Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


18/02/2011

É hora de extrair látex

Com preços em ascensão e alta demanda nacional, borracha tem potencial para ingressar com força no Paraná, que tem clima e terra propícios para o plantio das seringueiras.

Um conjunto de fatores nacionais e internacionais está fazendo que a produção de borracha no Brasil se torne um ótimo negócio, com retorno garantido para os próximos anos. De um lado, os principais países asiáticos exportadores do produto - Indonésia (com 45% do total) e Tailândia (35%) - sofrem com as intempéries ficando cada vez mais complicado abastecer a demanda mundial. Do outro, a indústria automobilística brasileira cresce à todo vapor, cerca de 27% nos últimos quatro anos, potencializando a demanda para a indústria de pneumáticos.

Dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) apontam que a produção do país atende apenas 30% da demanda interna, com 130 mil toneladas, muito pouco pelo potencial que possui. Em 2010, o Brasil importou nada menos do que 260,8 mil toneladas de borracha, um investimento de R$ 1,29 bilhão. A produção interna está concentrada em São Paulo (com 55%), Mato Grosso (14%) e Bahia (13%). 

No Paraná, a cultura de plantar e extrair a borracha bruta das seringueiras - a heveicultura - ainda é pouco difundida, mesmo com o Estado tendo clima propício e fertilidade do solo boa, principalmente nas regiões norte e noroeste (ver mapa). Segundo Gustavo Firmo, chefe da Divisão de Florestas Plantadas e Culturas Permanentes do Mapa, o plantio aumentou substancialmente por aqui desde 1996, mas ainda é modesto, cerca de 667 hectares, com uma produção de 1,22 mil toneladas, o que torna o Estado apenas o 11º produtor. ''É fato que existe um deficit de borracha mundial, com um mercado bem promissor. No Paraná, apenas três contratos de financiamento foram feitos em 2009, no valor de R$ 139 mil. Ano passado, também foram realizados três contratos, somando R$ 24 mil'', aponta Firmo, lembrando que nos últimos dois anos, foram aplicados R$ 44 milhões em crédito para investimento em seringais. 

Para os técnicos do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) André Luiz Ramos, pesquisador da área de fitotecnia, e Paulo Rezende, técnico agrícola especialista em heveicultura, alguns fatores devem ser trabalhados para incrementar a produção no Estado. ''A falta de divulgação, o alto custo das mudas (cerca de R$ 4), e a demora para a primeira extração (por volta de sete anos) são entraves que inibem o produtor a trabalhar com seringueiras'', explicam eles. 

Entretanto, a espera e o investimento são recompensados. Em doze anos, o quilo da borracha bruta (ou coágulo) subiu mais de 200%, de R$ 1,10 para R$ 3,50. Um produtor pequeno, por exemplo, com quatro hectares, consegue plantar cerca de duas mil árvores nesta área, que produzem por volta de 1,6 mil quilos por mês, o que gera uma renda bruta de R$ 5,6 mil mensais. ''A sangria é realizada de 4 em 4 dias e o trabalho não é penoso, feito por poucas pessoas'', explica o técnico agícola. 

Já o pesquisador André Ramos ressalta sobre a demanda de pesquisa para a heveicultura, que inclui clones adaptados para as condições do Paraná, adubação, nutrição, propagação e o Sistema Agroflorestal (SAF), no qual o produtor planta as seringueiras em consórcio com outras lavouras. ''Dessa forma, na fase inicial, quando ainda não está ocorrendo a extração da borracha, há uma amortização dos custos com a colheita de outras culturas, como o café'', complementa o especialista. 


Fonte: Folha de Londrina/ Victor Lopes



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

07/12/2019 às 11:05

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para celulose?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2282 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey