Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


08/08/2011

FAO analisa Pagamentos por Serviços Ecossistêmicos e segurança alimentar

A Organização para Agricultura e Alimentação (FAO) lançou uma publicação intitulada “Pagamentos por Serviços Ecossistêmicos e segurança alimentar”, no qual examina o papel do PSE na agricultura, a relevância das medidas agroambientais da Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OCED) para os PSEs, oportunidades e brechas na sua implementação e outras áreas para investigação.

O relatório inclui estudos de caso envolvendo PSEs, como a eco-certificação no Quênia, agroflorestas de borracha na Indonésia, melhoria dos recursos hídricos no Equador, etiquetagem da paisagem na Índia, esquemas comunitários para preservação florestal e controle de sedimentos no Nepal, entre outros.

Os serviços ecossistêmicos são bens de todos, porém como realmente não pertencem a ninguém, geralmente existem muito poucos incentivos para preservá-los. Os PSEs pretendem preencher este vazio ao criar novos ambientes de mercado para serviços como seqüestro de carbono, conservação da biodiversidade, proteção dos recursos hídricos e valores da paisagem.
 
No conceito mais aceito de PSEs, Wunder (2005) diz que é uma transação voluntária onde um serviço ecossistêmico (SE) bem definido é “comprado” por no mínimo um ‘comprador’ de no mínimo um ‘fornecedor’ se, e apenas se, o último continuamente garantir a provisão do SE.
 
Apesar do setor privado estar se envolvendo cada vez mais nos esquemas de PSEs, o principal comprador ainda é o setor público, que pode arrecadar fundos em nível nacional e internacional e agir em nome da sociedade civil para preservar SEs e incentivar a sustentabilidade, demonstrou a FAO.
 
Um exemplo apresentado pelo relatório vem da África. Ao redor do Monte Quênia, atualmente várias iniciativas estão florescendo visando a restauração dos SEs e garantia da oferta de água na bacia hidrográfica.
 
Duas iniciativas de eco-certificação apoiadas pela UTZ-certified (café) e Rainforest Alliance (chá) recompensam os agricultores pela proteção ambiental através da conservação do solo e água, prevenção da poluição hídrica, proteção das margens dos rios e plantio de árvores. Aproximadamente 10% dos agricultores de café e todos os produtores de chá na bacia estão recebendo recompensas pela venda de café e chá certificados.
 


Fonte: Carbono Brasil



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/09/2019 às 11:57

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2385 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey