Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


29/11/2017

Emenda para proteger o clima entra em vigor

Começará a valer em 2019 o dispositivo internacional que controla substância com elevado potencial de agravar o aquecimento global.


O Brasil comemora a entrada em vigor da Emenda de Kigali, dispositivo internacional para redução do uso de substância com potencial de aquecimento global. Até o fim desta semana, a delegação formada pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e por outros órgãos federais participa, em Montreal, da reunião mundial que trabalha na Emenda e nas demais questões relacionadas à proteção da camada de ozônio, que filtra os raios solares nocivos à vida humana.

A Emenda de Kigali passará a valer em 1º de janeiro de 2019. Para começar a vigorar, era necessário que pelo menos 20 países transformassem o dispositivo em lei nacional dentro de seus próprios territórios, em um processo conhecido como ratificação. Esse mínimo foi atingido na semana passada e, hoje, 21 Estados partes já ratificaram a Emenda. A ratificação da emenda pelo Brasil está em andamento e dependerá da aprovação do Congresso Nacional.

O dispositivo controlará os hidrofluorcarbonos (HFCs), usados em sistemas de refrigeração e ar condicionado. A substância foi difundida entre o setor como alternativa tecnológica inofensiva à camada de ozônio. O problema é que, apesar disso, a comunidade científica classificou recentemente os HFCs como um potente gás de efeito estufa com elevado potencial de agravar o aquecimento global.

Diante da descoberta, o mundo se engajou em medidas para banir a substância e, no ano passado, aprovou a Emenda em Kigali, capital de Ruanda. O dispositivo define que todos os países gradualmente reduzirão os HFCs em mais de 80% nos próximos 30 anos e farão a substituição por alternativas com menor potencial de aquecimento global. Os países desenvolvidos começarão a redução em 2019 e os em desenvolvimento seguirão cronograma diferenciado.

OZÔNIO

Formada pelo MMA, Ibama e Ministério das Relações Exteriores (MRE), a delegação brasileira participa da 29ª Reunião e 11ª Conferência das Partes do Protocolo de Montreal, acordo que, desde 1987, controla a emissão de substâncias destruidoras do ozônio.

O Brasil está inserido no grupo dos países em desenvolvimento e, para eles, o ano de congelamento da produção dos HFCs será 2024. A meta fixada é a redução do consumo e produção de HFCs em 80% dos níveis registrados na média dos anos 2020 e 2022. O ano previsto para o alcance da meta é 2045.

A eliminação progressiva de HFCs no contexto do Protocolo de Montreal deverá evitar o aumento de até 0,5°C à temperatura global até o final do século, além de cumprir a finalidade de proteção da camada de ozônio.


Fonte: Ministério do Meio Ambiente



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

17/12/2017 às 09:40

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


86 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey