Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


13/01/2015

EFEITO DO INTERVALO DE IMERSÃO E DE INJEÇÃO DE AR NA MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla EM BIORREATOR DE IMERSÃO TEMPORÁRIA

Artigo submetido à Revista Ciência Florestal, Santa Maria, v.24, n.1, p.37-45, jan.-mar, 2014, de autoria de Mila Liparize de Oliveira, Aloisio Xavier, Ricardo Miguel Penchel Filho e Jocemar Palauro dos Reis, relata sobre o Efeito do intervalo de imersão e de injeção de ar na multiplicação in vitro de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla em biorreator de imersão temporária.

Foto ilustrativa - biorreator-de-imersao-temporaria
O desenvolvimento de novas tecnologias para produção de mudas micropropagadas em larga escala, em especial para espécies florestais de interesse econômico como as do gênero Eucalyptus, é uma das alternativas para tornar esta técnica da cultura de tecidos mais acessível comercialmente, principalmente, com o desenvolvimento de equipamentos como os biorreatores que permitem reduzir a mão de obra e o custo de produção, estabelecendo um sistema prático para propagação massal de plantas in vitro (TAKAYAMA e AKITA, 2006).

Muitos fatores interferem na micropropagação de plantas, principalmente no que se refere ao uso de biorreatores e ao uso de meio de cultura líquido. Entre estes, as condições do cultivo in vitro como alta umidade, fatores nutricionais como minerais e carboidratos, altos níveis de reguladores de crescimento, baixa irradiância e elevada disponibilidade de água no substrato são os maiores indutores de desordens fisiológicas nas plantas, como a hiper-hidricidade (MAJADA et al., 2000).

O manejo da cultura, como a determinação do intervalo e da duração da imersão, é fator fundamental para obtenção de um maior coeficiente de multiplicação e melhor qualidade das plantas em sistemas de imersão temporária (CASTRO e GONZÁLEZ, 2002), pois determina a absorção de nutrientes e controla a hiper-hidricidade das plantas (ETIENNE e BERTHOULY, 2002).

Em vista da importância do manejo das condições de cultivo sobre o desenvolvimento das culturas, os objetivos deste estudo foram avaliar diferentes intervalos de imersão (2, 4, 8 e 16 h) e suportes de apoio (papel-filtro e espuma) dos explantes de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla dentro dos recipientes de imersão temporária automatizada (RITA®), assim como um sistema de ventilação com entrada de ar acoplado ao recipiente dos biorreatores.

Foram avaliadas as características: massa fresca, número de brotos e hiper-hidricidade dos explantes, na fase de multiplicação de gemas axilares. Os resultados mostraram que os menores intervalos entre as imersões (2 e 4 h) e o suporte de papel-filtro proporcionaram maior crescimento em massa fresca e número de brotos formados por explante, porém, ocasionaram maior tendência ao aparecimento da hiper-hidricidade. Quanto à injeção adicional de ar ao recipiente do biorreator RITA®, o fluxo de ar de 0,8 L min-1 (a cada 4h com duração de 1 mim) adicionado aos frascos foi insuficiente e não influenciou o desenvolvimento das culturas.
 
Trabalho complto disponível no link:
http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/10898


Fonte: Camila Batalha - Biblioteca Digital Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


FzLQCccHu disse:

15/11/2015 às 05:14

Good day very cool website!! Guy .. Beautiful .. Wonderful .. I will borkamok your web site and take the feeds also?I'm happy to search out a lot of useful information right here in the submit, we want develop more techniques on this regard, thanks for sharing.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


3665 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey