Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


20/09/2010

Empresas se unem para promover o uso dos cartões no país

Gráficas e fabricantes de papel-cartão, utilizado sobretudo em embalagens de alimentos, cosméticos e higiene e limpeza, deram uma trégua no debate em torno de temas que têm colocado fornecedor e consumidor em lados opostos, como a alíquota de importação do produto, e uniram forças para promover o uso dos cartões no país.

Gráficas e fabricantes de papel-cartão, utilizado sobretudo em embalagens de alimentos, cosméticos e higiene e limpeza, deram uma trégua no debate em torno de temas que têm colocado fornecedor e consumidor em lados opostos, como a alíquota de importação do produto, e uniram forças para promover o uso dos cartões no país. O programa, recém-lançado pela Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf) em parceria com a Associação Brasileira de Celulose e Papel (Bracelpa), prevê a divulgação do papel-cartão como matéria-prima flexível para a elaboração de diferentes formatos de embalagens, veículo de marketing e, principalmente, produto sustentável. "Trata-se de uma das poucas embalagens com certificação ao longo de toda a cadeia, das florestas à gráfica", ressalta o diretor setorial do Grupo Empresarial de Embalagens da Abigraf, Sidney Anversa Victor.

Constituído há dois meses, o grupo de embalagem de papel-cartão entra em ação em um momento peculiar para a indústria. Diante da crise financeira, que fez minguar as encomendas de embalagens nos primeiros meses de 2009, tanto fabricantes de cartões quanto gráficas e clientes finais trabalharam com estoques mínimos do produto. A partir de meados do ano passado, as empresas foram surpreendidas pelo aquecimento das vendas de bens de consumo e promoveram uma corrida por esses itens, o que gerou nervosismo no mercado. Como resultado, as fabricantes da matéria-prima esticaram prazos de entrega, gráficas receberam pedidos além do esperado e o temor de eventual desabastecimento rondou os clientes finais. Ambas as entidades garantem que não há risco de falta do produto e não se intimidaram com o cenário, lançando um programa de divulgação que deverá repercutir em vendas adicionais.

Segundo dados da Bracelpa, as vendas domésticas de papel-cartão somaram 334 mil toneladas de janeiro a julho, uma alta de 28,5% na comparação com igual intervalo de 2009. Em relação ao mesmo período de 2008, quando o mercado ainda não havia sido afetado pela crise econômica, o crescimento é mais modesto, da ordem de 8%. Ainda assim, segundo as fabricantes de papel-cartão, trata-se de volume significativo de vendas. "Acreditamos que até o fim do ano, as vendas devem crescer 9% se olharmos os números de 2008", afirma o diretor de Estatística e Produto da Bracelpa, Pedro Vilas Boas. A previsão de desempenho está alinhada à da indústria gráfica, que em 12 meses até junho registrou incremento de 5% na produção, abaixo do verificado pela indústria em geral (6,5%).

De acordo com Victor, da Abigraf, o parque gráfico nacional está apto a atender a demanda crescente. "O mercado está muito instável neste momento e isso torna complicadíssimo o planejamento. Mas temos capacidade para suportar um bom período de vendas crescentes", diz. Na avaliação de Vilas Boas, da Bracelpa, o mercado doméstico de papel, de modo geral, deverá mostrar crescimento vegetativo de 3% ao ano, em linha com a taxa média história de expansão verificada desde 2000. No caso específico do papel-cartão, ressalta, há inclusive intenção de novos investimentos - a Klabin, que recentemente investiu mais de R$ 2 bilhões em uma máquina de cartões com capacidade para 350 mil toneladas, está estudando a colocação de uma nova linha, também em Telêmaco Borba (PR). "Não existe cenário de desabastecimento", enfatiza.

A discussão sobre capacidade de oferta e demanda por papel-cartão trouxe à tona um antigo tema de embate entre papeleiras e gráficas: a alíquota de 14% para importação do produto. Conforme a Abigraf, sob as condições atuais, é inviável importar papel-cartão. "O custo é alto, os prazos para entrega são maiores e há alguns problemas de qualidade, sobretudo com produtos asiáticos", conta Victor. "Ainda assim, se a alíquota de importação fosse menor, haveria possibilidade de incrementar a oferta de cartão no mercado interno." Dados da Bracelpa apontam que as importações de papel-cartão recuaram 5% no acumulado de janeiro a julho, para 19 mil toneladas.

Discussão à parte, as entidades estão alinhadas em divulgar os benefícios da embalagem de papel-cartão. "Na gôndola do supermercado, a embalagem equipara os produtos de pequenas e grandes empresas", ressalta Victor, da Abigraf. "E não faltará cartão", acrescenta Vilas Boas.


Fonte: Valor Econômico/Adaptado por Celulose Online



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

30/09/2020 às 04:29

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1790 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey