Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


26/03/2014

Fibria desenvolve tecnologia para a produção e plantio de eucalipto

A Fibria desenvolveu uma nova tecnologia para o plantio de eucalipto. Trata-se dos tubetes degradáveis, embalagens feitas de celulose que servem para armazenar as mudas até que sejam transportadas e plantadas no campo. Uma vez inseridos no solo, os tubetes se decompõem naturalmente.

Fibria: tubetes degradáveis para produção de mudas.

O novo material vem sendo utilizado na Unidade Florestal Capão Bonito desde o segundo semestre do ano passado. A expectativa é de reduzir 30 dias no ciclo de produção das mudas por meio do uso desta tecnologia.

 

"A bobina de papel é esticada e moldada na forma de um cilindro de 10 cm de altura. Ao mesmo tempo, eles são preenchidos com adubos e as mudas são plantadas", explica o supervisor de operações florestais da Fibria, Flávio Tedesco.

 

Só em 2013 foram geradas aproximadamente 600 mil mudas; dessas, cerca de 200 mil foram introduzidas no campo e as demais estão em crescimento no viveiro. A meta para 2014 é produzir 2 milhões de mudas por meio dos tubetes degradáveis.

 

A técnica começou a ser desenvolvida pela empresa em 2005 e o projeto piloto foi realizado na Unidade Três Lagoas (MS). Na época foram constatadas algumas vantagens em relação às embalagens tradicionais utilizadas no processo, que eram feitas de plástico. “A decomposição do papel é mais rápida e na hora de fazer a expedição para o campo a muda fica mais protegida e fácil de continuar o seu crescimento no solo”, explicou Tedesco.

 

Além de tornar o processo mais limpo, os tubetes degradáveis também contribuem para reduzir as perdas e o uso de defensivos agrícolas para o controle de doenças nas mudas. Há também um ganho no desenvolvimento das florestas que poderá ser sentido nos próximos três anos.

 

Os resultados da pesquisa também revelam que as mudas atingem enraizamento acima da média e redução do ciclo operacional do viveiro, com tempo menor de formação; ganho em produtividade na seleção e expedição, com eliminação da atividade de retirada das embalagens (desentubetamento); ganho em qualidade final com redução do descarte por problemas no sistema radicular e eliminação de perdas ocorridas em campo devido à movimentação das mudas.


Fonte: SIF, com informações de Fibria releases, 26/03/2014



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/09/2020 às 21:40

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2946 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey