Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


18/01/2009

Estudo demonstra potencial de palmeira amazônica

Estudo demonstra potencial de palmeira amazônica para produção de biodiesel Inajá rende mais de 3.500 litros de óleo por hectare ao ano. Planta é comum em áreas desmatadas de Roraima

Estudo demonstra potencial de palmeira amazônica para produção de biodiesel

Inajá rende mais de 3.500 litros de óleo por hectare ao ano. Planta é comum em áreas desmatadas de Roraima

A palmeira inajá, nativa da Amazônia, é uma alternativa promissora para a produção de biodiesel, mostra estudo realizado pelo engenheiro agrônomo Otoniel Duarte, da Embrapa de Roraima.

“O grande mérito da pesquisa é que há um potencial [desta planta] muito grande que não se conhecia”, comemora o pesquisador. Pelos cálculos de Duarte, se plantada com 6 metros de distância entre cada pé, a espécie pode render mais de 3.500 litros de óleo por ano por hectare (área semelhante à de um campo de futebol), quando selecionadas mudas de plantas mais produtivas.

O dendê, planta semelhante, mas originária da África, após quase 60 anos de melhoramento pelo homem, produz cerca de 5 mil litros. Segundo Duarte, a comparação entre as duas espécies demonstra o grande potencial do inajá, que tem a vantagem de já estar adaptado ao solo pobre da Amazônia. “O dendê precisa de forte adubação”, comenta.

Outra vantagem da palmeira amazônica é que, por ser nativa, ela serve de alimento para aves e mamíferos da floresta, ou seja, se for plantada em escala, pode ajudar a conservar espécies animais.

O inajá precisa de luz para se multiplicar. Por isso, ele se prolifera em áreas desmatadas pelo homem. Para o agricultor com menos recursos e maquinário para limpar o terreno, ele é uma praga que invade a roça. Com a descoberta de Duarte, no entanto, pode se tornar uma interessante alternativa de ganho. Os criadores de gado da Região Norte costumam deixá-lo crescer em pastos, já que proporciona sombra e alimento aos bois.

A espécie é mais comum em Roraima, onde Duarte desenvolveu sua pesquisa. “Mas ela existe e poderia ser cultivada em toda a Bacia Amazônica”, explica o engenheiro agrônomo. Uma vantagem de seu cultivo é o fato de não ter espinhos, o que facilita a colheita, feita com técnica idêntica à do dendê.

Para verificar a produtividade da palmeira, Duarte analisou dez áreas de 1 hectare cada com inajás. Seu trabalho virou tese de doutorado no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), em Manaus. O próximo passo, aponta o cientista, é aprofundar a pesquisa em busca de exemplares mais produtivos e de um sistema de produção que possa ser aplicado comercialmente.


Fonte: www.florestavivaextrativismo.org.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/10/2019 às 23:23

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1361 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey