Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


17/04/2015

Eficiência de indicadores da restauração ecológica em mata ripária do bioma Cerrado

Dissertação apresentada à Faculdade de Tecnologia, Universidade de Brasília, de autoria de Pedro Augusto Fonseca Lima, relata sobre a Eficiência de indicadores da restauração ecológica em mata ripária (fase de implantação), no Cerrado, Gama - DF.

Foto ilustrativa - Google
O Cerrado é considerado um dos biomas mais ricos e com maior biodiversidade de espécies do mundo (LEWINSOHN; PRADO, 2002). É considerado o segundo bioma brasileiro em extensão, compreende 2.039.386 km² e representa aproximadamente 23% do território nacional (MMA/IBAMA, 2011). No entanto, a ocupação humana, por meio do uso e ocupação do solo para atividades agropecuárias, expansão mineral e degradação dos recursos naturais, reduziu a área nativa do Cerrado para 50,84% do território original (1.036.877 km²) (MMA/IBAMA, 2011).

Várias formações florestais do Cerrado, até então preservadas, foram alvos de interesse econômico, incluindo as formações florestais das matas ripárias, que são definidas como formações florestais com particularidade florística, em função das cheias periódicas, variáveis em intensidade, duração e frequência e da flutuação do lençol freático (MANTOVANI, 1989).

Esta vegetação do ponto de vista ecológico e hidrológico possui grande importância, visto que contribui para a manutenção da saúde ambiental e da resiliência da microbacia hidrográfica (NAIMAN; D'ECAMPS, 1997). Todavia, as matas ripárias no Cerrado e em outros biomas representam, para muitos agropecuaristas, um obstáculo ao livre acesso do gado à água e à expansão agrícola (ALBUQUERQUE et al., 2010), levando à degradação e à perda da capacidade de recuperação após o distúrbio.

Diante deste contexto, pode-se inferir, que os avanços do conhecimento da restauração ecológica e dos indicadores de avaliação são essenciais para a conservação e manejo da restauração nas matas ripárias do bioma Cerrado. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência ecológica de três indicadores de restauração na fase de implantação: o percentual de sobrevivência de mudas plantadas, o seu crescimento em altura e a cobertura de regenerantes. O estudo foi conduzido no Centro de Transferência de Tecnologias de Raças Zebuínas com Aptidão Leiteira (CTZL) da Embrapa Cerrados, Gama – DF. A coleta de dados foi realizada no período de janeiro/2012 a janeiro/2013, a partir da instalação do experimento de restauração ecológica com plantios de espécies nativas, realizado em dezembro/2011. Para avaliação da eficiência dos indicadores de restauração foi analisado o enquadramento dos aspectos: sensibilidade, resultabilidade, custo, compreensão, interpretação, previsibilidade, escala e síntese. O indicador de sobrevivência foi avaliado a partir da percentagem de mudas sobreviventes. O crescimento em altura foi obtido a partir das mudas com aumento gradativo deste parâmetro, com auxílio de trena. O percentual de cobertura dos regenerantes foi realizado pelo método de Braun-Blanquet, assim como dos remanescentes, invasoras, lianas e ausência de cobertura vegetal. A área total do experimento com dimensões de 320 x 80 m possuiu seis tratamentos com três repetições cada, sendo: T1 = Nucleação (5 x 5 m); T2 = Nucleação (5 x 5 m) + Poleiros; T3 = Poleiros; T4 = Linha de recobrimento e Linha de diversidade; T5 = Controle; T6 = Supressão da braquiária, perfazendo o total de 18 parcelas amostrais. A taxa de sobrevivência das 717 mudas implantadas, pertencentes a 18 espécies após um ano de plantio foi de 73,6%, sendo que apenas cinco espécies tiveram sobrevivência inferior a 70%.           

Desta forma, a sobrevivência demonstrou ser um bom indicador, quanto aos aspectos: sensibilidade, resultabilidade, compreensão e baixo custo, embora em termos de escala e síntese ainda não estejam claros nesta fase de implantação. A análise do crescimento em altura de mudas resultou em equações capazes de medir o incremento (cm/ano) das espécies utilizadas, bem como da avaliação das espécies com maior incremento anual, como Inga laurina e Tapirira guianensis, de modo que apresentou restrições na sua eficiência, não se enquadrando em vários aspectos em relação aos outros indicadores. No estudo dos regenerantes ao se analisar, pelo coeficiente de correlação de Pearson, a sua densidade média entre parcela e diagonal verificou-se que não foi representativa para caracterizar toda a parcela. No entanto, ao se analisar a representatividade a partir de equações lineares verificou-se que foi muito alta em julho de 2012 (77%) e moderada em janeiro de 2013 (40%). Ao se analisar a cobertura de regenerantes entre tratamentos (método de Wilcoxon) identificou-se que houve diferença significativa entre a cobertura inicial e final do T1 em relação aos demais tratamentos. Esta diferença em apenas um tratamento pode ser explicada pelo curto período de análise (12 meses). Em outros tratamentos observam-se ligeiros aumentos, os quais se esperam que no decorrer do tempo possam ser significativos. Dentre os indicadores avaliados, na fase de implantação, os regenerantes mostraram-se mais eficientes, seguido da viii sobrevivência; no entanto, o crescimento em altura pode ser considerado como de mediana eficiência.

O trabalho pode ser lido na íntegra através do link:
http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/13397


Fonte: Camila Maria Soares Batalha / BDTI II / Biblioteca Florestal Digital



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

15/12/2019 às 00:35

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1568 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey