Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


08/08/2011

Gestão como diferencial competitivo: oportunidades e desafios

A gestão eficaz das operações silviculturais permite o alcance da produtividade esperada (atingível), item essencial para o empreendimento florestal, e a certeza de que os recursos de produção estão otimizados, evitando desperdício de insumos, pessoas e equipamentos.

José Marcio Cossi Bizon - Coordenador Distrito Florestal da Fibria

Historicamente, as vantagens competitivas brasileiras em florestas plantadas, oriundas de fatores como as condições edafoclimáticas essencialmente favoráveis, o domínio da aplicação das técnicas silviculturais e o baixo custo da terra e da mão de obra eficaz permitiram que a evolução do gerenciamento das operações ficasse em segundo plano. 

 
Esses atrativos garantiram, por muitos anos, uma insuperável vantagem competitiva no mercado internacional. Com o aprimoramento de técnicas de produção de outros países, da forte especulação imobiliária, da crescente demanda interna por mão de obra e do surgimento de novos players, a vantagem brasileira reduziu consideravelmente. 
 
Os custos de formação de florestas no Brasil aumentaram significativamente nos últimos anos, em decorrência, principalmente, do investimento inicial na terra e dos custos de produção de maneira geral, incluindo serviços e insumos. A certificação florestal, focada no bom manejo das florestas plantadas e naturais, ajudou a melhorar o cenário florestal do ponto de vista técnico, ambiental, social e econômico. 
 
Com o advento da certificação florestal, problemas enfrentados no passado não mais puderam ser toleráveis, forçando, assim, as empresas do setor a buscarem uma gestão eficaz das operações, alicerçada na melhoria contínua dos processos. A produtividade florestal, explorando o viés genético (principalmente com clones), aumentou muito nas três últimas décadas, vivendo, agora, um cenário de maior interesse em aspectos relativos a rendimentos industriais. 
 
Visando reduzir custos e manter as altas produtividades florestais já conquistadas, a alternativa mais acessível passou a ser o manejo florestal, com ênfase na gestão das operações, que nos faz seguir um novo caminho para superar as adversidades impostas pelo momento político-social e econômico. 
 
É preciso que passemos a encarar o chão da floresta da mesma forma que o chão das indústrias, ou seja, como um ambiente mais integrado e organizado, parte fundamental da cadeia produtiva florestal, independentemente do segmento. Ganhos mais significativos têm ocorrido quanto ao padrão de implantação e layout dos plantios, proporcionando menor variação dentro do talhão e ciclo de colheita com idades menores.
 
A existência do controle eficaz da qualidade das operações florestais pode ser a base estruturada de um trabalho que pode gerar mais lucro, reduzir impactos ambientais e otimizar profissionais e equipamentos. A experiência da Fibria tem mostrado que a implantação de um sistema eficaz de monitoramento e controle de qualidade de operações silviculturais pode refletir em ganhos financeiros entre 10-20%. 
 
É fundamental estruturar uma gestão diferenciada e indutora de transformação efetiva rumo à melhoria contínua dos processos e não somente investir em equipamentos de alta performance e controle. 
 
Muita atenção deve ser dada a esse sistema de gestão robusta, focada no dia a dia, pois “pular etapas sem fazer a lição de casa” será um caminho para o fracasso ou para a manutenção de rumos ultrapassados, trilhados até o momento que antecedeu a crise recente, a qual foi enfrentada heroicamente pelo setor florestal. 
 
Florestas plantadas de alta produtividade não toleram atrasos e falhas de recomendação técnica. Todo o trabalho florestal, desde a produção das mudas, implantação e manejo da floresta, necessita de mão de obra especializada. Grandes resultados financeiros somente serão alcançados com pessoas devidamente treinadas, recompensadas e valorizadas. 
 
Como enfrentaremos a escassez de mão de obra, que será crescente nos próximos anos? Esse talvez seja o principal desafio a ser vencido em um futuro que já começou.


Fonte: revistaopinioes.com.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/02/2019 às 06:07

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas

COLHEITA DE CHUVAS NO CAMPO


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1877 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE   |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey