Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


02/07/2009

Empresas de Celulose Perdem 50% de Seu Valor

Apesar dos dias mais tranquilos na bolsa de valores, ainda há investidores que não conseguiram digerir as perdas com o mercado acionário. Levantamento feito pela Economática, empresa de informações financeiras, mostra que as empresas de papel e celulose perderam quase a metade do valor de mercado - 49,29% - de 1º de setembro até ontem.

Apesar dos dias mais tranquilos na bolsa de valores, ainda há investidores que não conseguiram digerir as perdas com o mercado acionário. Levantamento feito pela Economática, empresa de informações financeiras, mostra que as empresas de papel e celulose perderam quase a metade do valor de mercado - 49,29% - de 1º de setembro até ontem. A segunda maior perda ocorreu no setor de veículos e autopeças, com -37,19%, seguido por siderurgia e metalurgia, com -26,49, e construção, com -25,64%.Com os maiores ganhos, estão as empresas de software e dados (alta de 15,70%) e instituições de intermediação de crédito (14,36%). Como têm pouca representatividade na bolsa, não chegam a ser parâmetro. Os outros setores, esses sim com maior liquidez, foram o de minerais não metálicos (10,27%) e energia elétrica (4,47%).

Os setores que arrastam um desempenho ruim nos últimos noves meses, apesar de darem algum sinal de recuperação, continuam na berlinda para quem acompanha o dia a dia dos papéis. Leonardo Alves, analista da corretora Link , acredita que a melhora desses segmentos ainda está no começo, por isso é melhor ter cautela. "A recuperação das vendas das siderúrgicas por enquanto é gradual. As medidas do governo para reativar o mercado interno já começaram a surtir algum efeito, mas não se pode esperar nada muito rápido", diz.

A queda nos papéis de papel e celulose, explica Alves, foi puxada principalmente pelos problemas cambiais da Aracruz, que perdeu US$ 2 bilhões com derivativos. A VCP, que havia feito uma oferta de compra da empresa antes de o problema ocorrer, teve de manter o preço oferecido pela empresa e também viu o valor dos papéis despencar.

Felipe Casotti, gestor de renda variável da Máxima Asset, diz que a crise abalou principalmente os papéis relacionados a commodities, como minério de ferro. No caso da construção, houve uma paralisia depois da onda de quebradeira de bancos nos Estados Unidos e a ameaça de desemprego. Quem pôde fugiu do endividamento. "Apesar da recuperação forte de alguns papéis, como da Gerdau e da Usiminas, o momento ainda é de cautela porque a demanda anda pouco aquecida", argumenta.

Analista da corretora Geração Futuro, Rafael Weber avalia que ainda seja cedo para uma aposta certeira: "A melhora ainda é lenta Só vai ser possível ter mais clareza sobre o cenário em 2010".

Para o analista do Fator Corretora, Eduardo Silveira, já é possível observar com mais atenção alguns segmentos da economia, mas sem abrir mão da prudência. É o caso da construção civil, alavancada pelo programa federal "Minha Casa, Minha Vida". "Mas não é possível afirmar que o valor das ações chegará aos níveis anteriores à crise", pondera Silveira.

José Góes, economista da corretora Alpes, prefere esperar por dados econômicos que indiquem a recuperação consistente da economia. "Todos esses setores que tiveram queda são bem colocados no Brasil. O Brasil tem vantagem comparativa em mineração e siderurgia, por exemplo. Nesta fase ruim podem surgir oportunidades de eliminar concorrentes e ganhar mercados", opina.


Fonte: O Estado de São Paulo



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/01/2020 às 00:22

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1781 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey