Facebook Twitter RSS

Avanço e Pesquisa

Versão para impressão
A-
A+


21/08/2014

Crescimento de mudas de Eremanthus erythropappus (candeia) sob diferentes formulações de substrato

Foto ilustrativa - Mudas de candeia
Eremanthus erythropappus (DC.) MacLeish., a candeia, é uma espécie florestal nativa, a qual tem sido alvo de uma série de pesquisas, devido a sua importância econômica e ambiental, principalmente devido à madeira que apresenta alta resistência e durabilidade e em função da extração de seu óleo, que contém o alfabisabolol. Além disso, é uma espécie que forma maciços florestais nativos, os candeais, em locais de suma importância para o abastecimento do lençol freático, funcionando também, como uma proteção ao fogo para outras formações florestais devido à resistência a regimes moderados de incêndios. Com a importância da espécie, demandas surgem, dentre elas, a produção de mudas. No entanto, resultados relacionados aos fatores que interferem na propagação desta espécie ainda são escassos, sendo, muitas vezes, utilizadas informações acerca de outras espécies mais conhecidas, como o eucalipto, como base para sua silvicultura.

Dentre os fatores que interferem na sobrevivência, crescimento e no padrão de qualidade de mudas de espécies florestais, destacam-se os componentes do substrato e suas proporções. Diante disso, a adoção do sistema de produção e a escolha do substrato influenciam na quantidade e na qualidade das mudas, custos de produção e lucro do viveiro.

Desta forma, com base na demanda por informações acerca da candeia e pela importância da escolha dos constituintes do substrato para a produção de mudas e suas respectivas proporções, uma equipe da Universidade Federal de Lavras (UFLA), coordenada pelo professor Lucas Amaral de Melo fez um trabalho a fim de verificar a influência de diferentes formulações de substrato à base de esterco de curral, casca de arroz carbonizada, fibra de coco e vermiculita na sobrevivência e crescimento de mudas de Eremanthus erythropappus. Para isso, também utilizaram outra espécie, o Eucalyptus grandis, como um modelo de espécie com a silvicultura já desenvolvida.

O estudo foi desenvolvido no Viveiro Florestal da UFLA, testando dez formulações de substrato, contendo esterco de curral curtido, casca de arroz carbonizada, fibra de coco (esses variando nas proporções de 0, 30, 60 e 90%) e vermiculita média (10%), para a produção de mudas de E. erythropappus em tubetes de 110 cm³ e E. grandis em tubetes de 55 cm³. Ao fim do processo de produção, foram quantificados a sobrevivência e o crescimento das mudas. Pelas diferenças nas proporções, assim como diferenças nos custos de aquisição e preparo de cada constituinte, foi também quantificado o custo por m³ de substrato produzido.

Quando analisada a sobrevivência das mudas de candeia, pôde-se verificar que os tratamentos com maiores percentuais de esterco apresentaram altas taxas de mortalidade, o que não ocorreu com as mudas de eucalipto. Um dos fatores que influenciou na mortalidade de mudas de candeia, na medida em que se aumentavam as proporções de esterco no substrato, foi a maior incidência de um fungo causador de uma doença conhecida como “damping off”. Desta forma é inviável produzir mudas de candeia com a utilização de altas proporções de esterco em tubetes.

Figura 1. A) Sobrevivência média de mudas de candeia e de eucalipto, aos 145 e 110 dias após a semeadura, respectivamente, em função das diferentes formulações de substrato; B) Sobrevivência de mudas de candeia aos 145 dias após a semeadura, em função do percentual de esterco presente no substrato.
 
Com relação ao crescimento das mudas, verificou-se que, assim como ocorreu para a sobrevivência, as mudas de candeia foram influenciadas negativamente pela presença de esterco. Já, ao avaliar o crescimento das mudas de eucalipto, observou-se que os menores valores foram obtidos na ausência de esterco, enquanto os maiores foram encontrados nos substratos com 60 e 90% de esterco em sua composição.

Portanto, verifica-se que utilizar os resultados obtidos na produção de mudas de eucalipto, muitas vezes utilizado como modelo, para escolher o substrato a ser utilizado na produção de mudas de espécies em início de desenvolvimento silvicultural, como a candeia, pode não ser a melhor opção, uma vez que os resultados podem ser contrastantes. Neste estudo, enquanto o esterco influenciou de forma positiva no crescimento das mudas de eucalipto, o mesmo influenciou negativamente tanto a sobrevivência, quanto o crescimento de mudas de candeia.

Com relação ao custo de produção de 1 m³ de substrato, verifica-se que, dependendo da região em que o viveiro se localiza, do aproveitamento volumétrico de cada um dos constituintes, da proporção do constituinte na formulação do substrato e da espécie a ser produzida, o custo pode variar bastante, incorrendo em alterações no planejamento orçamentário do viveiro.

Dentre os substratos testados neste estudo, verificou-se que aquele que apresentou o custo mais elevado para ser produzido (tratamento 1) é cerca de 213% mais caro do que o substrato formado por 90% de esterco de curral (tratamento 10) em sua composição, que foi o mais barato (R$ 77,95/m3), sendo os cálculos feitos sem considerar o custo da adubação de base. Desta forma, para que sejam produzidas mudas de candeia com qualidade, em tubetes, aconselha-se utilizar a fibra de coco como constituinte em maior proporção, o que acaba elevando o custo de produção.
 
Tabela 1. Formulação dos substratos.
Trat Constituintes
A B C D
1 00 00 90 10
2 00 30 60 10
3 00 60 30 10
4 00 90 00 10
5 30 00 60 10
6 30 30 30 10
7 30 60 00 10
8 60 00 30 10
9 60 30 00 10
10 90 00 00 10
A: esterco de curral; B: casca de arroz carbonizada; C: fibra de coco; D: vermiculita.
 
 Autor: Lucas Amaral de Melo – Professor do Departamento de Ciências Florestais/Silvicultura – Universidade Federal de Lavras


Fonte: Adriele de Lima Felix ? Bolsista do Polo de Excelência em florestas/ SECTES/FAPEMIG



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (1)


DARWIN RODRIGUEZ disse:

04/09/2014 às 17:56

ME PARECE MUY BUENA ESTE SITIO DE INVESTIGACION!1 ESTOY INTERESADO EN LA PARTE DE ENTOMOLOGIA FORESTAL, SALUDOS

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

As mais lidas


Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


2337 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey