Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


07/03/2012

Goldemberg defende produção de biomassa

O especialista abriu o evento promovido pela Fapesp na manhã de terça (6).

Diante das perspectivas de crescimento da demanda mundial por automóveis, o que deve pressionar ainda mais o meio ambiente, o desafio é desenvolver tecnologia para produção de combustíveis extraídos da biomassa em substituição à gasolina. A observação partiu de José Goldemberg, especialista em energia e professor da Universidade de São Paulo (USP), na abertura do "Biota-Bioen-Climate Change Joint Workshop: Science and Policy for a Greener Economy in the context of Rio+20". O evento é promovido pela Fapesp e acontece terça (6) e quarta, em São Paulo.
 
Sob o tema 'A produção de bioenergia no contexto da Rio+20', Goldemberg informou que a produção de etanol é a única opção viável, em escala comercial, para atender a demanda atual e a futura por combustíveis. Ele destacou dados de órgãos internacionais que estimam que o número de automóveis deve saltar dos 700 milhões atuais para 2,5 bilhões de unidades em circulação no mundo em 2050. "Essa não é uma situação encorajadora", disse o especialista.
 
Para atender a demanda futura por combustíveis não poluentes, Goldemberg sugeriu o desenvolvimento da tecnologia de etanol de 2ª geração para aumentar a produtividade. Com a produção de etanol de 2ª geração, conforme calcula Goldemeberg, é possível multiplicar a produção mundial de combustíveis em mais de sete vezes. Hoje, o Brasil produz 26 bilhões de litros de combustíveis de um total mundial de 105 bilhões, número que poderia saltar para 780 bilhões de litros com a produção de etanol de segunda geração.
 
Segundo Goldemberg, hoje o Brasil utiliza quatro milhões de hectares para o plantio de cana de açúcar para a produção de etanol. Enquanto que os Estados Unidos utilizam 10 milhões de hectares, mais do que o dobro do Brasil, para o cultivo de milho para a produção do mesmo biocombustível. Neste caso, ele afirma que os americanos terão mais dificuldade para expandir a área cultivada da matéria prima para produção de etanol pela limitação física, considerando que a área cultivada hoje já é expressiva.
 
De olho na experiência brasileira, Goldemberg informou que países da Europa e o Japão perceberam que o exemplo do País de substituir a gasolina pelo etanol é a única opção viável. Dessa forma, ele afirma que esses países já começaram a misturar um percentual de álcool na gasolina.
 


Fonte: jornaldaciencia.org.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

06/06/2020 às 05:30

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1606 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey