Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


05/09/2012

Conexão entre mercados de carbono deve levar à economia de bilhões para empresas australianas

A decisão das lideranças da União Europeia e Austrália de conectar integralmente seus esquemas de limite e comércio de emissões (cap-and-trade) a partir de 2018 deve trazer uma economia de até A$ 2,5 bilhões (?2,04 bi) entre 2016 e 2020 para as empresas australianas, estima a consultoria RepuTex, que analisa os mercados de carbono.

Como o sistema de cap-and-trade que entrará em operação na Austrália em 2015 foi elaborado de forma diversa ao esquema já em vigor na União Europeia, várias medidas terão que ser tomadas para sua harmonização. A primeira delas é a eliminação do piso de A$ 15 (€12,21) sobre a tonelada de dióxido de carbono equivalente (CO2e), anunciada pelo ministro de Mudanças Climáticas, Greg Combet, na semana passada.

O plano é que as empresas sujeitas às cotas de emissão sob o esquema australiano poderão cumpri-las através da compra de permissões de emissão da União Europeia e compensações internacionais, como as Reduções certificadas de Emissão (RCEs), a partir de 2015. O oposto, as companhias europeias comprando as permissões australianas, terá início em 2018.

Como as perspectivas para o aumento do valor das EUAs e créditos de compensação não são muito otimistas, ficando em uma média de A$11,50 (€9,3) na segunda metade da década, de acordo com a consultoria, a diferença que os emissores australianos deixarão de gastar para custear as emissões de CO2 com a retirada do piso é potencialmente de 16%.

A RepuTex estima que as EUAs devam custar em torno de A$ 17 (€13,8), e as RCEs, de A$ 7 (€5,7) entre 2016-2020. Os compradores australianos devem usar créditos internacionais para suprir 22% da sua necessidade.

A pesquisa da empresa indica que o setor de energia será o maior beneficiado com a conexão, deixando de gastar até A$ 1,5 bilhões (€1,22 bi) ao longo dos cinco anos.

A União Europeia ainda precisa decidir como lidará com o excesso de permissões que deprimiu os preços do carbono em seu cap-and-trade, portanto, quanto maior e mais permanente for a retirada de permissões do mercado, mais significativo será o impacto da nova demanda australiana no esquema europeu, concluem os analistas.


Fonte: http://www.institutocarbonobrasil.org.br/mercado_de_carbono1/noticia=731719



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

20/01/2020 às 00:22

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

O que você acha da implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR)?

Trará benefícios aos produtores rurais
Trará benefícios ao meio ambiente
Trará benefícios apenas para o governo
Trará benefícios aos produtores rurais, ao meio ambiente e ao governo
Não muda a situação dos produtores rurais, nem do meio ambiente

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


1439 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey