% do Valor Bruto da Produção (VBP) ou da Renda Bruta, e destes, 24 mil lograram 51,0% do VBP. Diante desse cenário havido em 2006, o Censo Agropecuário de 2017 poderá fazer emergir outras leituras sobre essa concentração substantiva e a exigir presumivelmente políticas agrícolas mais eficientes e acessíveis para os agricultores familiares e os médios empreendedores rurais para além de discussões e enfoques nitidamente acadêmicos, embora sejam eles indispensáveis para medir e avaliar, pois quem não mede, não avalia.


Fonte: Benjamin Salles Duarte - Engenheiro Agrônomo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/09/2017 às 06:46

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

434 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey