Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


12/11/2010

Fibria considera usar recurso para refinanciar dívida

A atual postura da fabricante de celulose e papel é de avaliar o mercado, e, caso sejam identificadas vantagens, a companhia pode usar o recurso.

 A atual postura da fabricante de celulose e papel é de avaliar o mercado, e, caso sejam identificadas vantagens, a companhia pode usar o recurso. "Havendo uma janela interessante e com condições favoráveis, pode ser que a gente venha a emitir", disse o diretor financeiro da companhia, João Elek. 

O diretor descartou, no entanto, emissão de equity, que segundo ele, não está no radar da empresa no curto prazo. Apesar disso, o executivo destacou que a atual geração de caixa da Fibria tem "total capacidade" para comportar sua dívida. 

Ao fim de setembro, a dívida líquida da companhia era estimada em R$ 10,1 bilhões, o que corresponde a uma queda de 21% sobre o mesmo período do ano passado. O prazo médio para pagamento foi alongado para 75 meses, ante 52 meses previstos em setembro de 2009. 
A redução da dívida, segundo o Elek, é consequencia da elevada geração de caixa no último ano, que contribuiu também para redução do crescimento. O índice de solvência, medido pela divisão entre a dívida líquida e o lajida (aproximação do fluxo de caixa) dos últimos 12 meses, alcançou o patamar de 3,9 vezes no terceiro trimestre, ante 7,2 vezes no mesmo período do ano passado. 
Atualmente a Fibria está definindo seu plano de investimentos para 2011. A projeção, segundo Elek, é de que o montante seja maior do que o capital de R$ 1,2 bilhão deste ano. 
 
Dividendos 
 
A Fibria - resultado da união de VCP e Aracruz, após perdas da segunda com derivativos durante a crise financeira internacional -, não paga dividendos aos acionistas desde que foi criada, em 2009. 

Mas uma assembléia prevista para o ano que vem pode mudar essa política. Segundo o diretor financeiro da companhia, nessa reunião, que acontecerá até 30 de abril, será definida o destino dos resultados do ano: ou pagamento de dividendos, ou a continuidade da retenção para rendimentos. "Em 2010, nossa margem está alta, com boa produtividade, crescimento da planta industrial, então o assunto vem à tona", comentou.


Fonte: Invista com Valor Adaptado por Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

24/06/2019 às 11:35

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1722 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey