Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


02/02/2018

Governo cria quatro reservas particulares

Com isso, já são 673 RPPNs federais, num total de meio milhão de hectares. Durante o evento, ministro entregou 65 veículos ao ICMBio.


Instituído há pouco mais de um mês, o Dia Nacional das Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs) foi celebrado pela primeira vez nesta quarta-feira, em grande estilo. Durante evento na sede do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), em Brasília, o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, assinou certificados de criação de quatro reservas particulares (veja, mais abaixo, informações sobre elas) e entregou 65 veículos ao ICMBio. Os carros serão usados nas atividades de campo nas unidades de conservação (UCs) federais geridas pelo Instituto.

Acesse fotos

“Sou muito ligado à causa das RPPNs. Além de ampliar o conjunto de áreas protegidas, elas funcionam como alternativa econômica ao desenvolver o turismo ecológico, gerando emprego e renda e conservando a biodiversidade”, disse o ministro, ao atribuir o crescimento dessa categoria de unidade de conservação, criada por iniciativa dos proprietários de terra, ao avanço da conscientização ambiental e ao bom entrosamento entre governo e sociedade.

Com as quatro novas reservas, o Brasil passa a contar com 673 RPPNs federais, o que representa aproximadamente 500 mil hectares. Somadas às estaduais e municipais, as reservas particulares perfazem hoje um total de cerca de 1,4 mil unidades, ou 750 mil hectares de áreas protegidas nos vários biomas do país. “Esse é um verdadeiro legado para as futuras gerações”, discursou o ministro para uma plateia formada por servidores e convidados, que lotou o auditório do Instituto.



O presidente do ICMBio, Ricardo Soavinski, fez questão de destacar a simbologia do ato de criação de RPPNs. “São os proprietários que tomam a iniciativa de destinar parte de suas terras, de forma perpétua, para a implantação das reservas, para a conservação da natureza. É um ato quem vem de dentro do coração, digno de altíssimo reconhecimento”, elogiou ele, ao considerar os proprietários das reservas “parceiros” do Instituto.

Soavinski ressaltou a necessidade de aprovação pelo Congresso do projeto de lei, de autoria do deputado Sarney Filho (PV-MA), atualmente no cargo de ministro, que prevê uma série de incentivos para facilitar e ampliar a criação de RPPNs no território nacional. Ele disse, também, que o ICMBio está cada vez mais aparelhado para viabilizar a implantação das reservas particulares por meio do SIMRPPN, sistema online de atendimento aos proprietários.

Coube a Jorge Velloso, do Instituto Água Boa, da Bahia, falar em nome dos proprietários das quatro reservas criadas. Ele lembrou que o “movimento rppnista” vinha lutando há cinco anos para instituir um dia dedicado à celebração das RPPNs. “As reservas particulares precisam ser exaltadas, como estamos finalmente fazendo hoje. Além de fundamentais para conservação da biodiversidade, elas mantém a paisagem, o fluxo de fauna, entre outros benefícios”, disse ele.

O vice-presidente da Confederação Nacional das RPPNs, Lúcio Flávio, foi enfático ao defender as reservas particulares. “Muitas pessoas nem sabem o que significa a sigla. Por isso, é importante dizer que as RPPNs não são espaços apenas de conservação, mas também de produção. Elas produzem oxigênio, água, fauna e flora, enfim, elas produzem vida”. Antes de encerrar, ele convidou os presentes a participar do V Congresso Nacional de RPPNs, que será realizado em junho, em Santa Catarina.
 
CONHEÇA AS QUATRO NOVAS RPPNs

RPPN Volta Velha - Padre Piet Van Der Art – Protege área de Mata Atlântica, no norte de Santa Catarina, no município de Itapoá. Tem 285 hectares, de propriedade do casal Natanoel e Arnolda Machado. Desde 1992, a propriedade mantém no local outra RPPN, a Fazenda Palmital, com 586 hectares. As duas protegem o rio Saí Mirim, riachos com águas escuras da planície e uma floresta com árvores de cerca de 20 metros de altura. Possui centro de recepção de visitantes, trilhas e programa de educação ambiental ao ar livre. Além disso, abrirá em breve o Centro de Referência em Estudos de Florestas Costeiras, que será a nova estrutura para recepção de pesquisadores e jovens das escolas da região. As atividades turísticas geram empregos para a comunidade e biólogos, que se envolvem na execução de programas da Associação de Defesa e Educação Ambiental (Adea). A associação ajuda o gerenciamento da reserva.

RPPN Cachoeira do Andorinhão – Fica na área de transição entre o Cerrado e a Mata Atlântica no sul de Minas, no município de Cambuí (foto ao lado). Com 2,2 hectares, de propriedade de Geraldo Deforno Júnior, abriga mata nativa e espécies variadas de fauna e flora. Os atributos principais são o rio do Peixe e a Cachoeira do Andorinhão, que dá nome à RPPN. Promove visitação guiada e prepara projeto turístico com potencial de geração de emprego e renda. Pesquisadores de universidades mineiras já manifestaram interesse em conhecer o local com a intenção de realizar estudos sobre a biodiversidade.

RPPN Contendas II – Protege remanescentes do bioma Mata Atlântica, no município de Itaberá (BA), no baixo Sul da Bahia. A região sofre forte pressão de atividades econômicas, que causam desmatamento. A RPPN tem 173 hectares e é de propriedade de Ana Cristina Borges Souza e Carlos Geraldo Coelho Souza.

RPPN Sítio Lagoa – Localizada em região de transição de Mata Atlântica e Caatinga, nas serras úmidas do semiárido nordestino, no Ceará, nos municípios de Guaramiranga e Caridade, a reserva tem 70 hectares de florestas úmidas, que contribuem para a estabilidade climática e a preservação de algumas  espécies em extinção. Faz limite com um corredor de transição do semiárido do sertão, o que representa fator de vulnerabilidade de sua natureza. Desenvolve atividade turística na parte que fica em Guaramiranga, contribuindo para o desenvolvimento econômico da cidade. A sua extensão representa, aproximadamente, 20% da área total da propriedade de Yvomar-Agro e Turismo S.A.
 
SAIBA MAIS
O Dia Nacional das RPPNs está previsto na Lei 13.544, aprovada pelo Congresso Nacional e  publicada no Diário Oficial da União no dia 19 de dezembro de 2017. O objetivo da data, segundo a Confederação Nacional de RPPNs, é divulgar essa categoria de unidade de conservação e marcar o esforço que todos os proprietários de reservas empreendem em prol da preservação da natureza.
As RPPNs, ainda segundo a Confederação, são uma importante contribuição da sociedade civil para a proteção do meio ambiente, pois divide com o governo o ônus da gestão. Criadas pela iniciativa de proprietários particulares, as RPPNs têm como principal característica a conservação da diversidade biológica. Essas áreas são gravadas com perpetuidade, na matrícula do imóvel, sendo que o proprietário não perde a titularidade.
Entre as características importantes dessas unidades de conservação, estão a possibilidade da participação da iniciativa privada no esforço nacional de conservação da natureza, apresentação de índices altamente positivos na relação custo/benefício, contribuição para ampliação das áreas protegidas no país, além de promover a diversificação das atividades econômicas, criando novas oportunidades de emprego e renda na região.


Fonte: Ministério do Meio Ambiente



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

26/02/2018 às 00:49

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


130 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey