Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


03/03/2016

Especial: Logística Reversa por Renato Binoto*

No fluxo reverso, Papel vira papel. Nos bastidores, precisamos de menos papelão

Foto ilustrativa - Google
 O brasileiro ainda encara o fluxo reverso apenas como obrigatoriedade ambiental. Por outro lado, já podemos acompanhar a evolução entre vários países que do fluxo reverso e estrutura de trabalho correta, fazem da reciclagem e reuso um grande diferencial competitivo, gerando empregos e, consequentemente, a minimização ou mesmo em alguns casos a eliminação do impacto ambiental.

O que mais pesa na balança brasileira é o potencial de alguns materiais que possuem economia circular, e os mesmos não são aproveitados como deveriam, ou seja, ao invés da reciclagem e reuso, vão para aterro sanitário, ou mesmo para lixões a céu aberto, o que ainda é uma realidade brasileira. Em muitos dos casos, devido à falta de beneficiamento fiscal e fluxo de coleta para indústria, por mais que se colete todo resíduo gerado pela sociedade e indústria, não teríamos indústrias de transformação para absorção deste material gerado. Afinal, sem beneficiamento fiscal e estrutura de coleta adequada, não se viabiliza o reciclo ou reuso devido ao custo de coleta, transformação e taxa de imposto. Ou seja, o empresário do setor fica sem margem de lucratividade para atuar.

Em se tratando do potencial sobre o papel, é o que acontece. Segundo dados da Associação Nacional de Aparistas de Papel – ANAP, esse material possui um grande potencial de fluxo reverso, sendo: papéis, cartões, cartolinas e papelões, provenientes de rebarbas e artefatos desses materiais, de pré ou de pós-consumo. Essas rebarbas e artefatos são gerados principalmente por atividades industriais e comerciais diversas. Em menor quantidade, têm origem em residências e outros locais e possuem vantagens competitivas quanto às fibras virgens, como preço médio menor, garantia de disponibilidade em tempos de escassez de celulose e economia do volume da matéria-prima principal. Porém, em se tratando de viabilidade de coleta e transformação, é o que impacta o travamento do setor.

No ato do reciclo, a economia detectada é a de energia elétrica. Na produção de uma tonelada de papel virgem, incluindo o processo de transformação da madeira em polpa celulósica, o consumo é de 7600 quilowatts, enquanto que na produção de uma tonelada de papel reciclado o consumo é de 480 quilowatts, ou seja, há uma economia de 7120 quilowatts, que corresponde a 93,7%. Economia mais do que expressiva. Registre-se também a economia no uso de água e produtos químicos (não utilizados no processo) para transformar o papel e aparas pós-consumo em fibra reciclada, por meio do hidrapulper, uma espécie de liquidificador industrial.

Entretanto, o preço do papel reciclado, como de qualquer outro produto fabricado através de materiais reciclados, não se forma apenas pelo preço da matéria-prima, mas também pela coleta, impostos, mão de obra e reprocesso. Estamos vivendo um momento interessante no Brasil, em se tratando da Lei 12305 – Politica Nacional de Resíduos Sólidos, que nos traz a responsabilidade compartilhada e consequentemente os acordos setoriais, onde um dos mesmos é sobre obrigatoriedade de coleta de embalagens, logicamente se enquadrando papel.

Por outro lado, cabe ao setor da indústria discutir as tratativas legais em se tratando de coleta e beneficiamento para reciclagem e reuso com isenção fiscal para viabilidade do ciclo de coleta. Uma cadeia reversa de pós-consumo só se torna viável com integração entre sociedade, organização pública e indústria.

*Renato Binoto é Especialista em Logística Reversa, professor do MBA Executivo em Logística de Distribuição e Produção do Instituto de Pós-Graduação e Graduação (IPOG), ipog.edu.br.


Fonte: Por ARTIGO ESPECIAL DO SETOR - CELULOSE ONLINE



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

22/09/2019 às 06:04

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2250 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey