Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


13/01/2015

Empresas de celulose 'seguram' novos projetos e priorizam saúde financeira

As empresas de papel e celulose vão focar na redução de seu endividamento em 2015, reduzindo investimentos em expansão.

A Klabin cancelou qualquer grande investimento até a conclusão do projeto Puma, que consumirá R$ 3,4 bilhões do total de R$ 4,08 bilhões que a empresa pretende investir neste ano. Já a Suzano destinará 70% de seu investimento, de R$ 1,5 bilhão, à manutenção. Apesar de investir R$ 1,69 bilhão, alta de 5% sobre 2014, a Fibria adiou a decisão sobre sua nova fábrica em Três Lagoas (MS).

Para o analista do setor de papel e celulose do BB Investimentos, Victor Penna, o cenário está mais desafiador, já que os grandes projetos entrarão em operação no curto prazo. "Não há por que partir para novos investimentos além daqueles já aprovados, porque a pressão de custos está maior". Segundo Penna, existe ainda a inflação sobre matéria-prima e equipamentos, e o câmbio volátil, que desafia a definição de um orçamento para novos projetos.

Reduzir a exposição ao câmbio e a alavancagem (dívida em relação ao Ebitda - lucro antes de juros, tributos, depreciações e amortizações) é o principal objetivo da Suzano. "O foco é a desalavancagem e não terá projetos orgânicos enquanto (o índice de alavancagem) não cair para 2,5 vezes", disse o presidente da empresa, Walter Schalka, em reunião com analistas e investidores, em novembro. Hoje, a alavancagem da Suzano está em 4,5 vezes. No fim do terceiro trimestre, a dívida líquida atingiu R$ 9,777 bilhões, pressionada pela alta de 11% do dólar no período.

Ao chegar à Suzano, em 2013, Schalka cancelou todos os novos investimentos - orientação que deve ser mantida agora. O último grande investimento da empresa em expansão foi a unidade de Imperatriz, no Maranhão, inaugurada em 30 de dezembro de 2013, fruto de um investimento de US$ 2,4 bilhões.

A Klabin também interromperá investimentos nos próximos anos diante do endividamento. A dívida líquida total subiu 12% em 2014, para R$ 4,028 bilhões, e a alavancagem era de 2,4 vezes no terceiro trimestre, contra 1,7 vez no segundo trimestre. Segundo o diretor-geral Fábio Schvartsman, projetos serão retomados apenas após a conclusão do Projeto Puma, previsto para março de 2016.

Captação

Para Carlos Farinha e Silva, vice-presidente da consultoria Pöyry, as empresas precisam recuperar a saúde financeira depois de ter realizado grandes projetos. A meta é manter o acesso ao crédito. Farinha menciona que a Fibria, por exemplo, trabalha para manter o grau de investimento e, assim, continuar a captar no mercado internacional.

Recentemente, a companhia concluiu um empréstimo sindicalizado no exterior de US$ 500 milhões, com prazo médio de cinco anos. A oferta chegou a US$ 680 milhões, mas a companhia optou por permanecer em US$ 500 milhões, já que era o montante necessário para trocar dívidas mais caras, segundo o diretor de finanças e relações com investidores da empresa, Guilherme Cavalcanti. Ele destacou que a operação permitiu a Fibria de uma economia de mais de US$ 8 milhões ao ano a partir de 2015.

Ao fim do período de julho a setembro deste ano, a alavancagem da Fibria caiu para 2,7 vezes, contra 3 vezes no mesmo período do ano passado. A dívida líquida também recuou, 11%, para R$ 7,313 bilhões. Mesmo assim, a empresa ainda não "destravou" a ampliação de sua capacidade em Três Lagoas (MS). Os investimentos de R$ 1,69 bilhão da companhia serão usados principalmente para modernização da empresa, compra de madeira e renovação florestal.

A decisão sobre Três Lagoas (MS), antes prevista para o fim de 2014, ainda não foi tomada. A companhia informou que o conselho de administração deve discutir o tema ainda no primeiro trimestre. A nova unidade adicionaria 1,75 milhão de toneladas de capacidade à unidade da Fibria que já produz 1,3 milhão de toneladas ao ano. Colaborou Altamiro Silva Júnior, correspondente em Nova York. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Fonte: Madeira Total



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/04/2019 às 10:24

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


900 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey