Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


02/07/2009

Empresas de Celulose Perdem 50% de Seu Valor

Apesar dos dias mais tranquilos na bolsa de valores, ainda há investidores que não conseguiram digerir as perdas com o mercado acionário. Levantamento feito pela Economática, empresa de informações financeiras, mostra que as empresas de papel e celulose perderam quase a metade do valor de mercado - 49,29% - de 1º de setembro até ontem.

Apesar dos dias mais tranquilos na bolsa de valores, ainda há investidores que não conseguiram digerir as perdas com o mercado acionário. Levantamento feito pela Economática, empresa de informações financeiras, mostra que as empresas de papel e celulose perderam quase a metade do valor de mercado - 49,29% - de 1º de setembro até ontem. A segunda maior perda ocorreu no setor de veículos e autopeças, com -37,19%, seguido por siderurgia e metalurgia, com -26,49, e construção, com -25,64%.Com os maiores ganhos, estão as empresas de software e dados (alta de 15,70%) e instituições de intermediação de crédito (14,36%). Como têm pouca representatividade na bolsa, não chegam a ser parâmetro. Os outros setores, esses sim com maior liquidez, foram o de minerais não metálicos (10,27%) e energia elétrica (4,47%).

Os setores que arrastam um desempenho ruim nos últimos noves meses, apesar de darem algum sinal de recuperação, continuam na berlinda para quem acompanha o dia a dia dos papéis. Leonardo Alves, analista da corretora Link , acredita que a melhora desses segmentos ainda está no começo, por isso é melhor ter cautela. "A recuperação das vendas das siderúrgicas por enquanto é gradual. As medidas do governo para reativar o mercado interno já começaram a surtir algum efeito, mas não se pode esperar nada muito rápido", diz.

A queda nos papéis de papel e celulose, explica Alves, foi puxada principalmente pelos problemas cambiais da Aracruz, que perdeu US$ 2 bilhões com derivativos. A VCP, que havia feito uma oferta de compra da empresa antes de o problema ocorrer, teve de manter o preço oferecido pela empresa e também viu o valor dos papéis despencar.

Felipe Casotti, gestor de renda variável da Máxima Asset, diz que a crise abalou principalmente os papéis relacionados a commodities, como minério de ferro. No caso da construção, houve uma paralisia depois da onda de quebradeira de bancos nos Estados Unidos e a ameaça de desemprego. Quem pôde fugiu do endividamento. "Apesar da recuperação forte de alguns papéis, como da Gerdau e da Usiminas, o momento ainda é de cautela porque a demanda anda pouco aquecida", argumenta.

Analista da corretora Geração Futuro, Rafael Weber avalia que ainda seja cedo para uma aposta certeira: "A melhora ainda é lenta Só vai ser possível ter mais clareza sobre o cenário em 2010".

Para o analista do Fator Corretora, Eduardo Silveira, já é possível observar com mais atenção alguns segmentos da economia, mas sem abrir mão da prudência. É o caso da construção civil, alavancada pelo programa federal "Minha Casa, Minha Vida". "Mas não é possível afirmar que o valor das ações chegará aos níveis anteriores à crise", pondera Silveira.

José Góes, economista da corretora Alpes, prefere esperar por dados econômicos que indiquem a recuperação consistente da economia. "Todos esses setores que tiveram queda são bem colocados no Brasil. O Brasil tem vantagem comparativa em mineração e siderurgia, por exemplo. Nesta fase ruim podem surgir oportunidades de eliminar concorrentes e ganhar mercados", opina.


Fonte: O Estado de São Paulo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

03/08/2020 às 08:36

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1886 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey