Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


11/11/2008

Economista calcula 15 bilhões de dólares para salvar florestas

O economista britânico Nicholas Stern, coordenador do Relatório Stern, que calculou o impacto das mudanças climáticas para a economia mundial, afirmou que a redução de 50% do desmatamento em todo o planeta custaria cerca de US$15 bilhões por ano. Stern disse que se o Brasil conseguir reduzir o desmatamento conquistará mais apoio financeiro internacional para projetos ambientais.

Desmatamento na Amazônia

O economista britânico Nicholas Stern, coordenador do Relatório Stern, que calculou o impacto das mudanças climáticas para a economia mundial, afirmou que a redução de 50% do desmatamento em todo o planeta custaria cerca de US$15 bilhões por ano. Stern disse que se o Brasil conseguir reduzir o desmatamento conquistará mais apoio financeiro internacional para projetos ambientais. O economista participou de um debate com cientistas brasileiros na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

- O país pode conseguir mais ajuda para os seus projetos ambientais - afirmou Stern, que foi economista-chefe do Banco Mundial e ex-conselheiro do governo britânico. De acordo com ele, para conseguir atingir seus objetivos os governos não poderão mais deixar as mudanças climáticas por conta dos ministérios de Meio Ambiente, mas tratar o tema com pastas como Casa Civil, Agricultura e Desenvolvimento e Fazenda. Ele acha fundamental associar clima e desenvolvimento.

- Falar em financiamentos para o desenvolvimento sem considerar as mudanças climáticas em curso no planeta é simplesmente tolice. É preciso discutir as políticas de desenvolvimento já dentro de um clima mais hostil, que é a nossa realidade - afirmou Stern.

Precária

O climatologista Carlos Nobre, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que participou do encontro, disse que a economia do desmatamento no Brasil é “ridiculamente precária” e não tem sentido o país continuar desmatando. Segundo Nobre, embora 55% das emissões de gases do Brasil sejam provenientes do desmatamento da Amazônia e do Cerrado, essa ação gera somente 1% do PIB nacional.

Ele explicou ainda que o gado da Amazônia e do Cerrado (o rebanho bovino brasileiro é responsável por 15% das emissões) já está incluído nas emissões da agropecuária, de 25%. "Não existe nada menos ambientalmente sustentável do que o desmatamento".

Aquecimento global

Durante o debate, Stern reafirmou que os custos com o aquecimento global hoje já são mais que o dobro do previsto em seu relatório, concluído há exatos dois anos. O motivo é que as mudanças climáticas estão ocorrendo mais rapidamente do que o previsto e as emissões só têm aumentado.

A previsão do Relatório Stern era de que o mundo gastaria 1% do PIB se agisse logo no combate ao aquecimento global. No final de junho deste ano, Stern alertou que os custos dobraram, pois nada foi feito e as emissões cresceram. Segundo ele avaliou ontem, já está claro que a capacidade de adaptação do planeta é menor do que a imaginada e os impactos econômicos poderão chegar a 2% do PIB mundial.

Para Stern, a crise financeira mundial é uma prova clara de que “o risco ignorado acaba amplificado”. Ele disse que é preciso estabilizar a concentração de CO2 não mais em 500 ou 550 partes por milhão, mas em 450 partes por milhão. Mesmo assim, frisou que não é a quantidade ideal, porém a mais viável. E destacou que as emissões de gases de efeito estufa farão a temperatura subir 2 ou 3 graus Celsius até 2050 e 5 graus até o início do próximo século. O prejuízo estimado no relatório foi de 20% do PIB até 2050. Stern disse que poderá ser muito maior.


Fonte: www.remade.com.br



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/03/2019 às 09:09

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2784 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE   |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey