Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


29/10/2009

Estudo Analisa Papel das Empresas no Desmatamento

Fundação inglesa mapeia a produção da soja, óleo de palma e outras commodities para mostrar às companhias os riscos associados à pegada florestal de seus negócios e convencê-las a agirem com responsabilidade ambiental

 O que uma grande companhia aérea européia tem a ver com o desmatamento na Amazônia? Provavelmente muito, já que há grandes chances de o frango que é servido a bordo ter sido alimentado com soja que, muito possivelmente, veio de plantações brasileiras que contribuíram para a destruição de mata nativa. 

Indivíduos e empresas contribuem para o desmatamento muitas vezes sem saberem disto, pois tais conexões da origem da matéria-prima até o produto que chega aos consumidores nem sempre são fáceis de serem feitas.

“Se de um lado os países ricos dizem para parar o aquecimento global dando dinheiro para conter o desmatamento nos países pobres, por outro lado é o próprio mercado destes países que está incentivando a derrubada das florestas”, afirma o coordenador de campanhas da Global Canopy Foundation, Niki Mardas.

Junto com medidas de controle e fiscalização dos governos em solo e incentivos financeiros para manter as áreas de preservação ambiental bem cuidadas, identificar esta pegada florestal e, depois, reduzi-la é um passo crucial para proteger as florestas.

Por esta razão, a ONG inglesa Global Canopy Foundation se propôs a analisar a produção das cinco commodities chaves no processo de desmatamento – soja, carne bovina (e couro), madeira, óleo de palma e biocombustíveis – para mostrar às empresas o quanto seus negócios contribuem para a destruição das florestas, no chamado projeto Forest Footprint Disclosure (FFD).

“Nosso objetivo é ajudar os negócios a entender e medir sua pegada florestal. Só depois eles poderão lidar com ela”, explica Mardas.

Segundo o estudo, estimados 32% da soja brasileira são exportadas para a Europa e tem como destino principal a alimentação de rebanhos de aves ou porcos, por exemplo. Entre 1999 e 2004, a produção de soja na região da Amazônia cresceu 15% ao ano, com a safra de 2004/05 produzindo 50 milhões de toneladas sobre 23 milhões de hectares – uma área do tamanho do Reino Unido.

Outro exemplo vem do óleo de palma, que é considerado um ‘super produto’ pela sua alta versatilidade, já que serve para fazer desde pasta de dente e chocolates até sopas e cereais. Praticamente 10% do que está nas prateleiras dos mercados europeus contém óleo de palma. Mais de 80% das 42 milhões de toneladas produzidas em 2007 mundialmente vieram da Indonésia e Malásia.  Entre 1990 e 2005, mais da metade da expansão nestes países ocorreu na conversão de matas nativas e turfas.

 “A demanda global por commodities pode ser considerado o principal fator que sozinho mais contribui para o desmatamento”, afirma Mardas. 

A instituição está trabalhando com mais de 200 empresas listadas no Fortune 500 e no FTSE 350, que reúnem as maiores do mundo, com grande potencial de impacto sobre as florestas na sua cadeia de suprimento.  Companhias como Adidas, British Airways, Kingfisher e Sainsbury são algumas das que já se comprometeram a fornecer informações e reduzir este impacto.

Para convencê-las, a Global Canopy Foundation mostra os três grandes riscos para as empresas caso elas mantenham seus negócios como estão hoje: reputação; regulação, uma vez que o número de países que criam leis para proteger as florestas é crescente, e continuidade do próprio negócio, já que a destruição de ecossistemas a longo prazo inevitavelmente irá impactar os serviços ambientais, como a água, que são essenciais para a produção da matéria-prima .

“Elas precisam olhar para a pegada florestal pelo seu próprio interesse, não apenas para o bem do planeta”, comenta.

A iniciativa recebeu o apoio de 26 gestores de fundos, com ativos financeiros da ordem de US$ 2,9 trilhões, que estão observando o comportamento das empresas que respondem aos questionários com informações sobre sua cadeia de suprimento. Em janeiro, será publicado um relatório com os dados coletados juntos a todas estas companhias.

Políticas públicas e incentivos financeiros

Mesmo sendo uma parte importante da solução para o problema do desmatamento, cobrar apenas das empresas ações de responsabilidade não será suficiente para preservar as florestas.

Mardas sugere que é preciso atuar em três frentes: oferecer opções econômicas para quem desmata parar de fazê-lo (com o pagamento pelo desmatamento evitado, por exemplo), colocar em ação medidas fortes de comando e controle por parte dos governos nacionais e promover mudanças na cadeia de suprimento das empresas, pressionando o mercado para ser mais responsável, com a criação de taxas por exemplo.

“Temos que reconhecer que os indutores do desmatamento são extremamente complicados e variam de regiões para regiões, áreas para áreas, mesmo entre lugares muito próximos”, comenta.

A opinião é compartilhada pelo economista Sven Wunder, pesquisador do Centro Internacional de Pesquisas Florestais (CIFOR, na sigla em inglês), que defende uma abordagem conjunta. “Colocar um imposto sobre as commodities é politicamente possível, mesmo que as pessoas não gostem, elas têm que participar das perdas”, afirma. Porém, Wunder ressalta que nem todos os mercados estão conscientes disso e, por isso, as pessoas ainda não estão dispostas a pagar um preço mais alto em nome da sustentabilidade. 

O diretor do Serviço Florestal Brasileiro, Antonio Carlos Hummel, lembra que medidas empregadas pelo governo brasileiro nos últimos anos para controlar o desmatamento ajudaram bastante a reduzir as altas taxas históricas, apesar de admitir que o número ainda é elevado.

Entre elas, ele cita a suspensão de atividades de manejo em terras públicas sem regularização fundiária, que levaram a mudança da legislação sobre concessão por exemplo; criação de áreas de preservação no Arco do Desmatamento; descentralização da gestão florestal, melhorando o monitoramento e fiscalização, e acordos como a Moratória da Soja, ‘Boi Pirata’ e da madeira no Pará.  “A queda do desmate é apontada como causada pela crise, mas se você for até a região da Amazônia, 90% dos madeireiros vão dizer que é por causa do controle”, afirma. 


Fonte: Carbono Brasil. Por Paula Scheidt



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

19/03/2019 às 16:54

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1569 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE   |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey