Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


20/09/2010

Crise do ferro-gusa continua no Maranhão e Minas Gerais

Os dois principais polos de produção do ferro-gusa, nas regiões do Maranhão e Minas Gerais, continuam passando por uma crescente queda de produção.

Os dois principais polos de produção do ferro-gusa, nas regiões do Maranhão e Minas Gerais, continuam passando por uma crescente queda de produção. Segundo fontes do setor, na região do Maranhão as empresas que ainda mantém o funcionamento estão em prejuízo.

Três das principais produtoras e exportadoras de aço localizadas no estado, a Siderúrgica do Maranhão S.A. – Simasa, a Companhia Siderúrgica Vale do Pindaré - Pindaré e a Cosima - Siderúrgica do Maranhão Ltda, estão com a produção paralisada desde meados deste ano. A expectativa era de que até o final de outubro houvesse uma melhora no mercado, no entanto, tudo indica que só haverá melhoria a partir do início do próximo ano.

O estado que exporta para os Estados Unidos 90% do que produz teve sua produção reduzida junto com a demanda exterior, uma vez que somente 70% da capacidade instalada dos EUA está em funcionamento desde a recessão econômica.


Minas Gerais

O quadro de Minas Gerais também não tem muitas variações. De acordo com o assessor do Sindifer (Sindicato da Indústria do Ferro no Estado de Minas Gerais), Carlos Alberto, o mercado que exportava para os Estados Unidos, China, entre outros, somente tem enfrentando mais quedas. Há cerca de dois meses a produção estava em 300 mil toneladas, hoje caiu para 170 mil toneladas. Minas Gerais tem 106 fornos para produção do gusa, mas somente 23 estão em funcionamento, 83 estão paralisados.

Para Carlos Alberto, a crise foi gerada pela baixa competitividade com o mercado externo, que ainda enfrenta os efeitos da crise econômica mundial, como a desvalorização do dólar, e a pela super oferta do produto no mercado nacional, uma vez que não está sendo exportado. Mas, ele acredita que a partir de outubro, em função do inverno, deve haver melhorias por causa do congelamento dos portos europeus.


Fonte: Infomet - Adaptado por Painel Florestal



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

01/10/2020 às 08:40

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2560 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey